Arquivo | mobilidade RSS for this section

Isto não é acessibilidade

FGS

Não me tem sobrado tempo. O tempo nem se toma nem se empresta. Tenho sugerido que as grandes marcas se têm destacado ao nível dos anúncios de consciencialização.  Existem, não obstante, anúncios institucionais excelentes, como este Accessibility is Everything da FGS (Fondsgehandicaptensport): a prova de um nadador não está na piscina mas no percurso até ao balneário. Este anúncio de consciencialização é uma aula, melhor que muitas aulas.

Anunciante: FGS. Título : Acessibilidade. Produção : Bonkers Amsterdam. Direcção: Bram Schouw. Holanda, 2017.

Salvem um americano

 

speakwell

Save an American é um anúncio oportunista e desinibido. Uma dupla paródia: das reportagens e das campanhas de sensibilização. “Aprendam inglês para salvar um americano”! A Speakwell agradece.

Rir com os americanos, designadamente com a Trumplândia, é uma coisa, arriscar a face é outra. Nesta vertente, o trago pende para o amargo. E se, em vez dos americanos, fossem os refugiados do Médio Oriente ou do Norte de África? Instaura-se um certo desconforto. Tanto mais que o primeiro mote do anúncio é: “Gloryparis decidiu ajudar aqueles que precisam”. A caricatura da hospitalidade suscita reservas.

De qualquer modo, nem a escola Speakwell nem a agência Gloryparis são responsáveis pelos acontecimentos no Médio Oriente e no Norte de África. Tão pouco pelas políticas ocidentais, incluindo as europeias. Com ou sem peneira, importa não desviar o olhar do sol, por muito que magoe a vista. A criticar e criticar, o mais avisado é criticar os responsáveis. De ecos e ressonâncias de compressas mediáticas está o mundo cheio.

Diz-se que “o humor mata”; convém acrescentar que mata pouco; muito, muito, mas mesmo muito pouco. Se alguém tem pressa em arregimentar a criatividade, que deixe o humor para último lugar, porque quando o humor se calar, o homem já está mudo. Se o humor mata pouco, a “censura”, sensata ou não, intoxica muito.

Marca: Speakwell. Título: Save an American. Agência: Gloryparis. Direcção: Laurent Stinus. França, Janeiro 2017.

Sociologia sem palavras 14. O povo.

CARTAZ-DO-FILME-MARIA-PAPOILA (1)Da Beira Alta rumo a Lisboa, seguem no comboio Maria Papoila, de condição humilde, em 3ª classe, e o filho do médico da aldeia, em 1ª classe. Ela vai tentar a sua sorte, ele, prestar serviço militar. O povo enche, alegrete, a 3ª classe; ao filho do médico, solitário em 1ª classe, tudo o incomoda. O filme Maria Papoila, de Leitão de Barros, estreou em 1938, ano do concurso da aldeia mais portuguesa de Portugal. Este excerto mostra como, nos anos 1930, se representava, em Portugal, o povo, as desigualdades sociais, a migração para a capital e a actividade hoteleira em Lisboa.

Maria Papoila. Leitão de Barros. 1938. Excertos.