Tag Archive | música

O avião de Carlos Paredes

Airbus da TAP Air Portugal com o nome de Carlos Paredes,

Há notícias felizes: a TAP batizou, em 2019, um avião, um Airbus novo, com o nome de Carlos Paredes. Anos antes, Carlos Paredes tinha gravado um álbum em homenagem à TAP: Asas Sobre o Mundo (1989). Seguem o vídeo de homenagem da TAP e duas músicas de Carlos Paredes: Verdes Anos e Medley: Coimbra e o Mondego.

TAP homenageia o mestre da guitarra portuguesa, Carlos Paredes. 2019.
Carlos Paredes. Canção Verdes Anos. Guitarra Portuguesa. 1967.
Carlos Paredes. Medley: Coimbra e o Mondego. Espelho de Sons. 1987.

Entre duas águas

Paco de Lucia.

A cabeça na almofada e o corpo na jangada. A cama é um rio. Água, duas águas, águas turvas, águas mil. O mesmo, o outro, os outros a nadar no mesmo. Metecos ( méta significa, em grego, “no meio de, entre, com”). Todos somos metecos. Vogamos, dentro e fora, em águas incertas.

Luzia é uma música, um monumento musical, que Paco de Lucia dedica à mãe, Luzia Gomes, portuguesa de Castro Marim. Entre dos aguas é o título de um dos grandes e mais antigos sucessos de Paco de Lucia. Estava a faltar música flamenga no Tendências do Imaginário.

Paco de Lucia (e Banda). Luzia. Luzia. 1998. Ao vivo no Festival Leverkusener Jazztage, em Leverkusen, Novembro 2013.
Paco de Lucia. Entre dos aguas. Fuente Y Caudal. 1973. Extraído do documentário La Búsqueda (2014).

No teu olhar se perde o meu

Rodrigo Leão.

Separar-se sem partir; partir sem se separar. Há fados assim (AG).

Gosto do Rodrigo Leão e da Ana Vieira. Mas hesito. Em Portugal, quem não os conhece? Reconsidero. Em termos de receção, este blogue não é lusitano. Oito em cada dez visitas provêm do estrangeiro. Dedico-lhes música, voz e poesia. Dedico-lhes um País.

Rodrigo Leão. Voltar. O Mundo [1993-2006]. 2006. Ao vivo.
Rodrigo Leão. Vida Tão Estranha. A Mãe. 2009.

Como um bom cão

Paula Rego. The Good Dog, Anos noventa.

Quando gosto de uma pessoa, espero por ela. Pode vir, pode não vir, pode não vir nunca. Mas eu espero por ela. Like a good dog (AG).

Quando escrevo gosto de ouvir a música das letras. Agora estão a tocar uma folia. Estou a escrever um texto que me traz afastado do Tendências do Imaginário. Muito trabalhoso e pouco original. Não respira, engasga-se. Não vou conseguir vendê-lo nem pela metade o preço. Tem uma coisa boa: as letras tocam a música The Robots, dos kraftwerk (1978) interpretada pelos Balanescu Quartet (Possessed 1992).

Balanescu Quartet. The Robots. Possessed, 1992. Cover de Kraftwerk, The Robots, 1978.

Desejo

Giorgio Armani.

Desejo e leveza. Cor e movimento. A atriz Cate Blanchett, vencedora de um óscar. Um cover de klaus Nomi. Um anúncio que é um regalo.

Marca: Giorgio Armani. Título: Sì. Direcção: Fleur Fortuné. Janeiro 2019.
Klaus Nomi. You don´t own me. Klaus Nomi. 1981.

Babe e Camille Saint-Saens

Babe.

O cinema anda de braço dado com a música. Tommy, Laranja Mecânica, Blade Runner, Titanic… No filme Babe (1995), a música, adaptada, é de Camille Saint-Saens. Segue a música do filme (If I Had Words) e o original de Saint-Saens, dirigido por Myung-Whun Chung. Não admira que tenha fascinado Stanley Kubrick.

If I Had Words (Saint-Saëns Symphony No.3) – Babe – Piano
Saint-Saens – Symphonie n°3 avec orgue – dir: Myung-Whun Chung.

Serge Lama. A quem não ama o suficiente

Le Petit Prince

A França é o meu segundo País. Proporcionou-se assim. Aprendi a gostar da “chanson française”: La vie en rose, Les feuilles mortes, Ne me quitte pas… A “canção francesa” distingue-se pela melodia e, sobretudo, pela qualidade poética. Quando as letras não são de Verlaine, Aragon ou Prévert, são os próprios cantores poetas (Léo Ferré, Georges Brassens, Serge Gainsbourg). Serge Lama pertence a esta tradição. Escolhi três canções: Je voudrais tant que tu sois là (1977); Les ballons rouges (1967); e Je suis malade (1973). A primeira é interpretada pelo próprio Serge Lama. Nas seguintes optei pelas versões de Daniel Guichard e Lara Fabian. Sem desprimor para Serge Lama, Daniel Guichard e Lara Fabian emprestam-lhes mais raiva e dor.

Serge Lama. Je voudrais tant que tu sois là. 1977. Ao vivo. Acompanhado pela Orchestre Symphonique de Québec. 1997.
Daniel Guichard. Les ballons rouges (original de Serge Lama, 1967). Ao vivo. Théâtre Sébastopol (Lille). 2015.
Lara Fabian. Je suis malade (original de Serge Lama, 1973). Ao vivo em 1999.

Frágil

Jorge Palma.

Põe-me o braço no ombro / Eu preciso de alguém / Dou-me com toda a gente / Não me dou a ninguém / Frágil / Sinto-me frágil (Jorge Palma, Frágil, Bairro do Amor, 1989).

A vida é como um cigarro, apaga-se devagar. Revejo-me em Jorge Palma. “Vemos sempre a preto e branco o programa / Que afinal é a cores” (Jorge Palma, À espera do fim, Só, 1991). Seguem três canções do Jorge Palma, todas do álbum Só (1991).

Jorge Palma. Só. Só. 1991. Ao vivo no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém a 29 de Novembro de 2016.
Jorge Palma. O meu amor existe. Só. 1991. Ao vivo. Coliseu de Lisboa. Outubro 2017.
Jorge Palma. A gente vai continuar. Só. 1991. Ao vivo: Quinta de Valbom, Évora, EA LIVE Évora, 25 de Agosto 2018.

Celebração

Tik Tok. Celebrating you.

Euforia, disforia; disforia, euforia. A sociedade parece bipolar (temerosa, temerária; temerária, temerosa). Mas bipolares são as pessoas.

O anúncio Celebrating You é sentimental: amai-vos uns aos outros, e às novas tecnologias! O anúncio é “um hino à marca”, um hino “politicamente correto”. Convoca as vedetas do aplicativo TiK Tok, mais as figuras do friso ideológico hegemónico atual (em termos de etnia, género, geração, religião, cultura). Tudo muito conciso. Uma espécie de compressão do amor. “Congratulations and jubilations / I want the world to know I’m happy as can be” (Cliff Richards, Congratulations, 1968).

Marca: Tik Tok. Título: Celebrating You. Agência: Known. Estados-Unidos, Agosto 2020.
Cliff Richards, Congratulations (Eurovision Song Contest 1968).

O futuro do futuro. Billie Eilish e a geração Z.

Deutsche Telekom. Billie Eilish.

Publicado no Dia Internacional da Juventude, 12 de Agosto, o anúncio What We do Next, de Deutsche Telekom, é um caso especial. A chamada geração Z nasceu no futuro, ligada à Internet e com as novas tecnologias na mão. Não é quadrada nem é redonda, é uma promessa, sem fios. A geração mais “empoderada” da história da humanidade. É uma enorme responsabilidade. Billie Eilish é um bom exemplo e uma boa inspiração. Em suma, uma geração que. apesar de tudo, tem dois pés, duas mãos e uma cabeça. Assinale-se que o anúncio What We Do Next foi filmado antes do início da pandemia do novo coronavírus (https://www.thedrum.com/creative-works/project/saatchi-saatchi-deutsche-telekom-what-we-do-next).

Some people say that our generation has its head in the clouds, that we don’t live in the real world. But we always think about ‘What We Do Next.’ Because the future matters. And we’re fighting to make this world a better place. That’s why we stay connected. That’s why we live online. Together with Billie Eilish, let’s show them how technology has empowered us to make a difference! (Agency: Saatchi & Saatchi UK).

Marca: Deutsch Telekom. Título: What We do Next. Agência: Saatchi & Saatchi London. Direcção: Vincent Haycock. Agosto 2020.
Billie Eilish. My Future. Live. 2020.