Archive | Online RSS for this section

Imagens da música

Pandora. Sounds like you. 2017.Com uma dúzia de capas de discos faz-se um anúncio e escolhe-se música: The Rolling Stones, The Doors, The Cure, Nirvana… O anúncio Sounds like you foi dirigido por Michel Gondry para a Pandora. Acrescento o vídeo The Man Who Sold The World, na versão dos Nirvana. Quantas capas ficaram de fora neste anúncio? Por exemplo, a capa de The Man Who Sold The World (1970) de David Bowie.

Marca: Pandora. Título: Sounds like you. Direcção: Michel Gondry. USA, Maio 2017.

Nirvana. The Man Who Sold The World. MTV Unplugged. 1994.

Se eu morrer

ifidiefaceb.bsx

“Não há, aparentemente, representação, por estranha que seja, em que os homens não se apressem a acreditar com fervor, por pouco que os alivie do facto de saberem que um dia deixarão de existir, desde que lhes dê a esperança de uma forma qualquer de eternidade” Elias, Norbert (1988), La société des mourants, Paris, Christian Bourgois, p. 16-17).

Propus, recentemente, a noção de vida social do morto. Existem rituais de celebração e memória dos falecidos. Em alguns casos, até se comunica com o morto. Os anúncios da ifidie acenam com uma promessa de “vida para além da morte”. Ifidie é uma entidade, com página na Internet (http://ifidie.net/) e no Facebook (https://www.facebook.com/pg/IFiDieApp/about/?ref=page_internal), que disponibiliza uma aplicação que permite a criação de um vídeo ou de uma mensagem de texto que serão tornados públicos após a morte da pessoa. O vídeo ou a mensagem podem conter uma história de vida, um testemunho, a última vontade ou um segredo nunca antes partilhado. Graças a ifidie, a pessoa conquista um momento de protagonismo após a morte. É certo que esta proposta é vaga e vulgar, porventura um negócio suspeito. Mas não deixa de ser na banalidade que costuma brilhar o imaginário.

Marca: ifidie. Título: What you will leave behind. USA, Março 2011.

Marca: ifidie. Título: Your message after you die. USA, Dezembro 2011.

Marca: ifidie. Título: Your chance to world fame, after you die. USA, Agosto 2012.

Doador de energia

15-minute-history-is-a-history-podcast-from-ut-austin-joao-queremos-um

15 minute history is a history podcast from UT Austin. João, queremos um!

As grandes invenções têm efeitos secundários terríveis. Assim aconteceu com a máquina a vapor, assim acontece com o telemóvel (e outras ferramentas de comunicação afins). Perversidades! Não imagino o desconforto de ficar pendurado. Importa controlar e domesticar as máquinas. E recarregá-las! Não há máquinas eternas, nem absolutamente autónomas, nem contra todos os riscos. Para evitar o desespero do protagonista do anúncio The Percent Donor, o mais avisado é fazer a ligação em triplicado, com três telemóveis em simultâneo. Não é por nada, mas grão a grão enche o drama o papo. No caso vertente, o impacto na natalidade pode revelar-se funesto. Ainda bem que existem “doadores” para transfusão imediata de energia.

Marca: Huawei. Título: The percent donor. Agência: Buzzman France. Direcção: Benjamin Bouhana. França, Fevereiro 2017.

Corpo a corpo

levis-top

“Na guerra como no amor, só o corpo a corpo dá resultados” (Blaise de Monluc, 1501-1577).

Não conhecia a palavra “nomofobia”: medo ou angústia da privação da comunicação por celular ou por computador. Consta que esta “doença” não é rara nem meiga. Ainda jovem, era canónico criar as palavras compostas a partir de palavras antigas, normalmente gregas ou latinas. Atente-se, por exemplo, na palavra “nomotetia”. Remete para o estabelecimento de leis gerais; provém do grego; da palavra νόμος, lei, e do radical θη, postular, estabelecer (https://pt.wikipedia.org/wiki/Nomot%C3%A9tico). Na Sociologia, os estudos nomotéticos visam leis gerais e os estudos ideográficos incidem sobre casos. Na actualidade, as palavras tendem a ser geradas por colagem, ver bricolage, sem esmeros de etimologia. No artigo anterior, a palavra “Eatkarus” resulta da junção de “eat” (em inglês, comer) e Ikarus (figura mitológica). Nomofobia bebe nas mesmas águas. Nomofobia devia significar algo como medo da lei. Mas a palavra é uma geringonça que combina o inglês No-Mo (No-Mobile; sem telemóvel) e o grego fobos (φóβος). “É uma espécie de miscelânea”.

A dependência do celular é o mote do anúncio Sea of Blue, da Levi’s. A cor do filme não é arbitrária: « muito coerente na sua realização, o anúncio é banhado por uma luz azul, símbolo da ambivalência entre o real e o virtual: o azul da cor dos nossos ecrãs mas também do grande mergulho na vida, e, naturalmente, da ganga da marca” (http://www.culturepub.fr/levis-plonge-dans-la-vie-reelle/).

Junto à piscina, todos os convidados estão concentrados nos celulares. Todos? Menos dois jovens : um rapaz e uma rapariga. E o que começa com uma paródia da comunicação insular acaba num turbilhão carnal em “mar azul”. Agarra o momento, solta o corpo, excita a vida!

Marca: Levi’s. Título: Sea of Blue. Agência: FCB West. Direcção: Laurent Uchrin. USA, Fevereiro 2017.

Nanotecnologia do conhecimento

maxresdefault

Em França, nos anos setenta, a televisão passava um programa chamado “Histoires sans paroles”, dedicado a curtas-metragens mudas e cómicas. Não falhava uma! Aprecio coisas breves com impacto. Aflige-me a perspectiva de escrever um livro, que começa e acaba com a mesma ideia, abraçando uma a uma todas as páginas. Incomoda-me propor pastilhas elásticas a cérebros alheios. Escrever não é soprar balões! Ainda há quem acredite que os livros pequenos contêm ideias curtas e os livros enormes, grandes ideias. É um sonho escrever numa dezena de linhas um assunto que justificaria uma dúzia de páginas. Também nisso sou um tosco herdeiro de Pascal. Eis porque me entretenho com anúncios publicitários e artigos de blogue. Ambos minúsculos, mas densos. Uma nanotecnologia do conhecimento.

O anúncio Old friends, da Amazon, é de uma originalidade bem destilada. Lembra os Reis Magos: ajoelha-te, reza e oferece. Oferece ao outro aquilo que desejas para ti. Por exemplo, umas joelheiras. De preferência, ecuménicas como as multinacionais.

Marca: Amazon. Título: Old friends. Agência: Joint London. Reino Unido, Novembro 2016.

lorenzo-monaco-adoracao-dos-magos-1422

Lorenzo Monaco. Adoração dos magos. 1422.

Tendências do Imaginário referido no El País

Ontem, 29 de Dezembro, o jornal El País publicou a reportagem “Regreso a la morada de Néron”, assinada por Guillermo Altares. A propósito de Francisco de Holanda e das imagens da Domus Aurea, o texto remete, incluindo o link, para o blogue Tendências do Imaginário (artigo Domus Aurea: o sonho enterrado). Por virtude deste pormenor, o blogue Tendências do Imaginário ficou com febre. Ontem, somou 14 411 visualizações; hoje, vai em 17 175, quando a média ronda as 400 visualizações. O maior afluxo provém de Espanha. Mas há sobressaltos por todo o mundo hispânico: Argentina, México, Colômbia, Costa Rica… Trata-se de uma vaga: vem e vai; e o blogue retomará em breve as suas tranquilas 400 visualizações.

Para aceder à reportagem do jornal El País sobre o palácio de Nero, carregar na imagem ou no seguinte endereço http://elpais.com/elpais/2014/12/26/eps/1419609791_496058.html.

El País. Regreso a la morada de Nerón

Paixão pela burocracia. Crónica do ComUM.

Regresso às crónicas do ComUm. Para tentar perceber a razão e o porquê deste mundo que nos oprime sem porquê e sem razão. Para aceder, carregar na imagem.

ComUM Paixão pela Burocracia

 

A bolha

Na qualidade de cronista do jornal online Comum, escrevi, demasiado expeditamente, reconheço-o, este pequeno artigo que se pretende bem humorado: ComUM: a bolha.

Enquanto escrevia “a bolha”, ocorreu-me, talvez influenciado pela morte de Steve Jobs, o clássico anúncio comemorativo da Apple (1984-2004):

Marca: Apple. Título: 1984 (2004). Agência: Tbwa. EUA, Janeiro 2004.