Archive | Publicidade RSS for this section

Futurismo: tecnologia e ambiente

BMW. Forwardism. Fotografia: Nick Knight. 2023

De vez em quando, A BMW contempla-nos com anúncios de belo efeito estético. Este Forwardism Comes Home não desmerece. Não é fácil demonstrar que um automóvel é amigo do ambiente. Já é menos difícil no que respeita às novas tecnologias. Em termos de consumo, os carros elétricos têm vantagem em relação aos que recorrem a combustível de origem fóssil. Mas, em contrapartida, a fabricação das baterias concorre em sentido inverso. A BMW propõe-se contornar o problema recorrendo à energia solar.

“In 2022, automotive giant BMW Group has forged a global partnership with Emirates Global Aluminium, the UAE’s largest industrial company outside the oil and gas sector, to be the first customer for its new CelestiAL aluminum. The first of its kind, this aluminum is locally produced using solar power generated at the Mohammed Bin Rashid Al Maktoum Solar Park (…) In an electrified vehicle, CO2 emissions from the use phase are much lower, but producing battery cells or aluminium is extremely energy-intensive. The BMW Group not only wants to stop this trend, but also reverse it – and even lower CO2 emissions per vehicle by 20% from 2019 levels” (https://www.adsoftheworld.com/campaigns/forwardism-comes-home).

Marca: BMW. Título: Forwardism Comes Home. Agência: Serviceplan Middle East. Direção: William Armstrong. Emiratos Árabes Unidos, janeiro 2023

Tenros e ternos

Tenros e ternos, eis um anagrama adequado a estes dois anúncios franceses da McDonald’s, o venerável Le Vélo e o recente Les Amis. Uma ternura comercial, sobre rodas e em conserva.

Marca: McDonald’s. Título: Le vélo. Agência: BDDP. França, 1993
Marca: McDonald’s. Título: Les amis. Agência: TBWA Paris. Direção: Martin Werner. França, junho 2017.

A Origem de Tudo

Show Rural Coopavel. A Origem de Tudo. Brasil, 2023

O anúncio brasileiro A Origem de Tudo, para a exposição Show Rural Coopavel, ilustra à saciedade um provérbio elementar: “Tudo vem da terra e a ela retorna” [eventualmente, intragável].

Aconselho o artigo Atribulações das Almas: https://margens.blog/2023/01/15/atribulacoes-das-almas-em-transito/

Anunciante: Show Rural Coopavel. Título: A Origem de Tudo. Agência: Fosbury. Brasil, janeiro 2023

Identidade, alteridade e virtualidade

René Magritte, Decalcomania, 1966,

A publicidade pode ser instrutiva. Acontece com os anúncios “New Dawn”, da Hyundai, e “Un-Australia”, da Meat & Livestock Australia, que ilustram duas noções elementares das ciências sociais, que passo a resumir.

O valor de uma palavra provém do carácter distintivo dos seus usos virtuais. Simplificando, uma palavra vale quando permite dizer algo que as outras palavras não conseguem (a partir de F. Saussure, Cours de Linguistique Générale, 1916).
A identidade não remete para uma essência mas decorre da relação com os outros, com a alteridade. Simplificando, somos o que somos menos pelas semelhanças e mais pelas diferenças (a partir de C. Lévi-Strauss, L’ Identité, 1977).

Marca: Hyundai. Título: New Dawn. Agência: Innocean UK. Direção: Jeroen Mol. Reino Unido, Reino Unido, janeiro 2023
Marca: Meat & Livestock Australia. Título: Un-Australia. Agência: The Monkeys. Direção: Yianni Warnock. Austrália, janeiro 2023

Translucidez

“Demasiada luz ofusca” (Blaise Pascal)

Storytel’s 1984 / 2022 sounds like 1984. B-Reel Stockholm. Suécia, agosto 2022

Esta breve e ligeira reflexão foi estimulada pela leitura do texto “Quando vigiado se torna vigilante”, de Pedro Rodrigues Costa, e por dois anúncios. No meu caso, os anúncios publicitários revelam-se, muitas vezes, fontes de inspiração. Os anúncios “Data Auction”, da Apple, e “Storytel’s 1954″, da agência B-Reel Stockholm, são acompanhados pelo vídeo musical ” Every Breath You Take”, dos Police.

Vivemos numa sociedade da informação, para utilizar a noção adotada, entre outros, por Alain Touraine (La Société post-industrielle, 1969) e Daniel Bell (The coming of post-industrial society, 1973). A informação ter-se-ia tornado recurso preponderante, cuja produção, posse e circulação passaria a marcar a configuração e a vida das sociedades contemporâneas. Este alcance exponenciou-se com o incremento das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação). A informação representa um poder cuja distribuição é desigual, não só em termos de posse e acessibilidade, mas também em termos de meios, modos e possibilidades de uso e mobilização. Desigualdade que parece não diminuir com o aumento da informação. Com a tendência para a generalização da vigilância, o abuso do escrutínio e o desígnio de transparência, todos passamos a vigilantes vigiados e validadores validados. Esta banalização da vigilância, caraterística dos regimes totalitários, insinua-se como uma ameaça aos regimes democráticos. Se uma sociedade totalmente transparente, sem privacidade e com escrutínio absoluto, não se assevera possível, perfila-se, não obstante, como limite para o qual propendem os totalitarismos. Constitui, aliás, sua vocação.

Marca: Apple. Título: Data Auction. Produção: Smuggler. Direção: Ivan Zacharias. Estados-Unidos, maio 2022
Título: Storytel’s 1984 / 2022 sounds like 1984. Agência: B-Reel Stockholm. Suécia, agosto 2022
The Police. Every Breath You Take (Official Video). 1983

Amor de filho

C.P. Group. Gratitude. Tailândia. 2018

Dispõe de seis minutos para comover o coração e expor a consciência? Promovida por uma cadeia de distribuição tailandesa, C.P. Group, esta curta metragem sobre o cuidado dedicado a uma mãe vítima de Alzheimer talvez configure uma boa oportunidade.

Marca: C.P. Group. Título: Gratitude. Agência: Ogilvy Bangkok. Tailândia, setembro 2018

Recordação dos Reis

Doc Morris Take Care of Yourself. 2020

Este anúncio escapou-me no Natal de 2020. Voltou a escapar em 2021. Ia também escapar em 2022. Mas os Reis resgataram-no. Era uma pena!

Marca: Doc Morris. Título: Take Care of Yourself. Agência: Jung von Matt / Saga. Direção: Sune Sorensen. Alemanha, dezembro 2020

Comparsas

Borsodi. Wave. Hungria, 2003

Simplesmente diferentes, incondicionais da cerveja Borsodi, paladinos da frescura alheios à boçalidade alheia.

Aproveito para sugerir a visita a dois artigos: Quando o vigiado se torna vigilante e Albert Camus: sinónimo de liberdade.

Marca: Borsodi. Título: Wave. Agência: Young & Rubicam. Direção: K U. Hungria, 2003
Marca: Borsodi. Título: Picnic. Agência: McCann. Direção: Albert Saguer. Hungria, 2014

Cabeçadas de rena

El Corte Inglés. El Pequeño Reno. Dezembro 2022

Que as renas voam toda a gente sabe. Que seria do Pai Natal? Que o céu tem limites também todos sabemos. Demonstra-o o efeito de estufa. Quem voa incauto arrisca umas boas cabeçadas. Importa “capacetar-se”!

Se sobrar tempo após os anúncios El Pequeño Reno, do El Corte Inglés, e Share The Magic, do SuperValu, convido-o a consultar o artigo paisagens transgénicas, com texto e fotografias de Álvaro Domingues: https://margens.blog/2023/01/01/paisagens-transgenicas/

Marca: El Corte Inglés. Título: El Pequeño Reno. Agência: McCann (Madrid). Direção: Maxi Blanco. Espanha, dezembro de 2022
Marca: SuperValu. Título: Share The Magic. Agência: BWA (Dublin). Direção: Ben liam Jones. Irlanda, novembro de 2021

Anúncio quase perfeito

J&B. She. Espanha, novembro 2022

De qualquer ângulo, o anúncio “She/Abuelo”, da J&B Spain, é quase perfeito. Só não é perfeito porque a perfeição não existe.

Marca: J&B Spain. Título: She/Abuelo. Agência: El Ruso de Rocky. Direção: Gabe Ibanez. Espanha, novembro 2022