Erótica ecológica

Léo Ferré 2

Léo Ferré

No artigo “divergência”, escrevi: “quanto mais me retiro da sociedade menos lhe sinto a falta”. Não devia ter escrito tal coisa. É um convite ao alheamento, à melancolia e à misantropia, quando a nossa sociedade se afirma tão inclusiva, empreendedora e pró-activa. Cumpre-me rectificar: “quanto mais me retiro da sociedade menos lhe sinto o cheiro”. Ganha-se em fertilidade, declinação e conveniência. Resgato-me convocando a erótica, talvez a mais envolvente das artes humanas.

No presente artigo, inverto a rotineira ordenação dos géneros. Primeiro, a canção; depois, o anúncio. C’est extra (1969) é uma canção erótica de Léo Ferré. O erotismo estava no vento em França na viragem dos anos sessenta para os anos setenta. Recorde-se, por exemplo, a canção Je t’aime… moi non plus (1967-1969) de Serge Gainsbourg, bem como os filmes O Último Tango em Paris (1972), Emanuelle (1974), Histoire d’O (1975) ou Bilitis (1977).

Encontrar um vídeo erótico condizente com a canção de Léo Ferré é tão fácil que se torna difícil. O mais avisado é reduzir o universo. Bruno Aveillan é um expoente do erotismo na publicidade, cuja obra está quase toda publicada no Tendências do Imaginário. Improvável encontrar uma novidade. Mas os pecadores também têm epifanias: Bruno Aveillan assinou, há  cinco meses, o anúncio Feelings para a Peugeot, com máquinas desejadas, natureza, humanos e animais. Mais do que uma erótica humana ou do que uma erótica dos objectos, trata-se de uma erótica ecológica.

Escrevo junto ao mar. Lembro-me de um grupo de franceses que, há cerca de quarenta anos, cantavam, como desalmados, pelas ruas de Vila Praia de Âncora: “ça sent la mer d’ici”. Não confundir com “ça sent la merde ici”. Um coro monofónico mas polissémico.

Léo Ferré. C’est extra. 1969.

Marca: Peugeot 3008. Título: Feelings. Direcção: Bruno Aveillan. Novembro 2016.

Divergência

Vincent Van Gogh

Vincent Van Gogh

Quanto mais me retiro da sociedade menos lhe sinto a falta. Os eremitas refugiavam-se nos desertos e nas montanhas menos para se aproximar de Deus e mais para se afastar dos homens. Van Gogh continua a tocar-nos muito mais do que nós alguma vez lhe tocamos. Barcos sem velas.

Marca: Coronation Fund Managers. Título: Vincent. Agência: J Squared. Direcção: Keith Rose. África do Sul, 2007.

Afinidades geoeconómicas

Portugal, Espanha, Itália e Grécia

Não bebo vinho, nem vou às putas. Lamento! Mas gosto da Grécia, da Itália, da Espanha e de Portugal. Temos muitas afinidades e, agora, nomeada comum. Quanto aos demais países europeus, nenhuma fobia de estimação. Se estivesse em condições de criar uma banda, baptizava-a, abreviando, Pigs, por extenso, Pigs in Shit. Entretanto, gosto da música dos quatro países.

Adriano Correia de Oliveira. Lira. Cantigas Portuguesas. 1980.

Patxi Andión. Me está doliendo una pena. Palabra por Palabra. 1972.

Riccardo Cocciante. Bella senz’anima. Anima. 1974.

Eleni Karaindrou. Eternity Theme. Eternity and a day. 1999.

Voluntariado

state farm

No anúncio The Following, da State Farm, um homem é perseguido por uma multidão crescente de seres, humanos e animais, carenciados. A solução reside, pelos vistos, no voluntariado: “transformar a preocupação em actos” de combate ao desespero. Mas uma imaginação vadia estranha que os necessitados lembrem zombies: no ajuntamento, na postura, na mobilidade, no rosto, no olhar, na persistência… É certo que representam, no anúncio, figuras espectrais de desassossego e obsessão que não dão trégua à consciência atormentada com o sofrimento alheio. A realização do anúncio sabe, com certeza, o que faz. Eu é que devo estar a precisar de um “centrum”.

Marca: State Farm. Título: The Following. Agência: DDB Chicago. USA, Março 2017.

Inexoravelmente: a mulher e o desporto

Nescau Strong girls

De onde sopra o vento? As mensagens repetem-se e reverberam no pensamento. A publicidade insiste no valor ímpar do sexo feminino. O desporto também ajuda. Segundo a Nescau, produz mulheres “fortes e confiantes”:

“Campaign, created by Ogilvy Brazil, seeks to empower young women through sport. The idea came up after NESCAU® carried out a survey on girls’ attitude towards sports activities, stressing the importance of sports practice to boost confidence. The aim is to raise consumers’ awareness of the role of sport in young women’s development and ability to face the challenges of adult life. The main idea behind the movie is to show that, much in the same way sports turn boys into men, it can also turn girls into strong and confident women”.

Já tenho saudades das minhas lembranças. Acrescento uma raridade: Isabelle Mayereau, Inexorablement (Déconfiture, 1979).

Marca: Nescau. Título: Strong girls. Agência: Ogilvy & Matter Brasil, Rio do Janeiro. Direcção: Daniel Lombardi. Brasil, Março 2017.

Isabelle Mayereau. Inexorablement. Déconfiture. 1979.

Humor mórbido

O século XXI também ri da morte. Ri dos mortos e dos vivos; ri dos mortos vivos e dos vivos mortos. Um humor dispensado, por vezes, pelos cangalheiros de Estado. É assombrosa a quantidade de anúncios anti tabaco a gravitar na Internet, quase todos caveira, fumo e cinzas. A vanitas dos guardiões do templo. Com a caveira ora a rir, ora a penar.

Carregar nas imagens para aceder aos vídeos dos anúncios.

Antitabaco Snowboard

Anunciante: Anti Tabac. Título: Snowboard. Agência: FCB New York. USA, 2017.

Antitabaco Birthday

Anunciante: Anti Tabac. Título: Birthday. Agência: FCB New York. Direcção: Peter Sluzlka. USA, 2017.

Cinzas

Anunciante: Anti Tabac. Título: Pool. Agência: FCB New York. USA, 2017.

Riso arrepiado

Hornbach

Existem várias formas de riso: desbragado, disfarçado, cínico, sarcástico, amarelo… Rimos, por exemplo, às gargalhadas com acidentes inesperados e insensatos. Com os infortúnios do Charlot, do Pamplinas, do Bucha & Estica, dos Marx Brothers, do Monsieur Hulot, de Mr. Bean… Em contrapartida, os acidentes da Prevenção Rodoviária gelam o riso numa máscara de horror. Passamos do regozijo à aflição consoante as condições e as consequências.

A marca alemã Hornbach habituou-nos a um humor grotesco peculiar (ver o extenso mas fabuloso anúncio The Infinite House; https://tendimag.com/2012/03/15/casa-infinita/); ver também No one feels it like you: https://tendimag.com/2012/03/16/martelada/) e Crack: https://tendimag.com/2012/09/22/casa-dos-espiritos/). Os anúncios da Hornbach combinam estranhamento e familiaridade, quaresma e carnaval, delírio e razão, desalento e consolo.

No recente No Regret ocorre um acidente que não é burlesco. Suspende o nosso sentido de segurança. As expectativas normais resultam ameaçadas. Num cenário natural paradisíaco, a casa em construção desaba sobre o construtor. A aflição da criança testemunha a amplitude do desastre. Esta catástrofe não dá vontade de rir. A criança chora. O pai emerge dos escombros combalido mas a risonho. Agora, temos vontade de rir. Pai e filho riem de alívio, para restauro dos neurónios. Nós, também! “Sem remorsos”.

Em 2016, a Hornbach lança o anúncio You’re alive. Inicia com uma imagem intermitente de um homem, ora nu, ora vestido. O homem escorrega, nu, por uma encosta inóspita. Um prazer indescritível embalado num ritual sacrificial todo vertigem e dor, aventura no espírito, contusões no corpo e endorfinas no sangue. O diabo já registou este anúncio para introduzir uma nova tortura no inferno. A descida vertiginosa do herói é arrepiante. Mas eis-nos regressados ao homem vestido a cavar um enorme buraco no jardim. Pelos vistos, sonha enquanto trabalha! Realidade que nos faz rir e nos sossega. A terra continua a girar no sentido contrário aos ponteiros do relógio!

Marca: Hornbach. Título: No regrets. Agência: Heimat Czar. Direcção: Andreas Nilsson. Alemanha, Março 2017.

Marca: Hornbach. Título: You’re Alive. Do You Remenber? Agência: Heimat Partizan. Direcção: Tom Noakes. Alemanha, Março 2016.

 

O homem desfolhado

Fiat Love affair

Nos últimos tempos, a publicidade mostra-se ginecêntrica. Um efeito do Dia Internacional da Mulher?  Alguns anúncios são, no mínimo, ambíguos. Embora focados no gineceu, podem revelar-se androcentrados. Sabe-se que um anúncio de mulheres pode ser construído pelo e para o olhar dos homens (Goffman, Erving,  Gender Advertisements, 1976). Por seu turno, a promoção das mulheres pode subordinar-se a uma pauta de valores associados aos homens. O caminho para a vitória pode passar pela adopção dos modos e das metas típicos  do adversário. “Bater o outro no seu próprio terreno” (ver Goffman, Erving, Stigma, 1963).

O anúncio Love Affair, da Fiat, caracteriza-se por um humor complexo. Baralha as cartas das relações de género. Quem é predador? Ele, que se aproxima, ou ela, que controla? Quem é objecto? Ele que se despe ou ela que o incita a despir? O feitiço virou-se contra o feiticeiro, no caso dele ou no caso dela? Para “domesticar” o “macho”, a mulher precisou fazer-se homem? O anúncio não parece androcêntrico, e conservador? Predominam atitudes e valores patriarcais tais como o galanteio, o cavalheirismo, a protecção, a delicadeza, a elegância… Mas resultam caricaturados. Rimo-nos deles, e rindo, desarmámo-los.

Marca: Fiat. Título: Love Affair. Agência: Doner. USA, Março 2017.

Prazer tranquilo

pavlovsdog3

Hoje, dei aulas das 14 às 20 horas. Estou temporariamente alérgico à Sociologia. Nada como música suave. Daquelas que nos fazem sonhar dentro da memória. Há tempos coloquei um post com três videoclips dos Pavlov’Dog. Apagaram-lhes as velas! Nem se ouve, nem se vê. Retomo as canções, mas sem velas. Só uns palitos.

“Originários de St Louis (EUA), os Pavlov’s Dog publicam Pampered Menial, em 1974, e At The Sound Of The Bell, em 1975. O insucesso foi de tal ordem que a editora, a Columbia Records, recusa editar, em 1977, o terceiro disco (The Third). A banda original desfez-se. Há muitos casos como este de qualidade sem sucesso, menos, porém, do que os casos de sucesso sem qualidade”.

Pavlov’s Dog. Julia. Pampered Menial. 1974.

Pavlov’s Dog. Standing here with you. At The Sound Of The Bell. 1975.

Pavlov’s Dog. Only you. TheThird. 1977.

Contrição

skol Reposter

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
…………..
E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.

(Luís de Camões, Sonetos)

Há anúncios publicitários que parecem um acto de contrição. No Reposter da Skol, o máximo torna-se mínimo e o mínimo, máximo. Mudam as vontades, as imagens e as palavras, mas a gramática permanece, a gramática da alteridade estereotipada. De qualquer modo, os posters mudaram graças à arte e ao design exclusivamente femininos. Senhora do seu corpo e da sua vontade, a mulher não serve cerveja, “toma” cerveja.

Marca: Skol. Título: Reposter. Agência: F/Nazca Saatchi & Saatchi. Brasil, Março 2017.