Arquivo | absurdo RSS for this section

Trampolinar

Há coisas prodigiosas capazes de transformar as pessoal. Ora enfraquecem, como a kryptonita do Superman, ora revigoram, como os espinafres do Popeye. A publicidade também promete quimeras. E se andar na rua fosse pisar trampolins? Andar mais alto, mais longe e mais rápido, tudo em suavidade. Como ter “amigos de amigos” no bailado social. A chave: os auscultadores AirPods, da Apple. E se deslocar-se fosse “dancing in the streets”, num mundo recolorido a frisar o psicadélico? A chave: os auscultadores Airpods, da Apple. Os convidados de hoje são o David Bowie e o Mick Jagger.

Marca: Apple / Airpods 2. Título: Bounce. Agência: TBWA Media Arts Lab. Direcção: Oscar Hudson. Estados-Unidos, 2019.
Marca: Apple / Airpods 2. Título: Snap. Estados-Unidos, 2020.
https://www.youtube.com/watch?v=HasaQvHCv4w
David Bowie & Mick Jagger. Dancing in the streets.

Um sopro de vida

O mundo dá voltas. E o catavento, também. Importa escrever a vida com um tinteiro novo.

Marca: Optus. Título: A declaration of yes. Agência: M&C Saatchi, Sydney. Direcção: Paul Middleditch. Austrália, 2013.

Menina estranha

Walt Disney em 1956.
Walt Disney. Alice no País das Maravilhas. 1951. Excerto. Dobrado em português.

Alice, desenhada por Walt Disney, parece sair do papel. Uma ilusão! No filme de animação, Alice está sempre em apuros. Uma fantasia! É uma menina estranha, “a strange little girl”. Uma história bizarra. Talvez seja o sol, “always the sun”. Fusíveis queimados. Aproveito para colocar duas músicas dos Stranglers.

The Stranglers. Strange little girl. La Folie. 1981
The Stranglers. Always de sun. Always the sun. 1990.

As cordas do coração

Sainsburys. Nicholas the Sweep. 2019.

O coração humano tem cordas que é melhor não tocar (Charles Dickens).

Nicholas the Sweep, da Sainsbury’s , é um anúncio de Natal, de 2019. Não o contemplei a devido tempo. Propõe um regresso às ruas vitorianas de Charles Dickens. Miséria e milagre, distopia e magia, inferno e paraíso, preto e branco. Felizes os tristes porque deles será o reino dos céus.

Marca: Sainsbury’s. Título: Nicholas the Sweep. Agência: Wieden + Kennedy. Direcção: Ninian Doff. Reino Unido, Novembro 2019.

Reciclagem

Produtos Coca-Cola

“Hegel observa em uma de suas obras que todos os fatos e personagens de grande importância na história do mundo ocorrem, por assim dizer, duas vezes. E esqueceu-se de acrescentar: a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa” (Karl Marx, O 18 de Brumário de Louis Bonaparte, 1852).

Alguém sustentou que uma boa ideia, ignorada ou desaparecida, será retomada a seu tempo. Isto ocorre também na publicidade. A pretexto da pandemia, a Coca-Cola recicla um anúncio, premiado, de 2003. Seguem o anúncio espanhol Por Todos (2020), acabado de sair, o anúncio argentino Para Todos, de 2003, e o anúncio brasileiro Para Todos, de 2018.

Marca: Coca-Cola. Título: Por todos. Agência: Mercado McCann. Espanha, Abril 2020.
Marca: Coca-Cola. Título: Para todos. Argentina 2003.
Marca: Coca-Cola. Título: Para todos. Agência: Mercado McCann. Brasil, Dezembro 2018.

O roubo das caras

Francis Bacon, Self-Portrait, 1971. Centre Georges Pompidou,

Para os lados do Japão, andam a roubar as caras às pessoas! Evite uma aberração facial, recorra à loção para a pele Gatsby. Esta é a mensagem principal do anúncio The Kawaii Tweak Hazard Song. Pelo meio, espalha-se muita imaginação e humor.

Marca: Gatsby Perfect Skin Lotion. Título: The Kawaii Tweak Hazard Song. Agência: Dentsu (Tokio). Direcção: Wataru Sato. Japão, Abril 2019.

O cantar do galo

Egon Schiele. Death And The Maiden. 1915-1916

O galo anda à solta e de crista levantada. Canta fora de horas, e guia as almas na última viagem. Perdi, nestes dias, quatro pessoas queridas, uma hoje. Mas o galo não se cansa. Continua a rondar. Os tempos não estão para aleluias, mas para dúvidas e epitáfios.

Vangelis. Ask the Mountains. Voices. 1995.
King Crimson. Epitaph. In The Court Of King Crimson. 1969.

A abertura do tolo

Quino. Gente en su sitio. 1986.

Quando a morte ronda, que fazer? Abater-se? Reagir? Há quem tente enganá-la (figura 1); outros nem sequer a pressentem (figura 2).

Daniel Hopfer’s ‘Death and the Devil Surprising Two Women’ (c 1500–1510)

Alguns esmeram-se a arrumar a vida, outros trespassam sem zelo. Não é fácil trocar o mundo pela eternidade. Não há preparação nem ars moriendi que nos assista.

Dança da Morte. Alemanha. Século XVI.

Talvez o tolo nos ensine. Na dança macabra (figura 3), ao contrário dos demais, só dá uma mão e a um ser humano. Parece não saber onde está nem para onde vai, o que pouco o incomoda.

Supertramp. Fool’s Overture. Even in the quietest moments. 1977. Ao vivo em 1979.
Supertramp. Crime of the century. Crime of the century. 1974. Ao vivo em 1983.

Como peixes num aquário

Allegoria della Peste. Biccherna senese. Opera tratta da Giovanni Di Paolo, Siena, XV sec.

E para dizer simplesmente o que se aprende no meio das pragas, que existe nos homens mais coisas a admirar do que coisas a desprezar (Albert Camus. La Peste. 1947)

Ah! Se fosse um terramoto! Um bom abalo e não se falava mais… Conta-se os mortos, os vivos e pronto. Mas esta porcaria de doença! Mesmo aqueles que não a têm trazem-na no coração (Albert Camus. La Peste. 1947).

Escrevi um texto para a página Communitas, do Centro de Estudos Comunicação e Sociedade. Versa sobre vários aspectos da vida quotidiana em tempo de coronavírus. Segue a ligação: http://www.communitas.pt/ideia/nem-a-morte-nos-reune/

O gnomo, a gula e a ira

O anúncio tailandês The Box, da marca Voiz Cracker, é um presente criativo cheio de boa disposição. Duração longa, pouca história, repetida com variantes, interpretada por “gnomos” sósias, numa espécie de paródia da magia. Receita apropriada para a destilação de um humor insólito, que namora o pecado. Neste caso, dois pecados capitais, a gula e a ira, tudo por causa de uma bolacha.

Marca: Voiz Cracker. Título: The Box. Tailândia, 2018.