Archive | Dança RSS for this section

Dança cromática

Becoming Violet

Três sereias: música, dança e cor. Precedidas por uma frase de Omar Calabrese. Mais palavras para quê?

“Quanto mais se busca um efeito de verosimilhança, mais se deve recorrer a um máximo de artifício que, aliás, para passar de “norma” a “uso”, requer elevada destreza técnica” (Calabrese, Omar, 1994, Cómo se lee una obra de arte, Madrid, Ed. Cátedra, p. 30).

Carregar em HD para escolher uma boa resolução. Este vídeo merece.

Steven Weinzierl. Becoming violet. BalletMet. USA, Agosto 2016.

The Special One

edgar-degas-arabesque-modeled-1885-90

Edgar Degas. Arabesque. Modeled 1885-90.

Abordámos, no artigo anterior, o tópico do excluído menosprezado que consegue ascender a uma posição de topo, mediante a superação de uma prova, fantástica ou natural. Cinderela, humilhada pela família e ajudada pelas fadas, dança, calça o sapatinho e casa com o príncipe. Se há arquétipos, este é um arquétipo. Impregna o imaginário, os media e a vida quotidiana. A predestinação ou o chamamento implicam uma travessia, de mau a bom porto, sobressaltada por provas mais ou menos homéricas. A Cinderela e o Patinho Feio trazem à memória a glória dos santos mártires e o exemplo do self made man. The special one and the choosen one legends. O anúncio Ingrid Silva, da Activia, navega nestas águas. “Born in a poor Rio neighborhood, Ingrid Silva became a professional ballerina in New York. She is regarded as one of the world’s best emerging dancers”.

Marca: Activia. Título: Ingrid Silva. Agência: Wunderman Paris. França, Junho 2016.

O bailado dos pepinos

Este anúncio da Hungarian Dance Academy é delicioso, com alguma malícia à mistura. Lembra os contos de fadas. Uma bailarina esforça-se para abrir, enquanto dança, um frasco de pepinos. Não consegue. Uma desilusão. Há falta de homens no bailado! Para aceder ao anúncio, carregar na imagem.

ballet-needs-boys

Anunciante: Hungarian Dance Academy. Título: Ballet needs boys. Agência: Leo Burnett Budapest. Direcção: Milos Ili, Imre Juhasz. Hungria, 2004.

Corpos libertos

KENZO-WORLD-FRAGRANCE-FILM

O Américo enviou-me, do Qatar, o anúncio The New Fragance, da japonesa Kenzo. Tanto perfume numa única mulher! Tanta mulher num único perfume! Tanta exal(t)ação! O anúncio não parece o que é: um anúncio a um perfume. Desvia-se e inova. Deve ser o efeito Don Quixote.

O anúncio é dirigido por Spike Jonze, um realizador consagrado. Lembra-se do filme Being John Malkovich (1999)? Spike Jonze repartia, há pouco tempo, o pódio dos realizadores de vídeos musicais com Chris Cunningham e Michel Gondry.

Ter um conceito dá mais jeito do que ter uma ideia. O conceito transpõe-se com alguma facilidade. O conceito do anúncio The New Fragance é parecido com o conceito dos vídeos musicais Weapon of Choice (2000) e, embora menos, Praise you (1998), ambos realizados por Spike Jonze para Flatboy Slim.

Marca: Kenzo. Título: The new fragance. Direcção: Spike Jonze. Internacional, Agosto 2016.

Flatboy Slim. Weapon of Choice. Dirigido por Spike Jonze. 2000.

Fatboy Slim. Praise you. Dirigido por Spike Jonze. 1998.

Dead Can Dance e Pina Bausch

Pina Bausch

Pina Bausch

A Isabel enviou-me este vídeo: Song of the Stars, com Dead Can Dance e Pina Bausch. Um cocktail fantástico para o início de Setembro, o mês onde tudo começa verdadeiramente (“c’est em Septembre que tout commence pour de vrai”, Gilbert Bécaud, C’est en Septembre, 1978).

Dead Can Dance / Pina Bausch. Song of the stars.

A primeira vez

Utopia tour

O mundo anda assim. Parece avariado. Espreita-se um anúncio e não se percebe nada. Um corpo, não se sabe se vestido ou despido, e uma voz, esticada das profundezas do inconsciente. Um corpo à David Hamilton? Uma reflexividade à Ingmar Bergman? Um vídeo pelo olhar de um fotógrafo? Presumivelmente, não. Há calendários para o iPhone? Saiu um novo perfume ou uma nova bebida light? Quanto à música, apenas uns acordes na parte final. Ou se ouvia a voz quase robótica ou a música electrónica. Acertaram: se não tem música, é sobre música: o anúncio de um festival de música dance, em Madrid. A nós, ninguém nos engana. Mas a primeira vez ainda está para vir. El mundo es de los jóvenes!

Marca: Festival Utopia 2016. Título: You won’t have another chance to experience this first edition. Agência: La Despensa Ingredientes Creativos. Direcção: Imanol Ruiz de Lara. Espanha, Abril 2016.

Oxalá e Nanã

“Por conta das velhas de terracota e da morte grávida: Imagem de Oxalá e de Nanã”

Gosto do comentário de Ana Rita Ferraz ao artigo O riso da velha Grávida. Ana Rita é professora na Universidade Federal de Feira de Santana – UEFS, actriz e dramaturga. Trocamos ideias em torno do grotesco.

Ana Rita Ferraz chama a atenção para uma crença corporizada em rituais afro-brasileiros:
“Conta-se que Olorum, o criador, chamou Oxalá e lhe deu uma tarefa: deveria criar a humanidade. Oxalá coçou a cabeça pois não sabia como fazer. Então, pegou o vento e começou a trabalhar nele tentando uma forma; em vão. Com o fogo também não teve sucesso. Tão pouco com as águas. Já estava desanimado quando Icu, também conhecida como Nanã, a morte, senhora que vive nas águas lamacentas, perguntou-lhe porque não fazia os seres encomendados de lama. Oxalá aceitou. Nanã desceu lá no fundo das águas e lhe trouxe um punhado de lama. Sentaram-se e começaram a esculpir criaturas. Assim foi que Oxalá, o que é pai, e Nanã deram por cumprida a tarefa dada por Olorum.
Este é um mito africano. Nanã, ou Icu, é representada com gravetos no colo, que simbolizam seus filhos. Acho lindo pensar que temos como mãe a morte.
Veja a canção CORDEIRO DE NANÃ , quase um acalanto” (Ana Rita Ferraz).

Mateus Aleluia e Thalma de Freitas – Cordeiro de Nanã | Compacto Petrobras.

“Como oxalá é pai, aqui em Salvador, não apenas o povo das religiões de matriz africana, costuma vestir roupas brancas, especialmente às sextas-feiras” (Ana Rita Ferraz). Segue um vídeo sobre o culto a Oxalá. Para terminar, a música Meu Pai Oxalá, interpretada pela banda Moinho, da autoria de Vinicius de Moraes e Toquinho, mas inspirada no candomblé.

 

Chá dançante

Quando cismo com uma ideia, sou maçador. Será que o chá também pode inspirar anúncios marcados pela leveza e pela turbulência? Repare-se na máquina de chá Lipton, com a participação do Cirque du Soleil! E o chá Kusmi! Nada, porém, que a Água das Pedras ou a Expo 98 não tenham borbulhado…

Carregar nas imagens para aceder aos respectivos vídeos.

T.O Lipton

Marca: T.O Lipton. Título: Cirque du Soleil / Revolution des saveurs. Agência: Adam&Eve DDB London. Direcção: Saam Farahmand. Reino Unido, Novembro 2015.

kusmi_tea_beaute_des_melanges_anastasia-4

Marca: Kusmi Tea. Título: La Beauté des Mélanges. Agência : Quai des Orfèvres. Direcção: Robert Cohen. Janeiro 2014.

Água das Pedras imagem

Marca: Água das Pedras. Título: Mergulha. Agência: Euro RSCG. Direcção: Augusto Fraga. Portugal, 2012.

Sou como sou, agrado a quem agrado

Klaus Nomi Anjo

O anúncio #yourrules, da House of Fraser, é uma dança de resistência coreografada por Parris Goebel. É, no entanto, a música, You Don’t Own Me, interpretada por Grace, que mais agita os neurónios. A canção original, de Leslie Gore (1964), foi retomada por vários cantores entre os quais Klaus Nomi (1981).

Para visualizar, carregar na imagem ou no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=4wwWEzwJ6Ps:
House of fraserMarca: House of Fraser. Título: #yourrules. Agência: 18 Feet & Rising. Reino Unido, Novembro 2015.

Para visionar, carregar na imagem ou no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=d-Yrg9xNSS0

KLAUS NOMI & JOEY ARIASKlaus Nomi. You Don’t Own Me. 1981

Vertigens a baixa altitude

ok_go_macalline_2

Há muito que namoro o tema da levitação e não há modo de ir ao altar. Existem diversas soluções para sugerir a ausência de gravidade: captar um momento de suspensão, filmar em câmara lenta um movimento de desprendimento ou multiplicar os planos de gravidade (e.g, E.M. Escher, na gravura, e Philip Halsman, na fotografia).

O anúncio chinês OK Go, da Red Star Macalline, desmonta várias ilusões de perspectiva e multiplica os planos de gravidade, provocando uma sensação de vertigem.

O anúncio neozelandês Muscle, da Anchor, recorre ao slow motion para criar uma sensação de flutuação no espaço e no tempo. Em câmara lenta, os movimentos de dança logram um efeito estético apreciável.

Marca: Red Star Macalline. Título: OK Go. Agência: 25hours Xangai. Direcção: Damian Kulash JR. China, Março 2015.

Marca: Anchor. Título: Muscle. Agência: Colenso BBDO. Direcção: James Solomon. Nova Zelândia, Março 2015.