Arquivo | Vídeo musical RSS for this section

Viver para a vida. Ennio Morricone

Ennio Morricone

Faleceu Ennio Morricone. Obrigado pelo prazer! “Como devem estar felizes os anjos”.

Ennio Morricone. Gabriel’Oboe. A Missão. 1986. Interpretação de Henrik Chaim Goldschmidt,
The Faroe Islands Philharmonic Orchestra, 10.01.2009,

Rachael Yamagata

 A sombra derrete ao sol. Uma música mexida transpira. Uma música calma entorpece. E a Rachael Yamagata?

Rachael Yamagata. Be Be Your Love. Happenstance. 2004.
Rachael Yamagata. I Wish You Love. Prime. 2005.

O outro lado

Vazio de pensamento. Caiu herbicida nos neurónios. Preciso de uma inspiração que me despasme. Que me vire do avesso.

The Doors. Break On Through (To The Other Side). The Doors. 1967. Live At The Isle Of Wight Festival 1970.

A estranheza da vida

Acabei um artigo, faltam quatro. Uma fordização. Não me queixo. Alguns foram pedidos no ano passado. Sou um compressor compulsivo. Tudo para depois do prazo. Caía bem uma música que erga a vontade mais alto do que uma bandeira. Preciso de um hino. Rock progressivo envelhecido. Pode ser Isn’t Life Strange, dos The Moody Blues? Nada como experimentar.

The Moody Blues. Isn’t Life Strange. Seventh Sojourn. 1972. Live in Royal Albert Hall, 2000.

O anzol

Acabei de escrever um artigo. Não me agrada. Demasiada informação e poucas ideias. É um risco que se corre quando se conhece relativamente bem a realidade abordada. Derretemo-nos em detalhes. Mordemos o anzol.

Radio Macau. O Anzol. O Elevador da Glória. 1987.

Memória reincidente

Jean-Michel Folon. Lily aime moi. 1975.

Há longos anos que o genérico de fecho de emissão da Antenne 2 me enternece. Com desenhos de Jean-Michel Folon (1934-2005) e música de Michel Colombier (1939-2004). Memória reincidente. Folhas soltas. Salpicos numa liquidez pasmada. Uma leveza de espírito que enfia a cabeça nas nuvens.

Uma obra-prima nunca está acabada. Inspira e inspira. Sucede com a música Emmanuel, de Michel Colombier. Gosto da versão de Toots Thielemans (1922-2016), um dos melhores tocadores de harmónica de boca do século XX.

Sessenta e um anos deste mundo. O triplo da idade em que me encantei com o genérico da Antenne 2. Agradeço a amizade. Um dia havemos de voar juntos como os homenzinhos de Folon.

Genérico da Antenne 2. Desenhos de Jean-Michel Folon e Música (Emmanuel) de Michel Colombier. França, anos setenta.
Emmanuel. Música de Michel Colombier (Wings, 1971). Versão de Toots Thielemans. Colombier Dreams, 2002.

Agasalho

James Taylor e Yo-Yo-Ma

Andamos a agasalhar demasiado as pessoas. Com regras, normas, regimentos, procedimentos, guias, planificações… Agasalhar demasiado não faz bem à saúde. Pode provocar febre, moleza, sufoco, obstrução mental e quebra de apetite.

Gosto de encontros improváveis. Por exemplo, James Taylor e Yo-Yo-Ma. Também gosto de interpretações originais de composições clássicas repisadas.

Yo-Yo-Ma e James Taylos. Sweet Baby James (1970). Tanglewood Music Festival (11.08-2019).
Jules Massenet. Meditation from the opera Thais. Violoncelo: Yo-Yo-Ma.

Quotas

Juizo Final. Ucrânia. No Juizo Final também se fazia a separação das almas.

Tomei consciência da importância das quotas aquando da polémica das “quotas leiteiras” na Comunidade Económica Europeia. Quanto leite podia produzir a França? E a Alemanha? Arrumar o mundo por quotas é uma tentação burocrática.
Estão a aplicar-se quotas nos concursos aos cursos de mestrado. Por exemplo, 40% de nacionais e 60% de estrangeiros. Parece inócuo, mas existe uma possibilidade muito possível e algo incómoda. E se dois, três, quatro ou n portugueses forem eliminados com pontuações superiores às dos candidatos estrangeiros? Importa pensar antes de inventar. Estranha interpretação do princípio constitucional da igualdade de oportunidades (“Todos têm direito ao ensino com garantia do direito à igualdade de oportunidades de acesso e êxito escolar”). Para entorses, já basta assim. Apetece ouvir música condizente com o humor virado do avesso. Por exemplo, a banda italiana Rhapsody of Fire, power metal sinfónico, com um dedo de fantasia.
Fernando e Albertino.

Rhapsody of Fire. Emerald Sword. Symphony of Enchanted Lands. 1998. Live – From Chaos to Eternity. Canada.

De boca fechada

Orquestra e Coro dos Alunos da Universidade do Minho

“O velho mundo agoniza, o novo mundo tarda a nascer. E, nesse claro-obscuro, irrompem os monstros” (Antonio Gramsci, Cadernos do Cárcere).

“O rabo é o pior de esfolar”. Tenho três capítulos de livros e dois artigos para escrever nas próximas semanas. Estou condenado à brevidade e à omissão.

O italiano Giacomo Puccini (1858 – 1924) é um dos mais famosos compositores de ópera. Segue o Coro a bocca chiusa, da ópera Madama Butterflly. Optei pela interpretação da Orquestra da Universidade do Minho e do Coro de Alunos da Licenciatura em Música da Universidade do Minho, com direcção de José Maria Moreno. É um prazer rever antigos alunos.

Orquestra da Universidade do Minho; Coro de Alunos da Licenciatura em Música da Universidade do Minho; direcção de José Maria Moreno. Salão Medieval, 15 de Fevereiro de 2019.

O mundo na mão (extended version)

Folk Meeting : Odetta, Joan Baez, Maria Carta, Amália Rodrigues (Musica sì e I lunedì del Sistina). Concerto de inícios dos anos setenta editado em 2013.

“Sopra, sopra, vento hibernal, não és tão desapiedado quanto a humana ingratidão” (William Shakespeare. Como vos agradar. 1623).
“ Bendita a hora que o esqueci por ser ingrato / E deitei fora as cinzas do seu retrato” (Amália Rodrigues: Só à noitinha).

Discriminação, exclusão, dominação, exploração são flagelos da humanidade. Preocupo-me, sobretudo, com a injustiça. Não poupa vivos nem mortos. “Personally, I can’t believe she’s not more well-known than she is” (https://www.youtube.com/watch?v=GOk2M6C9dck).

Estamos a falar de Odetta (1930-2008), compositora, cantora e activista social norte-americana. Talentosa, original e influente. No início dos anos setenta, cantou com Amália Rodrigues, Joan Baez e Maria Carta no Teatro Sistina, em Roma. He´s got the whole world in his hand (1957) foi uma das canções interpretadas. Acrescento duas: Hit or Miss (1970) e Another Man Done Gone (1956).

Ao original, o público preferiu o cover. Acontece! O Tendências do Imaginário sonha despertar a memória adormecida. Por um mundo maior.

Não resisto a recolocar dois anúncios com músicas de Odetta.

Odetta. He’s got the whole world in his hand. At the Gate of Horn. 1957. Ao vivo em 1993.
Odetta. Hit or Miss. Odetta Sings, 1970.
Odetta. Another Man gone Done. Odetta Sings Ballads and Blues. 1956.
Marca: Adidas. Título: Carry. Agência: TBWA\CHIAT\DAY, USA, San Francisco, Direção: Chuck McBride. EUA, 2004.
Marca: Southern Comfort. Título: Beach. Whatever’s Comfortable. Agência: Wieden + Kennedy, New York. Direção: Tim Godsall. EUA, Julho 2012.