Archive | Fevereiro 2022

Imagens musicais na publicidade

Doritos & Cheetos. Push It. Estados-Unidos, fevereiro 2022.

Preparei, recentemente, uma comunicação sobre a música na publicidade. Um dos tópicos incide sobre os anúncios com bandas sonoras híbridas: a componente propriamente musical combina com outra decorrente de sons imanentes às imagens e à ação (ver A Alegria dos Sentidos). Os anúncios Push It, da Doritos & Cheetos, e Earth Odyssey, da Jeep, ilustram o que se entende por imagens musicais e bandas sonoras híbridas. No segmento automóvel, a Mercedes foi pioneira neste tipo de anúncios e a Honda tem sido useira e vezeira. Estes casos serão contemplados nos artigos seguintes.

Marca: Doritos & Cheetos. Título: Push It | Flamin’ Hot. Agência: Goodby Silverstein & Partners. Direção: Tom Kuntz. Estados-Unidos, fevereiro 2022.
Marca: Jeep. Título: Earth Odyssey. Agência: Highdive. Direção: Lance Acord. Estados-Unidos, fevereiro 2022.

Desmascarar o mérito

René Magritte. O falso espelho. Paris. 1929.

Muita autoconfiança deve ter uma marca para ousar anunciar que os seus produtos são dispensáveis, ver desejavelmente dispensáveis. A identificação com a marca L’Oréal é induzida pela identificação com a atriz Kate Winslet, com o seu gesto e o seu discurso? Uma aura de autenticidade por contágio? Merecemos…

Marca: L’Oréal Paris. Título: Lessons of worth with Kate Winslet. Agência: McCann (Paris). Internacional, fevereiro 2022.

Ainda quero acreditar

Georges Bizet.

“Ouvi um sonho” / “Ainda creio ouvir sob as palmeiras a sua voz terna e sonora como uma canção de pombos” (Georges Bizet).

Segue uma versão instrumental da ária Je Crois Entendre Encore, da ópera Les pecheurs de perles (1863), de Georges Bizet. Para três versões interpretadas por Allison Moyet, Plácido Domingo e David Gilmour, ver Ouvir Mais Uma Vez (https://tendimag.com/2021/11/29/ouvir-mais-uma-vez/).

Georges Bizet. Je Crois Entendre Encore, da ópera Les pecheurs de perles, 1863. Interpretação: New York Philharmonic Orchestra. Direção: André Kostelanetz. 1960.

Montéquios e Capuletos

Sergei Prokofiev.

Sergei Prokofiev nasceu em 1891 na Ucrânia e faleceu em 1953 na Rússia. Segue o excerto Montéquios e Capuletos, do bailado Romeu e Julieta, Op. 64, estreado em 1940.

Sergei Prokovfiev. Romeu e Julieta. Bailado. Op. 64. Montéquios e Capuletos. Pela The Emory Youth Symphony Orchestra, 2010.

Virtualidades do menos bom

E quando o menos bom resulta em mais bom… Eis uma equação que palpita nas cabeças pensantes. Neste sentido, costuma dizer-se que existem males que vêm por bem. Neste anúncio japonês da agência Dentsu, um comportamento brutesco quase universal é responsável por uma quase beleza universal. Mas subsistem exceções decisivas…

Marca: Creapills. Título: Ajinomoto Stadium (?) / The Pills of your Creativity. Agência: Dentsu. Japão, fevereiro 2022.

Capas negras

Por falar em Capas Negras (filme português de 1947): Amália Rodrigues e Alberto Ribeiro.

Amália Rodrigues. Não sei porque te foste embora. Capas negras. 1947.
Amália Rodrigues. Alma Triste. Capas negras. 1947.
Alberto Ribeiro. Coimbra. Capas negras. 1947.

Bandas sonoras: Stephen Warbeck

Já lhe aconteceu ver um filme para ouvir sobretudo a música? Porventura o Laranja Mecânica (de Stanley Kubrick, 1974) ou o português Capas Negras (de Armando de Miranda, 1947), com a Amália Rodrigues. E ver um filme para ouvir música e relaxar? Talvez O Rei e o Pássaro (de Paul Grimault, 1980), um regalo para o olhar e os ouvidos.

Stephen Warbeck


Stephen Warbeck, inglês, nascido em 1953, é um compositor de música para filmes e séries de televisão. Ganhou o óscar de Melhor Banda Sonora Original Musical ou Comédia, pelo filme A Paixão de Shakespeare (1998), bem como outros prémios: BAFTA, BMI, Cannes, European Film Awards, Ghent e Grammy. Compôs mais de trinta bandas sonoras para filmes e séries televisivas.

Stephen Warbeck. My Name is Charlotte Gray. Charlotte Gray OST. 2001.
Stephen Warbeck. La Neige. Yellowbird OST. 2015.
Stephen Warbeck. Pont Saint Michel. ADN. 2020.
Stephen Warbeck. Le parc. ADN. 2020.

Escutar Brasil

Quem visita, nem que seja online, o Brasil, regressa encantado com a música.

Vinicius de Moraes. Pela Luz dos Olhos Teus. 1960.
Antonio Carlos Jobim. Wave. Wave. 1967.

Cristo estrábico

01. Aleijadinho, Detalhe de Jesus – Carregamento da cruz 2. Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. 1796-1799. Congonhas do Campo.

Continuo perdido na procissão de imagens de Cristo que me tira do meu conforto. Uma autêntica peregrinação que me desvia para os lugares mais desencontrados. Por exemplo, o Brasil, menos pelo Cristo Redentor do Corcovado (figura 2) e mais pelo Cristo zarolho do  Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, esculpido por António Francisco Lisboa (1738-1814), o Aleijadinho (figura 1).

02. Cristo Redentor. Corcovado. Rio de Janeiro.

Trata-se de uma imagem particularmente notável e singular, porque comporta um misto de dois tipos de temas de Cristo: O Cristo Triunfante (Christus Triunfans) e o Cristo resignado (Chistus Patiens). O seu olho esquerdo fita em frente, fixo no infinito, ao jeito do Cristo triunfante, enquanto que o olho direito olha mais para baixo, tendendo a perder-se no solo, ao jeito das primeiras versões do Cristo resignado. Sobre esta combinação, e sobre o olhar de Cristo em geral, recomento o excelente artigo de Alexandre Ragazzi: “De olhos abertos, de olhos fechados: passado e presente da iconografia do Cristo crucificado”. MODOS. Revista de História da Arte. Campinas, v.4, n.2, p. 144-161, mai. 2020. Disponível em: https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/mod/article/view/4324).

03. Cristo Articulado. Meados do séc. XII até ao 1.º quartel do séc. XIII. Museu Grão Vasco. Viseu.

Asseveram-se raras as figuras ambivalentes de Cristo. Encontra-se uma polivalente em Portugal, no Museu Grão Vasco, em Viseu: um cristo articulado, datado de meados do séc. XII até ao 1.º quartel do séc. XIII (ver figura 3). “Esta escultura de madeira em tamanho natural (…) tem a particularidade de ser articulada no pescoço, braços – ombros, cotovelos e pulsos –, joelhos, quadril esquerdo e dois pés (…) Com esta configuração, a escultura pode ser adaptada tanto a uma configuração estática de um Cristo na Cruz , com os braços e pernas esticados, quanto a cabeça levantada e voltada para a frente ; e da Deposição da Cruz , bem como a Deposição na Tumba,outras iconografias igualmente poderosas no mobiliário litúrgico das igrejas da Península Ibérica, Itália, França e Alemanha, desde o século X, com especial incidência nos séculos XII e XIII, prosseguidas pelos séculos seguintes, até à Contra-Reforma em algumas regiões” (Carla Varela Fernandes: PATHOS  – os corpos de Cristo na Cruz. Retórica do Sofrimento na Escultura em Madeira Encontrada em Portugal, Séculos XII-XIV. Alguns exemplos. Revista RIHA 0078 | 28 de novembro de 2013. Disponível em: https://journals.ub.uni-heidelberg.de/index.php/rihajournal/article/view/69842/67265).

Seria muita distração visitar as imagens de Cristo no Brasil e não recordar a canção Jesus Cristo, do Roberto Carlos, editada em 1970.

Roberto Carlos. Jesus Cristo. Ana. 1970. Ao Vivo 23 de outubro de 2004, no Estádio do Pacaembu, São Paulo, 23 de outubro de 2004.

Ecologicamente urbano

Maxime Le Forestier, em 1972, ”como uma árvore na cidade”. Canção ao vivo, com letra.

Maxime Le Forestier. Comme un arbre dans la ville. 1972.