Archive | Novembro 2011

Flamengo de ouro

Amanhã, 1 de Dezembro, estreia este anúncio natalício da marca catalã Freixenet. Requinte e bom gosto. A música, um flamengo eivado de tango, da autoria de Iván Llopis, foi composta expressa e exclusivamente para o anúncio. Com a bailarina e coreógrafa flamenga Sara Baras e o bailarino e coreógrafo José Carlos Martínez, director artístico da Companhia Nacional de Dança, de Espanha, assistimos, por entre as borbulhas de Freixenet,  a um diálogo de dois estilos de dança distintos.

Marca: Freixenet. Título: Christmas 2011. Agência: JWT, Barcelona. Direcção: Howard Greenhalgh. Espanha, Dezembro 2011.

A intermitência do prazer

Quando vemos um anúncio, acode-nos, por vezes, uma vaga e indistinta memória que resiste a apagar-se. Aconteceu-me com o anúncio da lingerie Passionata (Wolves) em que os lobos uivam perante um outdoor intermitente. Lembram-se? Na verdade, um anúncio, um pouco mais antigo, da McDonald’s já apelava ao mesmo princípio pendular do prazer e do desgosto. Uma delícia, melhor do que um hambúrguer.

Anunciante: McDonald’s /Olympic Games Sponsoship. Título: Smile. Agência: Leo Burnett. EUA, Abril 1996.

Sair da casca

No anúncio mais recente da Old Spice, o cavalo é substituído por uma super mota. Bem feito, o anúncio tem ritmo, metamorfoses, plasticidade identitária e uma representação enferrujada das relações de género. Mas não é completamente original. O anúncio Check out the  inside, da Unilever, publicado em 2007, também tem ritmo, metamorfoses, peles a estalar, plasticidade identitária e uma representação arrojada das relações de género. Mas, para além da mota e do género, são bastante diferentes.

Marca: Old Spice. Título: Motorcycle. Agência: Wedden+Kennedy. Direcção: Tom Kuntz. EUA, Novembro 2011.

Anunciante: Unilever. Título: Check out the inside. Agência: Baumann Ber Rivnay Saatchi&Saatchi. Direcção: Yariv Gaber. Israel, 2007.

A vaga digital

Estatísticas sobre o mundo digital num anúncio da Life Healthcare.

Anunciante: Life Healthcare. Título: Digital in Healthcare. Agência: Life Healthcare. Reino Unido, Novembro 2011.

Zelai por nós!

O anúncio com esta fotografia foi proibido no Reino Unido. Porquê? A própria ASA (Advertising Standards Authority) descarta a suposta postura suicida como motivo. A justificação é outra: “Because the ad showed Hailee Steinfeld, who was 14 years of age only when the photo was shot, in a potentially hazardous situation sitting on a railway track, we concluded the ad was irresponsible and in breach of the code in showing a child in a hazardous or dangerous situation.” Tudo se resume numa questão de segurança. Lógico: se é proibido caminhar pela via-férrea, também o é sentar-se! Ambas configuram uma “hazardous or dangerous situation”. A publicidade não deve dar maus exemplos!

Prada: Miu Miu. Hailee Steinfeld.

Esta proibição lembra o anúncio “Girl”, da Sure/Rexona (duvido que seja possível publicar o vídeo). A mesma ASA proibiu este anúncio em que três adolescentes dançavam no banco de trás de uma carrinha sem cinto de segurança. A jurisprudência é a mesma. Não se brinca nem com a ordem, nem com a segurança, sobretudo, quando estão em causa os nossos filhos. Censura ou zelo?

Em democracia, convém ter cuidado com o acto de proibir. Pode ser “hazardous or dangerous” para a liberdade de expressão e desarmar a nossa indignação face a actos tais como a queima ritual de livros e a vingança colectiva de caricaturas. O lápis que endireita as linhas tortas teima em continuar nas mãos do poder. Em nome da solidez, da segurança e da realidade. A contramão de Bauman, Beck e Baudrillard.

Marca: Rexona / Sure. Título: Girl. Agência: Mcconnells. Reino Unido, Junho 2008.

Sociologia da Cultura (programa)

Esboço do programa de Sociologia da Cultura para o Mestrado em Comunicação, Arte e Cultura.

Sociologia da Cultura MCAC 2011

A menina do bairro de lata de Paris está no Público

Gérald.Bloncourt. Dans un bidonville portuguais de la région parisienne

A menina do bairro de lata de Paris está no Público que lhe consagra um magnífico artigo de três páginas, no P2, assinado por Patrícia Carvalho com o título: “A menina da fotografia cresceu e chama-se Maria da Conceição Tina”. O endereço na internet, com acesso pago, é:

Público – A menina da fotografia cresceu e chama-se Maria da Conceição Tina.

Os acontecimentos tropeçam, às vezes, uns nos outros. Fui  o consultor científico das comemorações do “Cinquentenário da Emigração Portuguesa para França”, iniciadas no dia 19 de Novembro em Viana do Castelo, com encontro científico, cinema, leitura de poesia, inauguração de uma exposição com umas sessenta fotografias de Gérald Bloncourt (o fotógrafo da menina do bairro da lata de Paris) e edição do catálogo.

Programa do Cinquentenário da Emigração Portuguesa Para França. V. Castelo. 19 de Novembro de 2011

Vanessa Bruno: Day by night

O mundo está cheio de coisas estranhas. Tantas e tão estranhas que nos vamos habituando a elas. O que agora é estranho, logo já não o é. O que nasce estranho morre familiar. Estranho também anda o mundo da moda. Vanessa Bruno encomendou a Stéphanie di Gusto este vídeo para a colecção “Day by night – Fall 2011”. Com música a condizer, recomeça a eterna dança da delicadeza e da força, do claro e do escuro, do sonho e do abismo.

Arte na Publicidade: Bruno Aveillan

Bruno Aveillan possui um estilo inconfundível que expande a sensualidade até aos limites da estética e do erotismo. Um mestre do neobarroco. Do seu vasto portfólio, eis uma selecção, difícil e arbitrária, de três anúncios, obras primas da criação audiovisual contemporânea.

Anunciante: Nintendo / Game Boy Advance. Título: Symphony. Agência: Leo Burnett. Direcção: Bruno Aveillan. França, Maio 2002.

Marca: Magnum. Título: 5 senses. Agência: Mccann-Erickson. Direcção: Bruno Aveillan. Alemanha, Setembro 2006.

Anunciante: Gaz de France. Título: Dolce Vita. Agência: Australie. Direcção: Bruno Aveillan. França 2002.

Ataque às democracias

Um texto oportuno com escrita lúcida. Um desembaciador do olhar, cada vez mais encharcado pela precipitação tecnocrática.

Samuel Silva. Ataque às democracias. Comumonline.com