Arquivo | Filme RSS for this section

Incompreendido

Incompreso, de Luigi Comencini. 1966.

A Itália é um santuário do cinema. Os anos cinquenta e sessenta foram gloriosos. Sobressaem o neorrealismo e a comédia. O filme Incompreso (Quando o amor é cruel, em Portugal), de Luici Comencini (1966), não é neorrealista nem cómico. Após a morte da mãe, o pai pede ao filho mais velho (Andrea) para manter segredo perante o irmão mais novo (Milo), bem como para o proteger. Acontece que, dos dois irmãos, o mais frágil é o mais velho. A situação agrava-se culminando na morte de Andrea. É um filme sobre o luto, a vulnerabilidade humana, a solidão e a incomunicação entre gerações (pai e filho). O filme é um melodrama denso e opressivo. Um misto de olhar psicológico e microssociológico. O Incompreendido é um filme marcante. Vi-o com o Marino Trancoso, um amigo jesuíta colombiano, que fez doutoramento com Claude Bremond. Faleceu há anos. Um dos principais anfiteatros de Bogotá tem o seu nome. Tanto olho para trás que fiquei com a cabeça torta e o pescoço dorido.

Consultei a Wikipedia a propósito do cinema italiano. Propõe uma lista com os trinta “principais directores”. Não contempla o Luigi Comencini. Tenho um gosto depravado; não acerto nos valores consagrados. Resolvi aceder à versão em inglês. Nos primeiros lugares, aparecem Federico Fellini, Michelangelo Antonioni, Roberto Rossellini, Vittorio De Sica, Luchino Visconti, Ettore Scola, Sergio Leone e, em oitava posição, Luigi Comencini. Na Wikipedia portuguesa ocorreu, algures, um lapso.

Segue o filme completo, original, com legendas em inglês.

Incompreso (Vita col figlio) – Misunderstood (1966). Realizador: Luigi Comencini. Legendas em inglês.

Menina estranha

Walt Disney em 1956.
Walt Disney. Alice no País das Maravilhas. 1951. Excerto. Dobrado em português.

Alice, desenhada por Walt Disney, parece sair do papel. Uma ilusão! No filme de animação, Alice está sempre em apuros. Uma fantasia! É uma menina estranha, “a strange little girl”. Uma história bizarra. Talvez seja o sol, “always the sun”. Fusíveis queimados. Aproveito para colocar duas músicas dos Stranglers.

The Stranglers. Strange little girl. La Folie. 1981
The Stranglers. Always de sun. Always the sun. 1990.

Made in Japan. Shigeru Umebayashi.

Gao Xingjian, Enchantment. 2011. Gao Xingjian foi prémio Nobel da Literatura em 2 000.

Tenho em casa um nipófilo, adora o Japão. Não sei se vai gostar da música do compositor japonês Shigeru Umebayashi. Temos gostos diferentes. Shigeru Umebayashi, nascido em 1951, iniciou a carreira musical numa banda rock, acabando por se converter à composição de músicas para filmes. Acima de 50 filmes. Selecciono quatro músicas. Todas curtas: no conjunto, duram apenas 9 minutos.

Shigeru Umebayashi. Yumeji’s Theme. Filme InThe Mood For Love (Amor à Flor da Pele), 2000.
Shigeru Umebayashi. Love Theme 1. The Grandmaster. (O Grande Mestre), 2013.
Shigeru Umebayashi . Lovers – Flower Garden · Lovers – Flower Garden. House of Flying Daggers (O Clã das Adagas Voadoras. 2004.
Shigeru Umebayashi . Main Theme I – Opening. The Grandmaster. (O Grande Mestre), 2013.

Picasso a pintar em directo

Na aula de Sociologia e Semiótica da Arte, dedicada ao processo de criação em arte, referi um filme que acompanha Picasso enquanto este desenha: Le Mystère de Picasso, realizado por Henri-Georges Clouzot, em 1955. Segue o filme.

Le Mystère de Picasso. Realização: Henri-Georges Clouzot. 1955.

Moinhos do coração

Michel Legrand

A canção The Windmills of Your Mind inspirou imensas interpretações. Por exemplo, Alison Moyet, Petula Clark e Sting. A origem é francesa. É da autoria de Michel Legrand, reputado compositor de músicas para filmes. The Windmills of your Mind pertence à banda sonora do filme The Thomas Crown Affair, de 1968. Michel Legrand ganhou um Óscar pela melhor canção original (The Windmills of your Mind). Recebeu mais dois Prémios da Academia pelas bandas sonoras de Summer of ’42 (1971) e Yentl (1983). Segue a versão interpretada por Abbey Lincoln, bem como a versão francesa, Les Moulins de Mon Coeur, interpretada pelo próprio Michel Legrand.

Abbey Lincoln. The Windmills of Your Mind (de Michel Legrand). Over the years. 2000.
Michel Legrand plays and sings Les Moulins de Mon Coeur. 1969

Depois do fim

Legends of the Fall

Pensei colocar uma música do Rachmaninov. Passei algum tempo a decidir a obra: concerto No.2 in C minor, op.18 [Adagio sostenuto]. Passei ainda mais tempo a escolher a interpretação: Hélène Grimaud (piano), Claudio Abbado (direcção). Tive um pressentimento: já coloquei Rachmaninov no Tendências do Imaginário? Em 31 de Agosto de 2019: a mesma música e a mesma interpretação. Uma perda de tempo? Não, aprendi que sou previsível.

Hoje, tomei banho em mel. Só histórias de amor! Daquelas que terminam mas continuam. Por exemplo, o filme Love Story (Oscar em 1970). Cinquenta anos depois, ainda me comove. Segue o trailer do filme. Francis Lai, o autor, compôs cerca de sessenta músicas de filmes, tais como Un Homme et Une Femme (1966), Emmanuelle (1975) e Bilitis (1977).

Francis Lai lembra-me James Hormer, compositor de uma centena de músicas de filmes, tais como  An American Tail (1986), Field of Dreams (1989), Glory (1989), Braveheart (1995) e Titanic (1997). Acrescento a música do filme Legends of the Fall (1995).

Francis Lai. Love Story. 1970.
James Horner. Legends of the Fall – The Ludlows. 1995.

Billie Eilish

Billie Heilish.

Adolescente, no topo de vendas, a chorar lágrimas pretas, foi o suficiente para uma birra preconceituosa com Billie Eilish. Beber lágrimas pretas era demasiado para a minha cabeça redonda. É certo que conheço apenas o videoclip When the party’s over (2018): um concentrado de alta qualidade. Sou teimoso, mas sei dar o braço a torcer. Billie Eilish lançou ontem, 13 de Fevereiro, uma nova canção, No time to die, para o próximo filme da saga 007. Uma maravilha! O preconceito cega. Voltei a ouvir When the party’s over, e gostei.

Albertino e Fernando

Billie Eilish. “No Time To Die”, the theme song for the 25th James Bond film. Lançado a 13 de Fevereiro de 2020.
Billie Eilish. When the party’s over. When we all fall asleep, where do we go? 2018.

Música da desgraça desumana

Olivier Messiaen. Quatuor de la fin des temps. Campo Stalag VIII-A – Görlitz. 1941.

Há músicas de desgraças desumanas. Muitas pautas de música compostas pelos presioneiros sobreviveram ao holocausto. No caso do compositor Olivier Messiaen, ele próprio sobreviveu. Compôs e estreou o Quatuor pour la fin des temps, no campo de concentração Stalag VIII-A, em Görlitz, na Alemanha. Segue o movimento III: Abisme des Oiseaux. Repare-se que a pauta é iniciada com o seguinte apontamento: “Lent, expressif et triste”. Esta música é precedida pela música do filme Schindler List, composta por John Williams.

John Williams. Schindler List. NL Orchestra. RTL Netherlands show. 2017.
Olivier Messiaen. Quatuor por la fin des temps. Mov. III : Abisme des Oiseaux. Composto em 1941.

Em jeito de conclusão, retomo duas canções de 1969: a Menina dos olhos tristes, de José Afonso, e Te recuerdo Amanda, de Victor Jara.

José Afonso. Menina dos olhos tristes. 1969.
Victor Jara. Te recuerdo Amanda. 1969.

Lamentação. Críticas do Grilo Falante.

Existem muitas músicas da desgraça e da lamentação. Também existem muitas desgraças. No ciclo de músicas da desgraça, gostava de contemplar Vangelis, a meu ver, um mestre em músicas de lamentação. Retive três obras para acertar em duas.

O meu grilo falante quer dizer-me alguma coisa:
Grilo Falante: Não estás a colocar demasiada música? Ademais, triste. Duvido que seja da música que as pessoas gostam mais no teu blogue.
Ego: Que me recomendas fazer?
Grilo Falante: Coloca anúncios que emocionem, anúncios bem dispostos. São mais fáceis de encontrar do que essas pieguices enterradas na história.
Ego: Eu não decido em função do que as pessoas gostam, mas daquilo que eu gosto
Grilo Falante: Isso é o que acreditas e, imprudentemente, confessas aos outros.
Ego: Dou aos outros o que gosto, não aquilo de que gostam. Quando dou, dou uma parte de mim, não uma parte do outro. Por exemplo, a música 12 O’Clock, não sendo minha, é uma parte de mim. É uma dádiva, não é tiro ao alvo.
Grilo Falante: Parole, parole, parole, parole parole soltanto parole. Pelas músicas que escolhes, não danças há muito tempo.

Vangelis. Chant (Alternate). Alexander. 2004.
Vangelis. Rachel’s Song. Blade Runner. 1983.
Vangelis. Heaven and Hell Part II (12 O’ Clock). Heaven and Hell. 1975.

A desgraça humana

O tempo anda arredio. Foge! Há músicas que convocam a desgraça humana. Por exemplo, The Cold Song (1691), de Henry Purcell (ver interpretação de Klaus Nomi: https://tendimag.com/2019/02/20/apologia/), Na Gruta do Rei da Montanha (1876), de Edvard Grieg (ver https://tendimag.com/2020/02/05/na-gruta-do-rei-da-montanha/) e Danse Macabre (1874), de Camille Saint-Saens (ver https://tendimag.com/2019/11/01/feliz-dia-dos-mortos/). Um bom exemplo de música da desgraça humana é a Psycho Suite, de Bernard Herrmann (1960). Se o tempo for seu amigo, oiça até ao fim. Oito minutos bem compensados. Como pode ser bela a música da desgraça!

Bernard Herrmann. Psycho Suite (filme Psycho, de Alfred Hitchcock, 1960). BBC Concert Orchestra. Royal Albert Hall. 2011.