Archive | Publicidade RSS for this section

Desgosto

Cascão

Cascão.

O anúncio alemão Popel, da Sixt, é profético. Pleonasmo à parte, é prenúncio de um advento, de um futuro presente. Apresenta-se vulgar, molesto e desconfortável? A vulgaridade, a moléstia e o desconforto são sensações que nos (co)movem. A escolha de uma menina tão cândida como protagonista manifesta-se inconveniente? Na melhor nódoa cai o pano. Entretanto, o efeito aumenta. A eventual proibição, por mau gosto, do anúncio proporciona-lhe mais aura e impacto. Na Internet, o que é proibido é procurado. O anúncio provoca o público como se a provocação fosse um valor. O mau gosto é uma bandeira? Que me perdoem Max Weber e Pierre Bourdieu, mas a estilização e a estetização da vida ainda se confinam muito à casca e ao verniz, à ponta do iceberg. Tudo se passa como se o processo civilizacional, estudado por Norbert Elias, esboçasse uma inversão de marcha. A bestialidade acotovela a domesticidade do homem. Temos muito em que nos rever, mas também temos muito em que nos estranhar. A publicidade dispõe de uma galáxia para explorar.

Marca: Sixt. Título: Popel. Agência: Jung Von Matt. Alemanha, Maio 2017.

Imagens da música

Pandora. Sounds like you. 2017.Com uma dúzia de capas de discos faz-se um anúncio e escolhe-se música: The Rolling Stones, The Doors, The Cure, Nirvana… O anúncio Sounds like you foi dirigido por Michel Gondry para a Pandora. Acrescento o vídeo The Man Who Sold The World, na versão dos Nirvana. Quantas capas ficaram de fora neste anúncio? Por exemplo, a capa de The Man Who Sold The World (1970) de David Bowie.

Marca: Pandora. Título: Sounds like you. Direcção: Michel Gondry. USA, Maio 2017.

Nirvana. The Man Who Sold The World. MTV Unplugged. 1994.

Nós somos imagens que passam

Cartaz do Cinematógrafo Lumières. Na Exposição de Estocolmo. Suécia. Por Carl August Olausson. 1897.

Cartaz do Cinematógrafo Lumière. Na Exposição de Estocolmo. Suécia. Por Carl August Olausson. 1897.

No anúncio Hunt, da Telefónica, meio mundo anda a ecranizar a outra metade. Na verdade, andamos a ecranizar-nos uns aos outros. Nada escapa: nem a sapatilha aerodinâmica, nem o cabelo inteligente. Ecranizamo-nos pela frente, ecranizamo-nos por trás. É uma partilha compulsiva de imagens de si e do outro, numa ecranização global. Somos, em termos de imagens, uns arroseurs arrosés. A geração do pós-anonimato ou, se se preferir, da pós-intimidade. Nous sommes les enfants des Lumière(s). “Nós somos imagens que passam, num mundo transformado em ecrã”. O que me irrita, solenemente!

Anunciante: Telefonica Movistar & Motorola.Título: Hunt. Agência: McCann Erickson Madrid. Espanha, Fev. 2010.

Les frères Lumière. L’Arroseur arrosé. 1895.

Absurdo ternurento

Kia

Os heróis ecologistas não têm a vida fácil, arriscam acidentes insólitos. Mas Melissa viaja segura num Kia. Os acidentes do anúncio Hero’s Journey são catástrofes absurdas, tão absurdas que se tornam risíveis. O anúncio do Kia Niro lembra os cartoons. Por exemplo, o Bip Bip (The road runner), de Chuck Jones ou A corrida mais louca do mundo (Wacky races) e Tom e Jerry, ambos criados por William Hanna e Joseph Barbera. Opto pelo absurdo ternurento de Tex Avery: Drag-a-long Droopy (1954).

Marca: Kia. Título: Hero’s Journey. Agência: David&Goliath. Direcção: Matthijs Van Heijningen. USA, Fevereiro 2017.

Tex Avery. Drag-a-long Droopy. 1954.

Originalidade aplicada

NosferatuO Brasil é uma potência do audiovisual. A originalidade desfruta de boas condições. Encontrei em iniciativas brasileiras uma qualidade relativamente rara que denomino originalidade aplicada. Quando uma inspiração não se reduz a um fogo-de-artifício, mas se traduz por uma pragmática consequente, estamos próximos da originalidade aplicada.

Há meio século, coloriam-se os filmes a preto e branco. Lembro-me do Jour de fête, de Jacques Tati (1949). A Getty Images Brasil propôs-se não colorir mas sonorizar o filme mudo Nosferatu (1922). Um projecto e uma obra únicos! O resultado compensa. Segue o trailer (pode aceder ao filme Nosferatu sonoro completo no endereço: http://www.nonsilentfilm.com/en/).

Anunciante: Getty Images Brasil. Título: The Non Silent Film. Agência: Almap BBDO Brasil. Brasil, Abril 2017.

Cordão umbilical

Skittles-Umbilical-Cord-Mother_s-DayO anúncio Umbelical Cord, da Skittles, é candidato ao cúmulo do grotesco. Desde os primeiros segundos, pressente-se o ridículo. O riso vem, engasga e congela.

Trata-se de uma nova espécie de absurdo: o estranhamento confortável. Após o choque do cordão umbilical, o riso descongela, alambica-se, confiante de que, afinal, de sério nada aconteceu.

Do que se foram lembrar para o Dia da Mãe! Do cordão umbilical!

PS: Soube que este anúncio também está a ser retirado de circulação. O que vale é que isso não significa, provavelmente, nada. Caso contrário, estaria a crescer, nas barbas da Pós-modernidade, uma nova “polícia dos costumes” (police des moeurs).

Marca: Skittles. Título: Umbelical Cord. Agência: DDB Chicago. Direcção: Rodrigo Garcia Saiz. USA, Maio 2017.

Dentes caninos

 

GreeniesApetece-me desconversar. Os anúncios requerem atenção. Entrevi, distraído, o British Teeth, da Greenies, e retive o seguinte: Se não quer ter british teeth, como os seis exemplares exibidos, se aspira a uma dentadura completa, brilhante e alinhada por dentro e por fora, por cima e por baixo, converta-se à comida para cão. Faz bem aos animais, incluindo o burro, cujos dentes mordem como uma faca quente em manteiga fria. Revi o anúncio e fiquei com outra impressão: se deseja diferenciar-se do seu cão, dê-lhe Greenies. Advirá um contraste dental. Se não quiser parecer-se com o seu cão, coma e ria como ele. Em suma, um excelente anúncio, desenvolto e criativo.

Marca: Greenies. Título: British Teeth. Agência Adam & Eve DDB (London).  Direcção: Sam Hibbard. USA, Janeiro 2017.

Vem a despropósito A Salty Dog (um lobo do mar) dos Procol Harum. Tocaram em Cascais em 1973. Em maré de albergue espanhol, acrescente-se A Whiter Shade of Pale, o maior sucesso da banda. Na discoteca ou no baile, quando tocava A Whiter Shade of Pale, todos, raparigas e rapazes, ficávamos mais atraentes.

Procol Harum. A Salty Dog. Live German TV. 1971.

Procol Harum. A Whiter Shade of Pale. 1967. Filme de promoção.

Por quem tocam os sinos?

Umberto Boccioni. Pianist and Listener, 1908.

Umberto Boccioni. Pianist and Listener, 1908.

A McDonald’s publicou um anúncio ousado, demasiado ousado. Estou admirado! Uma criança caminha com a mãe e procura encontrar pontes de identificação com o pai, falecido. Só o consegue no McDonald’s. A indignação das associações não se fez esperar. Estou admiradíssimo! As associações? As novas guardiãs da opinião? Algumas de tão puritanas lembram-me confrarias. A McDonald’s devia ter juízo! A morte é um assunto tabu. A morte? Duvido. Ando com os bolsos carregados de cemitérios em jeito de publicidade anti-tabaco. Mas o luto, é outra coisa. O luto, naturalmente. Já não há respeito! “Tristeza! Passamos metade da vida à espera daqueles que amaremos e a outra metade a deixar os que amamos” (Victor Hugo, Tas de pierres, 1901). Insistimos em exorcizar os mesmos demónios. Já aborrece! Alguém ouviu falar do luto da inteligência? Pelo sim, pelo não, com a preventiva água benta, segue o anúncio Dead Dad, da McDonald’s. Para memória futura. A McDonald’s já pediu desculpa e palpita-me que o anúncio vai ser retirado de circulação. Indignação, auto da fé e cinzas.

Marca: McDonald’s. Título: Dead Dad. Agência: Leo Burnett (London). Reino Unido, Maio 2017.

Umberto Boccioni. Luto. 1910.

Umberto Boccioni. Luto. 1910.

Língua fresca

yin yang - Great ultimate chinese medicine painting

Este anúncio tailandês é um pequeno concentrado de manga, anime, samurais e outros prodígios orientais. Nem sequer falta a levitação circular a lembrar o Yin e o Yang.

Marca: Yen Yen. Título: ลิ้นโลกันตร์. Produção: Phenomena Company Limited. Direcção: Ketchai Praponsilp. Tailândia, Janeiro 2017.

Querer com as velas levar o vento

Pablo Picasso. Seated Harlequin. 1901.

P. Picasso. Seated Harlequin. 1901.

Longe no tempo, o ancião, longe no espaço, o eremita, ambos vêem de longe o que já viram de perto. “Cansada já a velhice” (Luís de Camões, Os Lusíadas, canto IV, oitava 90), sabem que é insensato “querer com as velas levar o vento” (Luís de Camões, Os Lusíadas, canto IV, oitava 91), bem como é imprudente querer com a técnica levar o mundo. Aos olhos sentados, a técnica corre sempre adiantada em relação a nós, sempre atrasada, em relação a ela própria. O controlo remoto, como no anúncio GPS, recalculando, da BC, é a sua metonímia.

Marca: BC. Título: GPS recalculando. Agência: Delcampo Nazca Saatchi & Saatchi. Argentina, 2010.