Arquivo | Uncategorized RSS for this section

A dança das máscaras

Bugiada e Mouriscada. São João de Sobrado. Valongo

Conversa parva:

No mês de Agosto, há trinta anos, estava a banhos numa praia a sul da Zambujeira. Obrigava-me a uma boa caminhada. Um dia, um velhote, com um garrafão de água, ultrapassa-nos numa descida. Na subida, é a nossa vez de o ultrapassar. Digo-lhe: “a subir custa mais”. “Ná senhor ná! Fui atleta”, e desata a correr rampa acima. Não é fácil prever quando se despoleta a mola humana! Numa máscara cabe o infinito.

As máscaras gostam de música e de dança. Com música dos Dead Can Dance, os vídeos seguintes conjugam máscaras, música e dança.

Sugiro uma visita à fotogaleria “Como as sociedades se reinventam para a distância social da covid-19” do jornal Público: https://www.publico.pt/2020/08/07/fotogaleria/sociedades-reinventam-pandemia-covid19-402133

Dead Can Dance. ACT II: The Invocation. Dionysus, 2018.
Dead Can Dance. Kiko. Anastasis. 2012. Imagens do filme Samsara (2011), realizado por Ron Fricke

Sementes em pó

MDOC Melgaço. Preparação de 2021. Agosto 2020. Via Zé Gomes.

Respeitando as recomendações das autoridades, o MDOC , Festival Internacional de Documentário de Melgaço, não se realizou este ano. Ocorrerá no próximo. Habituei-me a participar no Festival, em particular no ritual da visita guiada ao Espaço Memória e Fronteira. Para enganar a saudade, colhi na página dos  Filmes do Homem meia dúzia de fotografias.

Os dias enrolam-se como num moinho de café. Entram sementes e sai pó. O tempo também tem destas artes. Em 2014, estas fotografias eram um desconsolo: “coitado de mim”. Hoje, passados seis anos, reconsidero: “afinal, não estava assim tão mal; as de costas, até favorecem”. Importa navegar. As memórias não são velas mas ventos. Os tais ventos que movem moinhos, moinhos que transformam as sementes em pó.

A sério

UNESCO

L’UNESCO lance une campagne mondiale pour interroger notre perception de la normalité. Le film de 2’20” s’appuie sur une succession de faits marquants sur la situation dans le monde avant et pendant la pandémie de la Covid-19. Ensemble, ces faits remettent en question nos idées préconçues sur ce qui est “normal”, et suggère que nous avons toléré l’inacceptable depuis trop longtemps. Il est temps d’un vrai changement. Et tout commence par l’éducation, la science, la culture et l’information (UNESCO).

Uma pessoa que diz coisas sérias não ri! O sério é sisudo e o riso, tonto. Imagine alguém a comunicar assuntos sérios às gargalhadas! O sério não ri, assim é desde o barro genético. O anúncio Le Prochain Normal, da UNESCO, aborda assuntos graves da humanidade. O que consideramos normal? Perguntas sérias, muito sérias. Até o formato do anúncio é sacrificial. Como rir num mundo tão sério? O riso é um acto de humor nas suas origens e um acto sério nas suas consequências.

Anunciante : UNESCO. Título : Le Prochain Normal. DDB (Paris). França, Junho 2020.

O homem com a criança no olhar

Kate Bush, menina surpreendente, frágil e firme, teve formação de pianista e violinista. Com 15 anos de idade, cativou a atenção de David Gilmour. Impressionado pelas suas composições disponibilizou-lhe o estúdio, ajudou-a em gravações e, no momento propício, abordou a editora EMI, que assinou contrato com Kate Bush. Kate Bush foi uma “protegida” de David Gilmour. O primeiro disco demorou. Kate Bush funda o conjunto  KT Bush Band, esmera-se na composição e estuda mímica e dança. O professor de dança, Lindsay Kemp, era também professor de David Bowie. A formação estava cinzelada: criação artística, voz e interpretação únicas; coreografia, dança e mímica invulgares. Com o corpo leve e ágil. Em 1978, lança o primeiro álbum: The Kick Inside. Um triunfo: alcança o terceiro lugar no hit-parade britânico, o segundo na Bélgica, na Finlândia, na Nova-Zelândia e o primeiro lugar na Holanda e em Portugal.

A canção Wuthering Heights ascendeu trepou as tabelas. No Reino Unido, Kate Bush foi a primeira autora-compositora-intérprete a atingir um primeiro lugar. Em 1979, Kate Bush faz a sua primeira tournée. Apesar do sucesso, será a última. As tournées não são compatíveis com a criação artística, a qualidade de vida e a dedicação à família, nomeadamente ao filho. Continuará, no entanto, a publicar discos: uma dezena, no conjunto.

Seguem duas canções, Wuthering Heights e The man with the child in his eyes,  ambas do álbum: The Kick Inside. O maior sucesso e aquela que mais impressionou David Gilmour. Naquele tempo, considerava-me vacinado contra o espanto. Soberba de parvo!

Kate Bush. Wutherin Heights. The Kick Inside. 1978.
Kate Bush .The Man with the Child in His Eyes. The Kick Inside. 1978. Ao vivo em 1979.

A arqueologia do prazer

Peter Frampton

Peter Frampton não é o Fred Mercury, nem o Eric Clapton. Mal seria. É um bom guitarrista em maré de bons guitarristas. Conheceu um franco sucesso com o álbum duplo ao vivo Frampton Comes Alive, publicado em 1976. “É considerado o álbum ao vivo mais vendido da História” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Frampton_Comes_Alive!).

De anos em anos, coloco a agulha na faixa Do You Feel Like We Do. Se estou impaciente, começo logo no minuto quatro. Em 1976, vivia em Paris. A minha aparelhagem era um móvel “La voix de son maître”, do tamanho de uma cómoda, com coluna incorporada e, no interior, o gira-discos e o rádio. Uma arqueologia do prazer. Creio que o desgosto, a “eurrância”, radica na mudança de aparelhagem. Hormonas à parte, “La voix de son maître” é outra acústica.

Peter Frampton. Do you feel like we do. Frampton comes alive. 1976.

Corpos

Corpos Danone

Há corpos e corpos. E usos do corpo. Em casa, na rua e na publicidade. Há corpos Axe, corpos Dove, corpos Hornbach, corpos Nike, corpos Old Spice, corpos Victoria’s Secret, corpos Kelvin Klein, corpos azeite Gallo… Os corpos Danone costumam ser corpos Danone (vídeo 1). Mas também existem corpos Danone reflexivos (vídeo 2). Mais os corpos Danone que se comem e bebem (imagem 1). Os corpos Danone não desafiam o confinamento. Em contrapartida, os corpos C&A “misturam-se, ousam e divertem-se”, sem sombra de distanciamento social (vídeos 3 e 4). Pouco prováveis na actualidade, datam de 2016.

Corpos Danone. Com Madalena Brandão. Portugal, 2018.
Corpos Danone. Corpos Danone inspirados em corpos reais. Portugal, 2019.
Marca: C&A. Título: Misture, ouse e divirta-se. Agência: ALMAP BBDO. Direcção: Jones + Tino. Brasil, 2016.
Marca: C&A. Título: Misture, Ouse e Recomece. Brasil. 2016.

Jonhy Cash

Jonhy Cash.

No rescaldo do artigo “Mãos de eternidade”, algumas canções de Jonhy Cash vêm a talhe de foice. Para exagerar, selecciono três:

Jonhy Cash. Wayfaring stranger. American III: Solitary man. 2000.
Jonhy Cash. Ain’t no grave. American VI: Ain’t no grave. 2010.
Jonhy Cash. Redemption day. American VI: Ain’t no grave. 2010.

Ideias há muitas

Ideias há muitas! Boas são raras, grandes, ainda mais. Para que uma boa ideia se transforme numa grande ideia, precisa ser bem projectada e bem executada. Ser criativo é mais do que ter uma ideia. O anúncio Flatten The Curve, do Ohio Department of Health, é um exemplo de uma grande ideia. Acontece com os anúncios, bem como com as dissertações.

Anunciante: Ohio Department of Health. Título: Flatten The Curve. Agência: Real Art Dayton. Estados-Unidos, Abril 2020.

Heavy metal mongol

The Hu é uma banda mongol de heavy metal folclórico. “Hu” de hunos, que que Átila comandou e a raiz da palavra humanidade, em mongol. O grupo combina instrumentos musicais actuais e tradicionais. Como é típico dos povos mongóis, cantam directamente a partir da garganta.

Fernando e Albertino

The Hu. Wolf Totem. The Gereg (Deluxe Edition). 2018.

Músicas de Medo, Morte e Pranto 2

James Ensor, Masks Confronting Death. 1888

É a vez do José Afonso: Menina dos Olhos Tristes, Cantar Alentejano e Canta Camarada. A Morte Saiu à Rua fica para outra altura.

José Afonso. Menina dos Olhos Tristes. Single Canta Camarada. 1969.
José Afonso. Cantar Alentejano. Cantigas de Maio. 1971.
José Afonso. Canta Camarada. Single Canta Camarada. 1969.