Arquivo | grotesco RSS for this section

Um colar de corações. A cadeia da generosidade

Chegou o trenó com os primeiros anúncios de Natal. Carregado de generosidade. Ano após ano, a John Lewis faz questão de publicar um anúncio de Natal memorável. Este ano, optou por uma corrente do bem. Pequena boa ação a pequena boa ação, o mundo respira. O anúncio reparte-se por nove episódios, conectados por corações, cada um com um estilo específico de animação. Vou enviar este anúncio aos reis magos.

La agencia y la marca han apostado por distintos estilos de animación con la intención de ilustrar actos de bondad cotidianos de diferentes maneras. Las viñetas abarcan formas de arte que van desde la animación con plastilina y stop motion hasta el CGI (Computer Generated Imagery) y fueron creadas por diferentes artistas, como Chris Hopewell, responsable de videos musicales para Radiohead y Franz Ferdinand, y el animador francés Sylvain Chomet, entre otros.
Del mismo modo, y por primera vez en la historia de la publicidad navideña de John Lewis, la banda sonora es una canción original en lugar de una versión. La cantante de soul británica y ganadora del premio Brit, Celeste, ha escrito y compuesto el tema, llamado A Little Love (https://www.adlatina.com/publicidad/nuevo:-adam-eve-ddb-y-john-lewis-muestran-que-con-peque%C3%B1os-actos-de-amor-se-puede-hacer-del-mundo-un-lugar-mejor).

Marca: John Lewis + Waitrose. Título: Give a little love. Agência: Adam & Eve DDB (London). Direcção: Oscar Hudson. Reino Unido, Novembro 2020.

Jornalismo zombie

Canal Q. Perto de si. 2018.

Sempre desconfiei da televisão e da Internet por cabo. No solo, existem raízes, minhocas, água e labaredas infernais. Notícias e imagens, não! Com estas novidades, desencovam-se jornalistas zombies, como sucede no anúncio The Zombie, da dinamarquesa TV2 (2020). Os portugueses descobriram o caminho marítimo para a Índia. Pois também descobriram, antes dos dinamarqueses, a figura do jornalista zombie. Atente-se na curta-metragem da Agência Q: Perto de Si, a série sobre jornalistas zombies | Inferno (2018).

Marca: TVE 2. Título: The Zombie. Dinamarca, Outubro 2020.
Agência Q: Perto de Si, a série sobre jornalistas zombies | Inferno T8 Ep.35. Portugal, 2018.

Ninguém é normal.

01. Nobody is normal. 2020.

A normalidade não existe. Apenas desvios à norma. Na literatura, abundam figuras de monstros que são bons e de bons que são monstros. Por exemplo, a Bela e o Monstro, de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve (1745), Quasímodo, de Victor Hugo (1831) ou Dorian Gray, de Oscar Wilde (1890). No anúncio Nobody is normal, da britânica Childline  –  NSPCC (Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças), todos são anormais por dentro e por fora.

02 Fonte de Diana de Éfeso. Tivoli. Villa d’Este

A metamorfose da figura feminina galardoada (ver figura 1) lembra, os justos que me perdoem, uma deusa grega, Ártemis, ou romana, Diana, na versão dita de Éfeso. “Bolsas” cobrem-lhe o peito (ver figuras 2 a 7). Há entendidos que alvitram seios, outros ovos ou testículos de touro. Sempre atributos de fertilidade, apanágio da “mãe natureza”. Entre as imagens de Ártemis de Éfeso, retenho a escultura no jardim da Villa D’Este, um colossal palácio maneirista construído no século XVI, em Tivoli, perto de Roma. As fontes de Villa d’Este são famosas (figuras 8 a 17). Os jatos de água provenientes das “bolsas” de Diana de Éfeso não enganam. Parecem seios, uma abundância de seios! Estes esguichos não são de ovos, nem de testículos de touro. Acode-me, que os justíssimos me perdoem, a lactação de São Bernardo (ver https://tendimag.com/2012/10/26/um-abraco-a-divindade-sao-bernardo-de-claraval/).

Anunciante: Nspcc. Título: Nobody is normal. Agência: The Gate. Direcção: Catherine Prowse. Reino Unido, Novembro 2020.

Galeria de imagens 1: Esculturas de Ártemis/Diana de Éfeso.

Galeria de imagens 2: Fontes da Villa d’Este, em Tivoli.

O nariz da discórdia

Cleópatra de Berlim, busto romano de Cleópatra, c. século I a.C. Museu Antigo, na Alemanha.

A gaffe é o centro do anúncio Plastic Surgery, da Scotch Brite. Uma gaffe abismal, maior do que o nariz de Cleópatra. A lançar foguetes e a apanhar as canas, a gente espeta-se. Desmancha-se. Desliza a cara para o fundo das costas.

Marca: Scotch-Brite. Título: Plastic Surgery. Agência: Grey (Argentina). Argentina, 2007.

Sem máscara

Máscara Reutilizável personalizada.

No meu tempo de criança, os livros eram raros. Circulavam de casa em casa. Os crimes do Máscara Negra era um livro, em vários volumes, de grande sucesso (Richmont, Oscar. 1926. Lisboa: Typ. Henrique Torres). Trazia a aldeia aterrorizada. Era costume ler-se pela noite dentro. Uma amiga da família vivia numa casa em que as escadas do interior tinham um alçapão entre o primeiro e o segundo piso. A leitura dos crimes do Máscara Negra assustou-a de tal modo que, em fuga, deu com a cabeça no alçapão.

O anúncio norte-americano You’re Freaking us out, da One Medical, é uma paródia dos filmes de terror. A ameaça não é, agora, o Máscara Negra mas a Desmascarada.

Marca: One Medical. Título: You’re Freaking us out. Agência: Goodby Silverstein & Partners and barrettSF. Direcção: Jeff goodby & jamie Barrett. Estados-Unidos, Outubro 2020.

Terror na horta. O gato e os pepinos

Está fraca, este ano, a colheita de anúncios Halloween. Já os diospiros… Talvez não seja o o melhor momento para agitar o espantalho da morte. O anúncio Scaredy Cat, da Mars Temptations, é uma paródia. Um gato solitário persegue, impávido, uma bola de lã numa casa assombrada. O pior está para vir: os pepinos. Um anúncio com uma excelente animação.

Marca; Mars Temptations. Título: Scared Cat. Agência: adam&eveDDB London. Reino Unido, Outubro 2020.

Música divertida

Klaus Nomi

Caiu-me no sapatinho eletrónico o anúncio Opera, da Amazon. À primeira vista, a ópera é rebaixada por um indivíduo deitado rente ao chão em trajes menores que a estima enfadonha. Não rebaixa quem quer! Mas o certo é que o maestro, a orquestra e a cantora mudam o repertório. Para benefício do intérprete seguinte, Klaus Nomi? Na realidade, Klaus Nomi mais do que “divertido” é humano, demasiado humano. As trocas de música destinam-se a enaltecer um novo produto sonoro: o Alexa. Segue o anúncio, mais a canção de Klaus Nomi.

Marca: Amazon / Alexa. Título: Opera. Agência: Droga 5 London. Direcção: Andreas Nilsson. Reino Unido, Outubro 2020.
Klaus Nomi. I Feel Love (Cover de Donna Summer). Klaus Nomi – In Concert. 1986.

Tangerine Dream

Tangerine Dream. Atem. 1973.

Ouvir os Kraftwerk  trouxe-me à memória os Tangerine Dream, bandas alemães fundadas, respetivamente, em 1970 e 1967. Os Tangerine Dream remetem, também, para o Krautrock e para o rock psicadélico estilo Pink Floyd. Têm músicas mais amigáveis e mais “estratosféricas” do que Wahn (1973), mas Wahn, estranha, lembra as óperas de Stockhausen. O que é critério.

Tangerine Dream. Wahn. Atem. 1973.

Os Punk e as aulas não presenciais

The Offspring

Este semestre dou aulas por teleconferência. Sou uma imagem digital. Os alunos moram algures do outro lado do ecrã. Não ligam as câmaras. Televisão versus rádio. É este o retorno. A participação dos alunos é mínima. Exceto no intervalo. Digo disparates e eles verdades. Recomeçada a aula, arrefece a comunicação. Para a próxima, a aula vai ser toda um intervalo.

Hoje, durante a aula, abordámos o imaginário grotesco. Deu-se o exemplo dos punk. Lembrei-me da banda The Offspring. Seguem três vídeos. O segundo é um caso sério de grotesco.

The Offspring. Self Esteem. Ao vivo em 1998. Álbum Smash. 1994.
The Offspring. The Kids Aren’t Alright. Americana. 1998.
The Offspring. You’re Gonna Go Far, Kid. Rise and Fall, Rage and Grace. 2008.

Lembrete. O efeito Frankenstein.

Publicidade antitabaco.

Na embalagem de cigarros, uma imagem deveras feia: uma perna com cortes e suturas (ver, no mosaico, a imagem em baixo à direita). Quem, por coincidência, aguarde cirurgia à perna, não por obstrução das artérias mas por uma veia alargada, deve agradecer esta simpatia ou lembrete de Estado. Não há nada como a propaganda de massas a exalar falta de decoro. Quando o bem se diz com choque é chocante. É terrível e histórica a tentação de pregar o bem com o mau.

Serge Gainsbourg com Catherine Deneuve. Dieu fumeur de havanês. Single. 1980.