A menina do bairro de lata

Costuma dizer-se que em Agosto nada acontece. Pois…  para muita gente é em Agosto que quase tudo acontece. No dia 12, rumei a Fafe para assistir à apresentação do livro “A Terra do Chiculate – Relatos da Emigração Portuguesa” de Isabel Mateus. Mas também me movia conhecer uma mulher que já foi menina.

Gérald Bloncourt é o grande fotógrafo da emigração portuguesa para França. Retratou os bairros de lata, os locais de trabalho e a própria viagem a salto (ver http://www.bloncourt.net/). As suas fotografias foram expostas no Museu Colecção Berardo, em Lisboa, em 2008, na Casa Municipal da Cultura de Fafe, em 2009, e no Museu da Imagem, em Braga, em 2010. Permito-me destacar quatro fotografias.

Gérald Bloncourt: Immigré portugais dans bidonville de la région parisienne - 1967

Gérald Bloncourt: Il faut faire la queue pour se procurer de l'eau à l'unique robinet de ce bidonville portugais en région parisienne - 1964

Gérald Bloncourt: Le coiffeur du bidonville - Champigny - mai 1964

Na primeira fotografia, um emigrante abre caminho por entre a lama, proverbial no bairro de Champigny. As pessoas, para resguardar a roupa e o calçado, enfiavam sacas de plástico até ao joelho. Nas barracas, não havia água, nem electricidade. A fila para o único fontanário era garantida (fotografia 2). O barbeiro ao ar livre estava em voga (fotografia 3). As barracas não tinham luz. Muitos emigrantes faziam a barba no exterior com o espelho pendurado em qualquer canto. A última fotografia mostra-nos, enfim, a Tina, assim baptizada há escassos três meses. Rodeada de lama, uma boneca e uma bola de azeite na mão. Esta é certamente a imagem mais vista da emigração portuguesa.

Gérald Bloncourt: Menina portuguesa no bairro de St. Denis

Descobriu-se este ano quem era a menina. Como escreve Gérald Bloncourt no seu blogue (http://bloncourt.over-blog.net/): “J’ai retrouvé la petite portugaise, Maria da Conceição Tina Melhorado, le 26 Juin à Paris. Je l’ai photographié dans le Bidonville de St Denis en 1966. Elle est aujourd’hui mère de famille et professeur de Français à Coimbra au Portugal ». Tina também não tinha conhecimento da fotografia. O acaso fez a junção. O símbolo adquiriu corpo, voz e nome. Quarenta e cinco anos depois, Tina mostra-se à altura do ícone.

No dia 12 de Agosto, rumei a Fafe. Não esperava nem uma epifania, nem uma revelação. Testemunhei, outrossim, uma encarnação. Algo que se guarda bem guardado para um dia fazer inveja aos anjinhos do purgatório.

Etiquetas:, , , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

5 responses to “A menina do bairro de lata”

  1. celeste says :

    estas fotos não são miséria mas antes esperança…o rosto da menina simboliza-a bem,nessa época esse foi um caminho ainda que iniciado por uma fuga.hoje os portugueses precisam de outros “saltos” , para onde?

    • Antoine Da Silva Dias says :

      Hoje precisam de se revoltar a sério!!! Foram estes emigrantes que engrandeceram Portugal.
      Esses DR.s exploradores das riquezas do nosso pais querem-se todos na cadeia.
      Preparemos uma verdadeira revolta!!! eu vou…..
      Coragem portugueses mostrai a vossa determinação. Liberttemos Portugal!!

  2. Antoine Da Silva Dias says :

    Traduz o estar de uma maioria de portugueses não residentes na patria mãe.

Deixe uma Resposta para Antoine Da Silva Dias Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: