Archive | Dezembro 2020

Era uma vez o slow

Aphrodite’s Child. End of the World. End of the World. 1968. Ao vivo em 1968.

A escrita é da ordem do desejo. Sensual e dialógica. A escrita pode, inclusivamente, resgatar as cinzas do prazer. A banda grega Aphrodite’s Child obteve um sucesso apreciável nos anos sessenta e setenta. Era composta por três elementos, dois célebres: Vangelis, teclas, e Demis Roussos, voz e baixo. A interpretação ao vivo de End of the World, em 1968, revela a febre do slow, dança de contato contraposta ao desprendido shake. A dança é um fenómeno cultural. Nos anos setenta, predominavam os bailes nas caves, nos ginásios e nos recintos das festas. Eram animados por grupos musicais. Quando iniciava uma música propícia ao slow, as pessoas afluíam à “pista de dança”. Volvida uma década, nos anos oitenta, predominam as discotecas. Quando abre uma série de músicas lentas, as pessoas abandonam a pista para conversar e beber. De ostensiva, a dança de slow tornou-se discreta. Mas não desapareceu. Atente-se na dança, em 2018, entre a atriz e apresentadora Filomena Cautela e o primeiro ministro António Costa. O slow parece mais difícil de dançar do que “antigamente”. A sintonia e o contato dos corpos asseveram-se complicados e intermitentes.

Filomena Cautela dança um slow com António Costa. 5 Para a Meia-Noite | RTP. Julho 2018.

O medo e a culpa. Covid-19

SNS 24. Não deixes o vírus entrar, usa máscara sempre que possível. Dezembro 2020.

“Jouer sur la peur c’est décrédibiliser toute information “ (Lecorps, Philippe, L’éducation par la peur, une campagne anti-tabac. Santé Publique 2002/3, Vol. 14, p. 285).

A educação pelo medo e pela culpa tem um lastro histórico imenso. A eficiência é, no entanto, duvidosa, mesmo nas sociedades medonhas dos regimes totalitários. O medo e a culpa convocam mais a emoção do que a razão. Nestes termos, a reação corre o risco de ser irracional e imprevisível. Na fase atual da pandemia, multiplicam-se anúncios que lembram a campanha antitabaco: imagens duras, pautadas pela aflição e pela contrição. Incomodam-me duas eventualidades: De tanto recorrer à imagem do mal, não o banalizamos? O que significa assustar uma comunidade assustada? Faço votos que as campanhas de prevenção da Covid-19 colham mais sucesso do que a campanha antitabaco. Selecionei, entre os menos chocantes, sete anúncios: dois portugueses e cinco espanhóis (vídeos 3, 4 e 5). Pensamento obtuso não tem conserto. Lamento!

Anunciante: SNS/DGS. Título: Cabe a cada um de nós fazê-lo parar. Portugal, novembro 2020.
Anunciante: SNS/Portal do SNS. Título: COVID-19 | Não deixes o vírus entrar – Última ceia. Portugal, dezembro 2020.
Anunciante: Comunidad de Madrid. Título: ¡Protégete, protégenos! Espanha, agosto 2020.
Anunciante: Consejería de Sanidad del gobierno de las Canarias. Título: “Una simple reunión familiar puede traerte de regalo 40 días en coma o incluso la muerte”. Espanha, Julho 2020.
Anunciante: Comunidad de Madrid. Sequência com três anúncios.

Nelson Ned. “Cantigas do andarilho”

Nelson Ned. Tudo Passará. 1969.

Vadio, por vício. Mas não flaneur, à maneira dos intelectuais parisienses que oscilavam entre o Quartier Latin, Montmartre e Montparnasse. Desejo perder-me. Num mundo maior que o mundo, sinto-me um ninguém infinito. Demando a cave para desempoeirar o esquecimento. Cabeça torta, olhar desfocado e corpo desequilibrado, não espero acertar no paraíso, terreno ou celestial. Nem com a ajuda de um andarilho. O paraíso terreno está talhado para quem, lanço a lanço, sobe as escadas do tempo.

Nelson Ned, cantor e compositor brasileiro, media 90 cm. Foi o primeiro latino a ultrapassar o milhão de discos nos Estados Unidos. Canções como Tudo Passará e Domingo à Tarde são ecos da atmosfera sonora dos discos pedidos, das quermesses e dos altifalantes da minha juventude. São músicas que a idade canta. Pautas de felicidade.

Nelson Ned. Tudo Passará. Tudo Passará. 1969.
Nelson Ned. Domingo à tarde. Tudo Passará. 1969.

Peluches sem espinhos

Corey Wolfe. Mona Lisa como urso de peluche.

O Natal já passou. Vivam os Reis! Nesta ternura de anúncio da Butlins, o monstro é uma relva fofa, a bola uma flecha de Cupido e a música, Dust in the Wind em versão retocada, um regalo (Facebook, 27/12/2010).

Anunciante: Butlins. Título: Leaving. Agência: Mother London. Director: Nic & Sune. UK, Dez. 2010.

Agarrar o vento e sentar-se ao sol

Giulio Parigi. O espelho de Arquimedes. 1599-1600.

Cativar o sol e o vento é arte antiga. Arquimedes engenhou, durante o cerco romano a Siracusa, um espelho côncavo cujos raios solares incendiaram os barcos inimigos. O vento soprava nas velas romanas e o sol grego queimava os cascos.

O anúncio The Collectors, da Energy Upgrade California, propõe múltiplas formas, efetivas ou poéticas, de capturar o vento e o sol. Brilhante e original. Belas imagens, bom ritmo, boa música. Um oásis de prazer nas dunas da Internet! Sejam louvadas as energias eólica e solar!

Marca: Energy Update California. Título: The Collectors. Produção: The Corner Shop. Direção: Peter Thwaites. Estados-Unidos, novembro 2020.

Com os olhos na pele

Detail of a portrait of the Dominican Cardinal and renowned biblical scholar Hugh of Saint-Cher painted by Tommaso da Modena in 1352

O que é belo? O que é feio? Quem é belo? Quem é feio? Quem passa despercebido? Quando, onde, perante que público? A beleza já não é o que era? “A beleza está nos nossos olhos” (Oscar Wilde).

“Observe a face turva
O olhar tentado e atento
Se essas são marcas externas
Imagine as de dentro.”
(Elza Soares e Pitty, Na Pele, 2017)

Segue uma canção áspera, Na Pele, de Elza Soares e Pitty. Acrescento a apresentação de Elza Soares, “De que planeta veio Elza Soares”, no canal Sincopado: Música e História, por Felipe Tadeu Breier (13/12/2020), aluno do mestrado em Comunicação, Arte e Cultura, da Universidade do Minho.

Elza Soares e Pitty. Na Pele. Na Pele. 2017.
De que planeta veio Elza Soares, canal Sincopado: Música e História, por Felipe Tadeu Breier (13/12/2020).

Na Pele

Olhe dentro dos meus olhos

Olhe bem pra minha cara

Você vê que eu vivi muito

Você pensa que eu nem vi nada

Olhe bem pra essa curva

Do meu riso raso e roto

Veja essa boca muda

Disfarçando o desgosto

A vida tem sido água

Fazendo caminhos esguios

Se abrindo em veios e vales

Na pele leito de rio

A vida tem sido água

Fazendo caminhos esguios

Se abrindo em veios e vales

Na pele leito de rio

Contemple o desenho fundo

Dessas minhas jovens rugas

Conquistadas a duras penas

Entre aventuras e fugas

Observe a face turva

O olhar tentado e atento

Se essas são marcas externas

Imagine as de dentro

A vida tem sido água

Fazendo caminhos esguios

Se abrindo em veios e vales

Na pele leito de rio

Elza Soares e Pitty (2017).

Marie Laforêt

Marie Laforêt. 1974, France

Je ne m’écoute jamais. Là, j’ai été obligée de le faire pour effectuer le choix de mes chansons et ça été un vrai calvaire. De toute façon, je déteste me voir ou m’entendre (Interview Télé Star, 2005, « Marie Laforêt : Je déteste m’entendre chanter » , Propos recueillis par Fabrice Dupreuilh)

Tanta doçura, tanto laço, tanto amor. Abraça-se o tronco e sorve-se a seiva. As três canções que seguem não cantam o Natal, mas são melodiosas e sentimentais. São dos anos sessenta e setenta, canções de amor, procura e separação. Por Marie Laforêt, uma das meninas bonitas da canção francesa.

Marie Laforêt. Je voudrais tant que tu comprennes. 1966.
Marie Laforêt. Je suis folle de vous. Chansons à aimer. 1968.
Marie Laforêt. Viens Viens. 1973.

Bom Natal!

Georges De Latour. Adoration de bergers. 1645.

Petit Papa Noël (1946), de Tino Rossi, é uma das canções preferidas dos emigrantes portugueses em França nas décadas de 50 e 60. Bom Natal, todos os dias!

Tino Rossi. Petit Papa Noël. 1946.

As moscas e os pescoços de borracha

Geoge Grosz. O Eclipse do Sol. 1926.

Em convalescença, rendo-me ao apelo da televisão. Uma massagem à cabeça! Afigura-se-me que embarco num país de moscas, moscas que zumbem, pousam e remexem nos “assuntos”. Somos um país de moscas? Quero acreditar que não. Por um lado, Portugal não cabe no ecrã. Há muito País para além do ecrã. Por outro lado, a minha medicação pode provocar alucinações. O ecrã das moscas é, provavelmente, um delírio pessoal. Acresce que a leitura dos media requer literacia. No que respeita à televisão, faltam-me as skills necessárias. Sou incompetente em moscas e em televisão. Os pescoços de borracha (rubberneckers) são moscas especializadas em mapear a informação. Seguem duas músicas: Rubberneckin’, de Elvis Presley; e Rubbernecker, de Murray Head. Duas relíquias. As cirurgias têm efeitos insólitos. Uns ficam doridos, outros combalidos, outros mimados, eu torno-me bilioso. Uma mosca execrável que não despega do ecrã. Dêem-me um desconto.

Elvis Presley – Rubberneckin’ – From “Change Of Habit” – 1969.
Murray Head. Rubbernecker. Between Us. 1979.

A pandemia como comunicação

Covidman

No início da pandemia, o discurso político e a comunicação social quiseram-se parcimoniosos. Hoje, a situação é distinta. A informação manifesta-se inesgotável, redundante e, por vezes, delirante. Para além de contexto, a pandemia tornou-se pretexto para outros fins. No anúncio Kerstcadeau, da holandesa Kruidvat, uma criança incentiva o “Pai Natal” a utilizar máscara; por seu turno, o anúncio Covidman, da tailandesa Thai Health Promotion Foundation, alerta que a obsessão com a Covid-19 pode ofuscar a consciência de outros riscos, tais como os acidentes rodoviários.

Ontem, fui submetido a uma cirurgia. Habitualmente, não vejo televisão. Mas, agora, proporciona-se. Pasmo com tamanha sobre-excitação! A diversidade de assuntos foi de férias e não se sabe quando regressa. Neste momento, bastam dois: a violência no aeroporto e a pandemia. Quem comece de manhã e acabe à noite, fica a saber o mesmo, mais do mesmo. Tudo comentado até à náusea. Por especialistas de tudo e por especialistas de nada, mais os testemunhos que dizem o que já se sabe e os jornalistas que registam e veiculam o que também já se sabe. Estou com vontade de sair da convalescença.

Marca: Kruidvat. Título: Kerstcadeau. Produção: Holy Fools. Direção: Jelle de Jonge. Holanda, dezembro 2020.
Anunciante: Thai Health Promotion Foundation. Título: Covidman. Agência: BBDO (Bangkok). Direção: Suthisak Sucharittanonta. Tailândia, dezembro 2020.