Archive | Música RSS for this section

Não vale a pena uivar à lua

the-night-the-moon-fell

Creio que devíamos salivar menos perante os símbolos. A distância e o tempo ajudam o entendimento. Convém reflectir em vez de sobre-reagir. Não vale a pena uivar à lua (Albertino Gonçalves).

Realizador: John Bashyan. Título: The night the moon fell. Produção: Tom Leach. 2016.

Jejuemos de anúncios. É a vez de uma curta-metragem e de três vídeos musicais. Tudo lunar. O vídeo é amoroso, como costumam ser as animações com crianças, mas a lua entendeu ser desmancha-prazeres. Moral: não faças cócegas à lua a não ser que estejas por cima. As três canções são tesourinhos de vinil. Na canção do Zeca Afonso, 400 bruxas esperam a lua cheia. Em Portugal, Angelo Branduardi sempre foi o meu segredo isolado. Bob Dylan publicou o álbum Self Portrait em 1970. Um insucesso muito criticado. A maioria das canções são covers e Bob Dylan canta de um modo inesperado. É esse modo inesperado que me cativa no cover Blue Moon.

José Afonso. A Ronda das Mafarricas. Cantigas de Maio. 1971.

Angelo Branduardi. La Luna. La Luna. 1975.

Bob Dylan. Blue Moon. Self Portrait. 1970.

A carne e a escada para o céu.

francis-bacon-study-for-a-crucifixion-pormenor-1962

Francis Bacon. Study for a Crucifixion. Pormenor. 1962.

Os australianos estão do outro lado do mundo. Às avessas. Com um sentido de humor muito próprio: enérgico, retorcido e desinibido. O inesperado e o incongruente persistem como principal fonte de humor. Quero envelhecer assim: ao saltos com uma guitarra nas mãos.

Há quem acredite, sobretudo as “classes laboriosas”, que a carne vermelha é o mais nutritivo e o mais revigorante dos alimentos (Bourdieu, Pierre, La Distinction, 1979). Da crença ao hino, apenas um passo. Red Meat merece o Stairway to Heaven, dos Led Zeppelin (tenho em casa um guitarrista que gosta de tocar esta música).

Marca: Red Meat – Australian Meat & Livestock. Título: Stairway to Heaven. Agência: Campaign Palace. Direcção: Graeme Burfoot. Austrália, 2002.

Led Zeppelin. Stairway to Heaven. Live Earls Court. 1975.

Ternura

ternura

Ternura

Mais longe? Mais perto? A distância certa é aquela em que se abraça mais as virtudes e menos os defeitos. Não deixe que a ternura se afaste do tabuleiro da sua vida. ”Sem a ternura, o amor não seria nada” (Bourvil, Tendresse, 1963) . A ternura não tem tamanho, lugar ou momento fixo. Num simples gesto, num simples olhar, numa simples atitude, num infinitamente nada, cabe uma galáxia de sentimentos.

Hoje é dia de São Valentim, um bispo romano, do século III, que celebrou casamentos contra a lei do Imperador Cláudio II. São Valentim diz-me pouco, mais me diz Inês de Castro.

“Apercebeu-se que havia mais no mundo do que as especulações da Sorbonne e os versos de Homero, que o Homem tinha necessidade de afectos, que a vida sem ternura e sem amor era apenas uma engrenagem seca, estridente e desoladora” (Hugo, Victor, Notre-Dame de Paris, 1831).

O anúncio Eternal Love, da Instrumentarium, e a canção La Tendresse, de Bourvil, são dois postais ilustrados em dia de namorados. Hoje, não é Fevereiro, nem chove no quintal. Hoje, nas margens do rio Coura, caem do céu as sombras das árvores do luar de Agosto.

Marca: Instrumentarium. Título: Eternal Love. Agência: Cassius Helsinki. Direcção: Pete Riski. Finlândia, Fevereiro 2017.

Bourvil. La tendresse. Letra de Noël Roux. Música de Hubert Giraud. 1963.

La Tendresse (Bourvil)

On peut vivre sans richesse
Presque sans le sou
Des seigneurs et des princesses
Y’en a plus beaucoup
Mais vivre sans tendresse
On ne le pourrait pas
Non, non, non, non
On ne le pourrait pas

On peut vivre sans la gloire
Qui ne prouve rien
Etre inconnu dans l’histoire
Et s’en trouver bien
Mais vivre sans tendresse
Il n’en est pas question
Non, non, non, non
Il n’en est pas question

Quelle douce faiblesse
Quel joli sentiment
Ce besoin de tendresse
Qui nous vient en naissant
Vraiment, vraiment, vraiment

Le travail est nécessaire
Mais s’il faut rester
Des semaines sans rien faire
Eh bien… on s’y fait
Mais vivre sans tendresse
Le temps vous paraît long
Long, long, long, long
Le temps vous parait long

Dans le feu de la jeunesse
Naissent les plaisirs
Et l’amour fait des prouesses
Pour nous éblouir
Oui mais sans la tendresse
L’amour ne serait rien
Non, non, non, non
L’amour ne serait rien
Quand la vie impitoyable
Vous tombe dessus
On n’est plus qu’un pauvre diable
Broyé et déçu
Alors sans la tendresse
D’un coeur qui nous soutient
Non, non, non, non
On n’irait pas plus loin
Un enfant vous embrasse
Parce qu’on le rend heureux
Tous nos chagrins s’effacent
On a les larmes aux yeux
Mon Dieu, mon Dieu, mon Dieu…
Dans votre immense sagesse
Immense ferveur
Faites donc pleuvoir sans cesse
Au fond de nos coeurs
Des torrents de tendresse
Pour que règne l’amour
Règne l’amour
Jusqu’à la fin des jours.

 

Noël Roux

Com um burro às costas. Música com humor.

francisco-goya-tu-que-no-puedes-los-caprichos-42-1799

Francisco Goya. Tu que no puedes. Los caprichos 42. 1799.

Estive sete dias sem Internet. O apoio técnico por parte da operadora, a única entidade que o pode prestar, só chegou hoje. Uma simples troca de modem. Podia ter recorrido a outros acessos à Internet, mas estas conversas são pessoais e têm um nicho, a minha casa. Sou fetichista.

Há quem acredite que a técnica nos conduzirá à eternidade. Quanto a mim, a técnica, parente da obsolescência, é aceleradora da morte. Atropelam-se os funerais de técnicas de ponta, computadores incluídos. Deus não fez, neste mundo, obra perfeita. O que fez desfaz-se. Não faltam porém divindades de barro em busca da perfeição. São os piores inimigos da humanidade.

passaro-alimenta-uma-cria-cuco

Pássaro alimenta uma cria proveniente do ovo de um cuco.

Neste País de mil leis, uma operadora não tem prazo para acudir a uma participação de avaria! E nem sequer é possível denunciar o contrato. Por causa da fidelização. Quando o poder político e o poder económico se sentam no mesmo banco, o melhor é o consumidor não se pôr a jeito. Para a próxima, pense duas vezes antes de avariar, não vá carregar dois burros às costas.

Esta abstinência digital lembrou-me quatro músicas dedicadas a animais. Na primeira, os burros zurram; na segunda, as galinhas esgaravatam; na terceira, os cucos parasitam; e na quarta, os zangões zumbem.

La Fête de l’Ane. Excerto. Música medieval. Clemencic Consort.

Jean-Philippe Rameau. La Poule. 1728. Sir Neville Merrimer.

Louis-Claude Daquin. Le Coucou. 1735. Trevor Pinnok.

Nikolai Rimsky-Korsakov. Flight of the Bumblebee. 1899-1900. David Garrett.

Eclipse. Cat Stevens

catstevens

yusuf Islam (Cat Stevens).

Tesourinhos deprimentes quem os não tem?
Não são caviar, mas sabem bem (AG).

Ocasionalmente apetece um retiro. Existem várias possibilidades de alheamento. Por exemplo, dar cinco passos rumo à prateleira dos discos de vinil. Escolho um. Às vezes, justifica partilha. Procuro, na Internet, um endereço com bom som e boa imagem. Não é fácil. Para uma única música, consulto, sem auscultadores, acima de uma dezena de páginas, algumas com direito a repetição. Esta é a fase que a família detesta: ouvir, sem descanso, a mesma tesourinho deprimente. Com o Cat Stevens (o Álvaro Domingues chamava-lhe Gato Esteves) foi quase assim. O massacre doméstico foi, porém, maior. Na verdade, andava à cata do Rick Wakeman, de uma das Six Wives of Henry VIII (1973) que fosse agradável ao ouvido. Deparo-me com um vídeo estranho: Cat Stevens acompanhado ao piano por Rick Wakeman a interpretar Morning has broken (1971), uma canção de grata memória. Pelos vistos, o arranjo de piano da canção foi composto por Rick Wakeman. Justifica-se, portanto, o duo. Cat Stevens é bastante homogéneo quanto à qualidade das canções. Destacam-se, no entanto, para além de Morning has broken, Father and Son (1970) e Wild World (1970). Surpreendeu-me o facto de Yusuf / Cat Stevens ainda dar, com 68 anos, concertos, sem desmerecer os dos anos setenta. Convertido ao islamismo, abandona a música pop em 1978. Regressa em 2006, com o álbum An Other Cup. Um longo eclipse.

Rick Wakeman & Cat Stevens (Yusuf Islam). Morning has broken.

Yusuf Islam (Cat Stevens) – Father and Son (TV Bayern 3, Munich, Germany 2009).

Cat Stevens – Wild World (BBC 1970).

Alergia

les-feuilles-mortes-ernest-bieler-1899

Ernest Bieler. Les Feuilles Mortes. 1899.

War é um anúncio que põe à prova o amor à natureza. Contra a moléstia biológica, não há defesa possível. Os pólenes são agressores ubíquos e impercetíveis. Quem adormecer ao sol no jardim, arrisca-se a ter, ao acordar, um dente-de-leão a crescer no umbigo. Uma pessoa inala estas micro fertilidades sem dar conta… Disparate? Sabe bem dizer disparates. Devia ser embaixador do disparate, ministro, presidente ou comentador, mas falhei a vocação. Desgraçadamente, por altura do chamamento, devia estar a passar pelo túnel da Avenida da Liberdade. O anúncio da Benadryl é primaveril. Poliniza os espíritos.

Marca: Benadryl. Título: War. Agência: JWT London. Direcção: Steve Cope. Reino Unido, 2009.

Neste anúncio, as plantas dançam. Lembram (os descaminhos da memória são insondáveis) a canção Les feuilles mortes (versão original francesa: https://tendimag.com/?s=montand). Existem muitas interpretações em inglês (Autumn Leaves): Natalie Cole, Eva Cassidy, Chet Baker, Miles Davis, Paula Cole… Recentemente, Eric Clapton. Opto por Nat King Cole (álbum Nat King Cole Sings For Two In Love, 1955). Para terminar, uma confidência: há momentos e lugares em que as folhas caem com mais sentimento.

Nat King Cole. Autumn Leaves. Nat Kin Cole Sings For Two In Love. 1955.

Sem remorsos

edith-piafEdith Piaf enternece e emociona; a mulher e a cantora. Seguem três « canções do século XX »: Non, je ne regrette rien (1960) ; La vie en rose (1946); e Milord (1959). Optei pela gravação ao vivo. Acrescentei a letra da canção Non, je ne regrette rien. Vale a pena.

 

Non, rien de rien, non, je ne regrette rien
Ni le bien qu’on m’a fait, ni le mal
Tout ça m’est bien égal
Non, rien de rien, non, je ne regrette rien
C’est payé, balayé, oublié, je me fous du passé

Avec mes souvenirs j’ai allumé le feu
Mes chagrins, mes plaisirs
Je n’ai plus besoin d’eux
Balayé les amours avec leurs trémolos
Balayé pour toujours
Je repars à zéro

Non, rien de rien, non, je ne regrette rien
Ni le bien qu’on m’a fait, ni le mal
Tout ça m’est bien égal
Non, rien de rien, non, je ne regrette rien
Car ma vie, car mes joies
Aujourd’hui ça commence avec toi.

Aleluia

jeff-buckleyNeste tempo em que todos comunicam tudo com todos, o melhor que se pode dar a uma pessoa é atenção.

Jeff Buckley. Hallelujah. Grace. 1994.

A idade das máscaras

amalia-rodrigues-aranjuezO anúncio português Camané, da Mansarda, apresenta-se escorreito no seu preto e branco sóbrio. Um pouco enigmático na sua economia de gestos e palavras. Informei-me. Enigmático continuou. Pois que fique enigmático que não é coisa ruim.

“A MANSARDA pretende ajudar os profissionais que estão ou estiveram, durante uma parte significativa da sua vida profissional, ligados de forma principal ao mundo da língua, da arte e da cultura portuguesas e especialmente às artes performativas” (http://mansarda.pt/missao/).
“O spot da MANSARDA, que começará a ser divulgado ainda em Dezembro, pretende chamar a atenção para a necessidade de cuidar e valorizar os artistas nacionais, não apenas no auge das suas carreiras mas ao longo da sua vida (http://mansarda.pt/004garage/)”.
“A velhice não se mascara” (mote da campanha).

Cliente: Mansarda. Título: Camané. Agência: 004. Produção: Garage. Direcção: Ernesto Bacalhau. Portugal, Janeiro 2017.

Quando me sinto enigmado, gosto de ouvir o Rodrigo Leão, mesmo cantado em francês. O que é raro no País: nem compositores, nem interpretes. Acode-me a Amália. Muito cantou em francês e em França. Canções portuguesas e francesas. Seguem três canções: Um clássico da canção francesa, La vie  en rose (1960); uma composição espanhola, cantada por uma portuguesa em francês, Aranjuez, mon amour (1967); e um fado em francês, Aïe Mourir pour toi (1960).

Rodrigo Leão. Jeux d’amour. Álbum Cinema. 2004.

Amália Rodrigues. La vie en rose. 1960.

Amália Rodrigues, Aranjuez, mon amour. 1967.

Amália Rodrigues. Aïe Mourir pour toi. 1960.

O dia das coisas boas

Janis Joplin

Janis Joplin

Ouvi dizer que hoje é o Dia Internacional das Coisas Boas. The International Day of Good Things – IDGT! Lembrei-me de partilhar tangerinas ou grelos. Andam muito bons. Ou uma cerveja, é sempre uma coisa boa. Mas parece que não dá para partilhar tangerinas, grelos e cerveja na Internet. Partilho, por isso, um vídeo musical: Janis Joplin canta Ball and Chain em Monterey no ano de 1967.

Janis Joplin. Ball and Chain. Monterey. 1967.