Archive | Abril 2016

Varinha mágica

iPhone-6s-onions-commercial

“Disse bizarro? ” Um anúncio a parodiar as artes… O mundo às avessas! Uma menina filma a mãe a cortar cebolas, com um iPhone 6s, a chave para o milagre. Se acredita em contos de fadas, a protagonista é a nova Cinderela. O filme trepa as escadas da fama: circula entre vizinhos e conhecidos; brilha na Internet; conquista universidades, galerias, agentes, mediadores e empresas de distribuição. Por último, a consagração: o prémio para o melhor filme, pelas mãos de Neil Patrick Harris, o apresentador do Óscar 2015. As gatas borralheiras e os príncipes sapo estão para durar. São figuras universais. Amanhã, vou à Escola da Primavera em Melgaço. Uma natureza abençoada, com cada vez menos gente. Dava jeito um iPhone 6s.

Marca: iPhone 6s. Título: Onions. Apple. USA, Abril 2016.

Onde os homens?

Os vídeos sobre os prodígios do planeta encantam, mas deixam um travo amargo. Onde estão os homens?

“Donde los hombres?”, cantam os Aguaviva, a partir de um poema de Rafael Alberti: Balada para los poetas andaluces de hoy. A música é de 1970. Segue o ficheiro áudio.


Aguaviva. Poetas Andaluces de ahora. 1970.

“Donde los hombres?”Os Tangerine Dream, fundados em 1967, encontram  cachos humanos. O vídeo Sorcerer (2014) assinala a estética da repetição e da domesticação. Os homens adestram-se, mais do que cães, normalizam-se, mais do que frangos, e arrebanham-se, mais do que carneiros. Os homens são operacionais. E os homens apinham-se para ver homens adestrados, normalizados, arrebanhados e operacionais. Valha-nos Deus!

Tangerine Dream. Sorcerer. 2014.

Balada para los poetas andaluces de hoy

¿Qué cantan los poetas andaluces de ahora?
¿Qué miran los poetas andaluces de ahora?
¿Qué sienten los poetas andaluces de ahora?

Cantan con voz de hombre, ¿pero dónde están los hombres?
con ojos de hombre miran, ¿pero dónde los hombres?
con pecho de hombre sienten, ¿pero dónde los hombres?

Cantan, y cuando cantan parece que están solos.
Miran, y cuando miran parece que están solos.
Sienten, y cuando sienten parecen que están solos.

¿Es que ya Andalucía se ha quedado sin nadie?
¿Es que acaso en los montes andaluces no hay nadie?
¿Que en los mares y campos andaluces no hay nadie?

¿No habrá ya quien responda a la voz del poeta?
¿Quién mire al corazón sin muros del poeta?
¿Tantas cosas han muerto que no hay más que el poeta?

Cantad alto. Oireis que oyen otros oídos.
Mirad alto. Veréis que miran otros ojos.
Latid alto. Sabréis que palpita otra sangre.

No es más hondo el poeta en su oscuro subsuelo.
encerrado. Su canto asciende a más profundo
cuando, abierto en el aire, ya es de todos los hombres.

Rafael Alberti

Earth Porn

 

Framepool. Earth Porn

Vedeta na Internet, David Attenborough – Wonderful World é um excelente vídeo da BBC, acessível no Tendências do Imaginário desde a publicação em Dezembro 2011. Esta semana, saiu outro vídeo focado no planeta: Earth Porn, da Framepool. Pode não ser mais belo, mas é mais voluptuoso. Graças à música.

Anunciante: Framepool. Título: Earth Porn. Agência: McKinney. USA, Abril 2016.

Whiskey sábio

Conferência  de Solvay - 1927.

Conferência de Solvay – 1927.

Auguste Piccard

Auguste Piccard

Nada escapa à voracidade da publicidade. Nem sequer a ciência. O anúncio ao whiskey Hennessy reconstitui a primeira ascensão estratosférica em balão. Proeza de Auguste Piccard, físico, inventor e explorador suíço, fonte de inspiração da personagem do Professor Tournesol, de Hergé. Cientista reputado, “cujas experiências não cabiam nos laboratórios”, consta, em cima à esquerda, da fotografia da Conferência de Solvay, em 1927, na companhia de, entre outros, Werner Heisenberg, Niels Bohr, Max Planck, Marie Curie e Albert Einstein.
Pergunto-me como, naquele tempo, sem rankings, nem factores de impacto, estes sábios conseguiram conhecer-se e encontrar-se.

Conferência  de Solvay - 1927. Com identificação.

Conferência de Solvay – 1927. Com identificação.

Se Auguste Piccard subiu mais alto, o filho, Jacques Piccard desceu mais baixo! Foi o primeiro a atingir, em 1960, o ponto mais profundo do planeta: a fossa das Marianas (11 034 metros). O neto de Auguste Piccard , Bertrand Piccard, empreendeu, em 1999, o primeiro voo de balão à volta do mundo sem escalas (ver documentário sobre a família Piccard).
O que tem o whiskey Hennessy a ver com os Piccard? Nada, logo tudo! A publicidade é espantosa, não é?

Marca: Hennessy V.S.. Título: The Piccards. Agência:

Escola da Primavera em Melgaço

Escola da Primavera - Cópia 3.png

Realiza-se nos dias 30 de Abril e 1 de Maio, em Melgaço, a terceira edição da Escola da Primavera, organizada pelo curso de Mestrado em Comunicação, Arte e Cultura, pela Câmara Municipal de Melgaço e pelo Centro de Estudos Comunicação e Sociedade, com a colaboração do curso de Doutoramento em Estudos Culturais.

As actividades, contempladas no cartaz anexo (carregar para aumentar), estão abertas ao público.

Segue uma galeria com fotografias dos locais a visitar.

Os bebés e o dragão

Chronique de Jean Froissart. Séc. XV,

Chronique de Jean Froissart. Séc. XV.

Saiu um novo anúncio da saga dos bebés da Evian. Desta vez, na praia. Qualidade e humor garantidos. Confesso que gosto mais dos anteriores, nomeadamente os bebés nadadores (1998). Não desaparece o factor surpresa, mas enquanto que os anúncios anteriores apostaram na coreografia, este enreda-se na narrativa. O que ganha em dispersão da atenção perde em tensão e envolvimento.

O anúncio trouxe à memória os Peter, Paul & Mary, um trio norte-americano criado em 1960. Seguem duas canções, uma a preceito, Puff the Magic Dragon (1963), e a outra por eleição, Early Mornin’ Rain (1965, com melhor som).

Marca: Evian. Título: Baby Bay. Agência: BETC. Direcção: James Rouse. França, Abril 2016.

Peter, Paul & Mary. Puff The Magic Dragon. 1963. Ao vivo em 1965.

Peter, Paul & Mary. Early Mornin’ Rain. 1965. Ao vivo em 1966.

Mamas suplentes

14. Auguste Rodin - Torse d'Adèle - 1880

Auguste Rodin – Torse d’Adèle – 1880

O anúncio “Tetas x Tetas”, do Movimiento Ayuda Cáncer de Mama (Argentina), é um ovo de Colombo criativo, com humor e duplo impacto (ao nível do rastreio do cancro da mama e da censura). O site da televisão francesa Culturepub fala de uma ideia genial:

Nas redes de Mark Zuckerberg (Facebook, mas também no Instagram, adquirido em 2012), é impossível mostrar a mínima ponta de um mamilo. O excesso de pudor americano impõe uma censura implacável de todas estas “coisas” que, apesar de tudo, permitiram ao homo sapiens assegurar a sua sobrevivência e a da sua descendência durante alguns 200 000 anos. Em contrapartida, no Facebook, é possível, sem problemas, defender posições racistas, anti-semitas ou, muito simplesmente, conspurcar a face da “vítima” do colégio…”(http://www.culturepub.fr/pink-ribbon-cachez-ce-sein-que-facebook-ne-saurait-voir/).

“Virtude legítima ou discriminação sexista? Sem pretender rematar o debate, constate-se que esta política levanta um problema quando se trata de promover a prevenção do cancro da mama junto das jovens gerações conectadas às redes sociais” (http://www.culturepub.fr/une-idee-geniale-pour-contourner-la-censure-sur-facebook-et-instagram/).

E se os mamilos tivessem sido alvo de censura na pintura e na escultura ao longo dos séculos? Como seria a História da Arte? Acresce uma galeria de imagens.

Anunciante: Macma. Título: Tetas x tetas. Agência: David. Argentina, Abril 2016.

Galeria de imagens: Os seios na arte

 

Sementes de violência

Violence domestique

“Os homens são tão estúpidos que uma violência repetida acaba por lhes parecer um direito” (Claude-Adrien Helvétius, Proverbes, maximes et pensées (1765).

A violência é uma dimensão tortuosa e complicada do ser humano. Importa precaver contra a violência desde a infância. É decisivo. Mas como? Por um lado, não pode ser como os contrafogos que apagam o fogo com fogo. Por outro lado, as crianças aprendem com os adultos, mas o mundo dos adultos é um espectáculo de violência, com ou sem eufemismos.

Anunciante: Australian Government. Título: Stop it at the start. Agência: BMF Australia. Direcção: Derin Seale. Austrália, Abril 2016.

Como os animais

Sagami Act of Love

“[As fábulas] não são apenas Morais; elas facultam outros conhecimentos. Os atributos dos Animais, e os seus diversos caracteres, nelas se exprimem; por conseguinte, os nossos também, porque nós somos a abreviatura daquilo que há de bom e de mau nas criaturas irrazoáveis” (Jean de La Fontaine. Fables. Préface, 1668).

“Nós somos a abreviatura daquilo que há de bom e de mau nas criaturas irrazoáveis”. Pensando bem, até somos irracionais. Segundo Karl Marx, “a anatomia do homem dá-nos uma chave para compreender a anatomia do macaco” (Introdução à Contribuição para a Crítica da Economia Política, 1858). Prefiro acreditar, com La Fontaine, que o macaco e os outros animais são o molde do homem. Atente-se nas danças do anúncio aos preservativos Sagami Original, em que os seres humanos imitam os rituais de galanteio dos animais. “O amor é profundamente animal: é a sua beleza” (Remy de Gourmont, Physique de l’Amour, Essai sur l’instinct sexuel, 1903. Nada que os Maroon 5 não cantem (Animals, 2014).

Marca: Sagami Original. Título: Act of Love. Agência: White Briefs. Direcção: Greg Brunkalla. Japão, Janeiro 2016.

Maroon 5. Animals. Álbum: V. 2014.

Os velhos

Albrecht Durer. Hands.

Albrecht Dürer (?). Hands.

“Velhos são os trapos”. Fico perplexo perante tanta sabedoria. Um argumento incontestável. Os velhos não são velhos, porque velhos são os trapos, e os velhos não são trapos. Com os trapos, desmoronam-se séculos de uma língua. Doravante, os velhos não são velhos, são idosos, seniores e pessoas de idade. Em tempos, terceira idade. Os bem-pensantes pensam bem! No meu entendimento, os velhos são velhos. Os meus velhos continuam a ser os meus velhos. Não são os meus idosos, os meus seniores ou as minhas pessoas de idade. A canção de Jacques Brel chama-se Les vieux e a de Daniel Guichard, Mon vieux, apesar de todas as “personnes âgées” residentes na Bélgica e em França. E o romance O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway, nunca será O Idoso e o Mar. Idosos, seniores e pessoas de idade são enxertos linguísticos de burocratas e cientistas. Assim gira a nossa identidade: somos seniores nas universidades seniores, idosos nos centros de dia e pessoas de idade num outro sítio qualquer. O que me intriga é sermos velhos cada vez mais tarde e idosos cada vez mais cedo.

Seguem dois anúncios com velhos. Há mais de dez anos que colecciono anúncios publicitários. Acontece revisitar uma ou outra pasta. São anúncios antigos, porventura, seniores. A qualidade gráfica e a resolução da imagem acusam o tempo. Não deixam de ser bons anúncios.

Marca: Butterfinger. Título: Sharing. Agência: JWT Chicago. USA, 2002.

Marca: Fita Biscuits. Título: Fairy. Agência: Lowe, Makati City Phyllipines. Filipinas, 2003.