Arquivo | Uncategorized RSS for this section

Invenção, utilidade e tradição

Garfo de dois dentes. Cerca de 1700-20.

O antes e o depois. Pequenas invenções, grandes diferenças. Um tópico fascinante bem aproveitado no anúncio The Power of Ok, da Roku.  The best ideas are often the simplest. Like streaming made easy. Ok, Roku does that. Nada mais divertido e mais simples.

Marca: Roku. Título: The Power of Ok. Agência: R/GA California. Direção: Keith Schofield. Estados-Unidos, setembro 2021.

A implementação de um invento simples nem sempre é fácil. As atribulações da (re)introdução do garfo na Europa Ocidental constituem um bom exemplo.

“No seculo XI, um doge de Veneza casou-se com uma princesa grega. No círculo bizantino da princesa o garfo era evidentemente usado. De qualquer modo, sabemos que ela levava o alimento à boca “usando um pequeno garfo de ouro com dois dentes.” Este fato, porém, provocou um horrível escândalo em Veneza: “Esta novidade foi considerada um sinal tão exagerado de refinamento que a dogaresa recebeu severas repreensões dos eclesiásticos que invocaram para ela a ira divina. Pouco depois, ela foi acometida de uma doença repulsiva e São Boaventura não hesitou em declarar que isto foi um castigo de Deus.”
Mais cinco séculos se passariam antes que a estrutura das relações humanas mudasse o suficiente para que o uso desse utensilio atendesse a uma necessidade mais geral. Do século XVI em diante, pelo menos nas classes altas, o garfo passou a ser usado como utensilio para comer, chegando através da Itália primeiramente a França e, em seguida, a Inglaterra e Alemanha, depois de ter servido durante algum tempo apenas para retirar alimentos sólidos da travessa. Henrique III introduziu-o na França, trazendo-o provavelmente de Veneza. Seus cortesãos não foram pouco ridicularizados por essa maneira “afetada” de comer e, no princípio, não eram muito hábeis no usa do utensilio: pelo menos se dizia que metade da comida caía do garfo no caminho do prato à boca. Em data tão recente como o século XVII, o garfo era ainda basicamente artigo de luxo da classe alta, geralmente feito de prata ou ouro.” (Norbert Elias, O Processo Civilizador, 1ª ed. 1939, Rio de Janeiro, Zahar Ed.. 1990. Vol. I, pp. 81-82).

“Dicen que Leonardo quiso perfeccionar el tenedor poniéndole tres dientes, pero le quedó igualito al tridente del rey de los infiernos.
Siglos antes, san Pedro Damián había denunciado esta novedad venida de Bizancio:
—Dios no nos hubiera dado dedos si hubiera querido que usáramos ese instrumento satánico.
La reina Isabel de Inglaterra y el Rey Sol de Francia comían con las manos. El escritor Michel de Montaigne se mordía los dedos cuando almorzaba apurado. Cada vez que el músico Claudio Monteverdi se veía obligado a usar el tenedor, pagaba tres misas por el pecado cometido.” (Eduardo Galeano, Fundación del Tenedor, Espejos, Madrid, Siglo XXI, 2008).

David Grey: Alma e Coração

David Grey.

Depois de vários dias absorto com a escrita do artigo O Espelho da Morte sabe bem regressar à música. Por que não David Grey, cantor britânico, nascido em 1968, com cerca de uma dúzia de álbuns publicados e um enorme sucesso com a canção Babylon?

David Grey. Sail Away. White Ladder. 1998. Ao vivo em Dublin, em 2011.
David Grey. The Year’s Love. White Ladder. Vídeo oficial.
David Grey. Heart and Soul. Skellig. 2021.

Homenagem ao professor

Intermarché. A Place to Live. 2021.

Être ensemble. La meilleure raison de mieux manger (Intermarché).

O anúncio A Place to Live, do Intermarché, não podia ser mais oportuno. Publicado no dia 30 de agosto, coincide com o início do ano letivo. Bom e belo, mas com uma história mais que batida. Numa aldeia rural, um professor, adorado pelos alunos, projeta partir para a capital. Como prova de reconhecimento e gratidão, a comunidade local organiza uma festa surpresa. A originalidade do anúncio reside em concentrar-se no banquete, desde a compra dos alimentos até ao convívio final. Uma originalidade que funciona e emociona. Para além do professor e da comunidade, o Intermarché ergue-se como o terceiro, senão o principal, protagonista. Um banquete é um banquete! “O banquete é comunicação e comunhão. Encena uma utopia festiva da abundância, da universalidade e da igualdade” (O banquete: https://tendimag.com/2017/02/20/o-banquete/). ““Quando comemos juntos, coisas boas acontecem. Seja poutine, pad thai, paella ou pemmican. Nada nos une mais do que comer juntos ” (#comer juntos: https://www.andersdenken.at/storytelling-eattogether/).

Ainda bem que se multiplicam os hipermercados para acarinhar, a contracorrente, a figura do professor! Apenas uma reserva: em termos de pandemia, o anúncio A Place to Live não fornece um grande exemplo.

Marca: Intermarché. Título: A Place to Live. Agência: Romance, Paris. Direção: Katia Lewkowicz. França, agosto 2021.

Fiona Apple. A travessia de um prodígio

Ce sont des tomates, chérie! Fotografia: Conceição Gonçalves

“O interessante é que eu odiava Fiona Apple e suas músicas “deprê”, com ritmos esquisitos, uma falta de continuidade em melodias, que se misturavam com outras bem abruptamente, aquilo confundia meus ouvidos e eu simplesmente não gostava / Suponho que de tanto escutar, terminei acostumando e abrindo os ouvidos e olhos para as melodias e letras que ecoavam pelo quarto. E poxa vida, que letras! Fiquei maravilhada com o que aquela mulher escrevia, tudo era de uma beleza e profundidade que rasgava por dentro quem as escutava com atenção “ (Quasar3000).

“Ao contrário dos julgamentos que recebeu, Fiona sempre esteve à frente de seu tempo. Ao expressar os seus dilemas na música, ela paralelamente criticava a mesma sociedade que a condenava. Desde o princípio, temas relativos ao ‘’ser mulher’’ estiveram presentes em sua arte” (Delirum Nerd).

“Canções metafóricas, temáticas psicológicas e melodias bem trabalhadas fizeram com que Fiona Apple conquistasse cedo o apreço do público e dos críticos, seu disco de estreia vendeu mais de 3 milhões de exemplares nos Estados Unidos, e com apenas 19 anos, a cantora ganhou seu primeiro Grammy” (Wikipedia).

Fiona Apple. Hot Knife. The Idler Wheel… 2012.
Fiona Apple. Every Single Night. The Idler Wheel… Ao vivo, 28 de Outubro de 2017.
Fiona Apple. Criminal. Tidal. 1996.

Sara

Sei um ninho.
E o ninho tem um ovo.
E o ovo, redondinho,
Tem lá dentro um passarinho
Novo (Miguel Torga).

Sara.

E a vida sorri! A Sara nasceu no dia 15 de Julho de 2021.

Coro de natividade: Sã qui turo zente pleta. Vilancico negro português anónimo do séc. XVII. Intérprete: Coro Sinfónico Lisboa Cantata.

Da excelência dos pés

Na topologia simbólica do corpo humano, os pés estão nas antípodes da cabeça: O lugar da desvalorização. O poeta Jacques Prévert e anúncio Les Pieds invertem, em boa hora, esta geometria.

e n’faisais rien, c’est-à-dire rien d’sérieux
Quelque fois l’matin, j’poussais des cris d’animaux
J’gueulais comme un âne, de toutes mes forces
Cela m’faisait plaisir
Et puis je jouais avec mes pieds
C’est très intelligent les pieds
Ils vous emmènent très loin quand vous voulez aller très loin
Et puis quand vous n’voulez pas sortir
Ils restent là, ils vous tiennent compagnie
Et quand il y a d’la musique, ils dansent
On n’peut pas danser sans eux
Faut être bête comme l’homme l’est si souvent pour dire des choses aussi bêtes
Que “bête comme ses pieds”, “gai comme un pinson”
Jacques Préverrt. Dans ma maison. Poésie. 1949. Excerto.

Mobilité Bruxelles. Les Pieds. Belgique, 2021.

Ideologia a domicílio

Vejo mais televisão do que olhos possuo. Há canais de televisão ideológicos? Um misto de comunicação e preconceito?

Phil Coulter, David Leonard, David L. Cooke, Alison Hood. In Loving Memory. Wellnessklassik zum Wohlfühlen. 2006.

O insólito normal

Fotografia de Álvaro Domingues

No anúncio City Bike, da Mate, os contextos e os movimentos territoriais inesperados cruzam-se num misto de estranheza e familiaridade. Lembram o livro Paisagens Transgénicas, de Álvaro Domingues (Museu da Imagem, 2021). O anormal é normal.

Mate. City Bike. Prudução: Quad Productions. Direção: Greg Ohrel. Canadá, Junho 2021.

Outros beijos

Mercado Livre. Novos beijos icônicos.

Outros beijos, outros géneros. Beijos com história, beijos com arte, numa chuva de beijos emblemáticos. Outros beijos, outros géneros, beijos humanos. Belas imagens, boa música.

Anunciante: Mercado Livre. Título: Novos beijos icônicos. Agência: GUT/São Paulo. Direção: VELLAS. Brasil, junho 2021.

Johnny Hallyday

Instalação Anjos. Exposição Vertigens do Barroco em Jerónimo Baía e na Atualidade. Mosteiro de Tibães. 2007

Johnny Hallyday faleceu em 2017, com 74 anos. No ano anterior, interpreta, ao vivo, a canção Comme je t’aime. Gosto de menos e gosto demais de Johnny Hallyday. Uma figura excessiva no palco e na vida. Na exposição Vertigens do Barroco (Tibães, 2007), ao montar a instalação Anjos (ver imagem), ocorreu-me Johnny Hallyday, rebelde dos anos sessenta.

Johnny Hallyday. Comme je t’aime. Live au Palais 12, Bruxelles, 2016.