Arquivo | Política RSS for this section

Mulheres no poder

Posthumous painted portrait of Cleopatra VII of Egypt, from Herculaneum, Italy. 1st century AD.

A Maria Beatriz, pioneira da Sociologia em Portugal, partilhou este vídeo sobre o protagonismo político de mulheres. Por princípio, não aprecio publicidade promotora de uma categoria social. A discriminação positiva é discriminação. Mas, para além da massagem, o vídeo The women are coming proporciona uma aprendizagem. Não imaginava!

British Columbia Women’s Institute. Women are coming. Janeiro 2021.

Humor a sério

O anúncio britânico Audition, do NHS (National Health Service), revela inteligência, humor e, pressupõe-se, eficácia. Está em causa a mobilização para a vacina contra a Covid-19. O anúncio recorre a dois embaixadores, sir Elton John e sir Michael Caine, ambos com sentido de autocrítica.

Anunciante: NHS. Título: Audition. Reino Unido, fevereiro 2021.

Elton John participou no filme Tommy (1975), dos The Who, realizado por Ken Russell. Juntam-se duas extravagâncias: Elton John e Ken Russell. Segue um excerto do filme.

Elton John. Pinball Wizard. The Who. Tommy. Ken Russell. 1975.

No meio não está a virtude

M.C. Escher. Day and Night, 1938.

“Pertenço, porém, àquela espécie de homens que estão sempre na margem daquilo a que pertencem, nem veem só a multidão de que são, senão também os grandes espaços que há ao lado” (Fernando Pessoa. Livro do Desassossego).

“No meio é que está a virtude”. Frase cunhada e gasta. Demasiado óbvia para não ser oca. No meio não está a virtude. Talvez de um lado, ou do outro. Quem está em ambos os lados é incerto, impuro, “traidor” (André Gorz, Le Traître, Paris: Seuil, 1958). Não é digno de confiança.

O meio pode aspirar a centro de confluências. As forças revêem-se e reforçam-se, aproximando-se e afastando-se. Creio ser esta a inspiração do anúncio The Middle, da Jeep: encontrar um centro conciliador dos Estados-Unidos. Mas o centro é uma miragem que muda, inconstante, de lugar. O mundo é “uma esfera infinita cujo centro se encontra em toda parte e cuja circunferência não se acha em nenhuma” (Blaise Pascal, Pensamentos, Fragmento 72).

Marca: Jeep – The Middle Super Bowl LV Ad ft. Bruce Springsteen. Agência: Doner. Thom Zimny. Estados-Unidos, fevereiro 2021.

Daqui ninguém nos tira

Fridays Future climate change protest Lausanne. 2019.

“Fugir para Marte ou salvar a Terra?”. Esta é a mensagem de um cartaz de uma manifestação em Lausanne em 2019. É também o tema do anúncio 1%, de Fridays For Future, um movimento global fundado por Greta Thunberg. Um anúncio irónico. Marte é promessa de um recomeço, para os pioneiros, mas a Terra ainda não chegou ao fim, para os resilientes. A canção Space Oddity, de David Bowie, tem uma pegada espacial: acompanhou reportagens dedicadas a momentos marcantes de viagens espaciais. A canção Life on Mars, apesar do título, não vem muito a propósito.

Anunciante: Fridays For Future. Título: 1%. Agência: FRED & FARID Los Angeles. Estados-Unidos, fevereiro 2021.
David Bowie. Space Oddity. David Bowie. 1969.
David Bowie. Life on Mars. Hunky Dory. 1971.

Beijos

O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável (Fernando Namora).

Gustav Klimt. Girlfriends. 1916-1917.

O título do anúncio da Nettflix é L’Amour. C’est Tout. O amor é tudo, para todos, sem apropriação, nem discriminação positiva ou negativa. Não é? A canção La Vie en Rose é uma escolha acertada.

Marca: Nettflix. L’amour c’est tout. França, fevereiro 2021.

O medo e o racismo

É difícil discorrer sobre o racismo sem incorrer em contradições.  René Gallissot fala de Misère de l’Antiracisme (Paris, Editions de l’Arcantère, 1985). O anúncio Démasquons la Peur, da associação Licra, merece particular atenção. Em primeiro lugar, o morphing permite revelar a diversidade e a plasticidade humanas. Em segundo lugar, o recurso ao preto e branco propicia o esbatimento das cores e a acentuação dos contrastes. O discurso lembra uma árvore de palavras: alia a abrangência troncal à especificação dos ramos. O tópico do medo é matricial: “O racismo é o medo da diferença” (Franck Ntasamara).

Anunciante: Licra. Título: Démasquons la Peur. Agência: Publicis Conseil. Direção: Akim Laouar. França, fevereiro 2021.

A árvore dos limões

Peter, Paul e Mary cantam Blowin ‘in the Wind, de Bob Dylan, nos degraus do Lincoln Memorial, onde, no dia 28 de Agosto de 1963, Martin Luther King proferirá, pouco depois, o discurso “I Have a Dream”.

No artigo precedente, foi questão de limões. Peter, Paul & Mary compõem um trio norte-americano de sucesso nos anos sessenta. Três vozes distintas, um coro único. Cantam The Lemon Tree (1962). Acrescento 500 Hundred Miles (1962) e Blowin’ in the Wind (1963).

Peter, Paul & Mary. The Lemon Tree. Single. 1962.
Peter, Paul & Mary. 500 miles. Debut Album plus – Peter, Paul and Mary. 1962.
Peter, Paul & Mary. Blowin’ in the Wind. Moving (Original Album Plus Bonus Tracks). 1963.

As estrelas do confinamento

Tchaikovsky

Proliferam os peritos de nada e os sábios de tudo. Um deslumbramento. O carnaval da ignorância certificada. A medida de tudo e a relevância de nada, os novos candelabros da razão. Tudo merece uma martelada da notícia. Sem hesitação. Abundam os convidados, os entrevistados e os comunicadores nos estúdios ou à distância. São centenas os génios e milhares as asneiras. Repetidas, cada uma se oferece mais certeira que a outra. Tanta gente sábia e experiente. Sabem tudo, sabem tudo e não deixam nada. Sabem, de qualquer modo, mais do que os responsáveis, os idiotas dos bastidores. Como diria Goscinny, parecem aspirantes a vizires no lugar do vizir. Ver televisão ultrapassa as expectativas do público. Emerge uma nova geração de jornalistas. Perguntam imediatamente ao entrevistada quais são os problemas de uma dada iniciativa. Os objetivos, os recursos, as estratégias e os resultados são dispensáveis. A reflexividade jornalística também se tem adaptado. Numa entrevista, o jornalista faz as perguntas e dá as respostas, o entrevistado resume-se a uma mera mediação ou pretexto. Zelo profissional? Assim como não me oponho à figura do sociólogo engajado, também não me oponho à figura do jornalista que toma posição. Dispenso, no entanto, a exposição ao espetáculo mediático.

A televisão apresenta-se como um templo da modernidade. Temos direito à reivindicação e ao protesto. A televisão assume-se como uma plataforma ou uma alavanca de desejos e vontades. Sem eufemismos! Um cidadão ou uma categoria social, presumivelmente injustiçados, recorrem à televisão. Parte substantiva da programação inclui este peditório com laivos de egoísmo. Existe um plano de vacinação? Melhor não existisse. Nós devíamos ser os primeiros. Nós somos os prioritários. O egoísmo anda à solta. Não chegam os dedos das mãos para contar as categorias socias que defenderam estas correções. Lembram as corporações renascentistas!

Perdi, nos últimos meses, alguma mobilidade. Vejo bastante televisão. Com alguma estranheza. O jornalismo sempre teve a tentação de contar as notícias. Esta propensão exacerbou-se com a pandemia. As telenovelas representam uma fatia importante da oferta televisiva. A própria informação também está a adotar o formato da telenovela.

Nestes dias de confinamento, quase sempre que vejo televisão, o assunto é a pandemia: hospitais, médicos, enfermeiros, ambulâncias, doentes, mortos, vacina, estatísticas, previsões, entrevistas, testemunhos… Um canal de televisão quase monopolizado pela epidemia revela-se um excesso. É muito ecrã pandémico para uma população confinada e fustigada pela epidemia. Pois a televisão quase só mostra pandemia. É muita pandemia! Sei que existem teóricos que sustentam que a melhor forma de tratar a fobia de uma pessoa é submete-la sistematicamente a condições dessa fobia. Não creio que seja o caso do novo coronavírus nem da epidemia em palavras e imagens.

O mais avisado é ouvir música. O Tendências do Imaginário não contempla nenhuma obra de Tchaikovsky. Seguem dois excertos: do Piano Concerto No 1 e do Lago dos Cisnes.

Piotr Ilyich Tchaikovsky. Piano Concerto No. 1 / Alexis Weissenberg, piano; Herbert von Karajan, conductor. Berliner Philharmoniker. Recorded at the Berlin Philharmonie, April 1967.
Piotr Ilyich Tchaikovsky. Swan Lake (Theme). Israel Philharmonic orchestra. Tel Aviv. 2001.

A vertigem das listas

Leica. The Word Deserves Witnesses. 2021.

Listas! São famosos os inventários do poeta Jacques Prévert (em baixo: Inventaire, Paroles, 1946) e as listas intermináveis de François Rabelais (ver Gargântua, capítulo XIII). Na obra A vertigem das listas (2009), Umberto Eco releva o papel das listas ao longo da história. O anúncio The World Deserves Witnesses, da Leica, sobrepõe duas listas, uma de palavras, outra de fotografias, que, interligadas, testemunham os dois últimos séculos da história da humanidade: eventos, movimentos, sentimentos, ideias… Nem clássico, nem barroco, o anúncio The World Deserves Witness é, para além de uma peça de publicidade, uma obra estética, primorosa, inspirada, alucinante, criativa e inteligente.

Marca: Leica. Título: The World Deserves Wotnesses. Agência: TBWA Paris. Internacional, Janeiro 2021.

Inventaire
Jacques Prevert

Une pierre
deux maisons
trois ruines
quatres fossoyeurs
un jardin
des fleurs

un raton laveur

une douzaine d’huîtres un citron un pain
un rayon de soleil
une lame de fond
six musiciens
une porte avec son paillasson
un monsieur décoré de la légion d’honneur

un autre raton laveur

un sculpteur qui sculpte des napoléon
la fleur qu’on appelle souci
deux amoureux sur un grand lit
un receveur des contributions une chaise trois dindons
un ecclésiastique un furoncle
une guêpe
un rein flottant
une écurie de courses
un fils indigne deux frères dominicains trois sauterelles
un strapontin
deux filles de joie un oncle cyprien
une Mater dolorosa trois papas gâteau deux chèvres de
Monsieur Seguin
un talon Louis XV
un fauteuil Louis XVI
un buffet Henri II deux buffets Henri III trois buffets
Henri IV
un tiroir dépareillé
une pelote de ficelle deux épingles de sûreté un monsieur
âgé
une Victoire de samothrace un comptable deux aides-
comptables un homme du monde deux chirurgiens
trois végétariens
un cannibale
une expédition coloniale un cheval entier une demi-
pinte de bon sang une mouche tsé-tsé
un homard à l’américaine un jardin à la française
deux pommes à l’anglaise
un face-à-main un valet de pied un orphelin un poumon
d’acier
un jour de gloire
une semaine de bonté
un mois de marie
une année terrible
une minute de silence
une seconde d’inattention
et…

cinq ou six ratons laveurs

un petit garçon qui entre à l’école en pleurant
un petit garçon qui sort de l’école en riant
une fourmi
deux pierres à briquet
dix-sept éléphants un juge d’instruction en vacances
assis sur un pliant
un paysage avec beaucoup d’herbe verte dedans
une vache
un taureau
deux belles amours trois grandes orgues un veau
marengo
un soleil d’austerlitz
un siphon d’eau de Seltz
un vin blanc citron
un Petit Poucet un grand pardon un calvaire de pierre
une échelle de corde
deux sœoeurs latines trois dimensions douze apôtres mille
et une nuits trente-deux positions six parties du
monde cinq points cardinaux dix ans de bons et
loyaux services sept péchés capitaux deux doigts de
la main dix gouttes avant chaque repas trente jours
de prison dont quinze de cellule cinq minutes
d’entracte

et…
plusieurs ratons laveur


(Jacques Prévert, Paroles, 1946)

Um mandamento novo

Ikea. Frugal. 2020.

Não poluirás! “A sorte favorece o frugal”. Anúncios como este tangem o religioso. “A sorte é a forma laica do milagre” (Paul Guth).

“A nossa visão é criar um melhor dia a dia para a maioria das pessoas: para os clientes e também para os nossos colaboradores e as pessoas que trabalham nos nossos fornecedores. “Esta visão vai muito para além da decoração para a casa. Queremos que o nosso negócio tenha um impacto positivo no mundo, desde as comunidades onde obtemos os nossos materiais à forma como os nossos produtos ajudam os nossos clientes a viver uma vida em casa mais sustentável. Ao partilhar o que fazemos e ao defendermos aquilo em que acreditamos, podemos ser uma parte da mudança positiva na sociedade” (Ikea – Visão e Conceito: https://www.ikea.com/pt/pt/this-is-ikea/about-us/visao-e-conceito-de-negocio-pub9cd02291).

Marca. IKEA. Título: Fortune favours the frugal. Agência: Mother. Direção: Tom Kuntz. Reino Unido, Dezembro 2020.