Archive | Julho 2015

30 anos: apontamentos datados

Cartoon by Stephff published in Il Sole-24 Ore.

Cartoon by Stephff published in Il Sole-24 Ore.

1983. Última grande crise económica antes da adesão à União Europeia. Recorreu-se à austeridade não diferenciada: não se tirou a estes para dar àqueles.
1986. Adesão à União Europeia. Nunca os fundos foram tão altos, nem os investimentos tamanhos.
2002. Adesão ao euro. Principal preocupação pública: como proceder à troca dos escudos por euros? O futuro? Entrar no “pelotão da frente” europeu, um barco, maior que o Titanic, já inclinado para um dos lados.
2007. Anúncio da crise do subprime, associada ao sector financeiro. Nalguns países a reacção chegou de avião, noutros de comboio. O desnorte espelhou-se na disparidade das políticas adoptadas.
2011. Assinatura do Memorando (de entendimento sobre as condicionalidades de política económica), consubstanciado na intervenção de resgate da Troika, apostada numa austeridade severa e diferenciada. Uma parte da população, a mais pobre, é castigada; a outra, dá sugestões! Um velho chavão político torna-se, enfim, realidade ostensiva: os pobres pagam a crise dos ricos. Nem as pragmáticas régias ousaram ir tão longe.

Anunciante: Ministerio de Economía.Título: Euro. Campña “Los García” / “La pregunta fatídica”. Agência: TBWA. Espanha, 2001.

Coca-cola: A garrafa, a guerra e o sexo

Shapeways. Printed Coca-cola Bottles. 2015.

Shapeways. Printed Coca-cola Bottles. 2015.

A garrafa de coca-cola, não há mais famosa o mundo! Pelo conteúdo, pelas formas e pelas proezas. Quem consegue suspender uma batalha de que é o pomo da discórdia? Só um jovem e uma garrafa (vídeo 1)! Quem diz guerra, diz sexo. Tanatos e Eros. A garrafa é tão sensual! As curvas alongam-se, de fragmento em fragmento. Um toque a vidro fresco com gotículas de excitação (vídeo 2). Não sei se é isto o sex appeal do inorgânico de que fala Mario Perniola, mas é o sex appeal de que eu falo. A coca-cola não é, porém, um caso isolado. Com o devido respeito, é um caso retardado. Em 1976, a erecção de uma garrafa de Perrier culmina num simulacro de orgasmo (https://tendimag.com/2011/10/19/a-mulher-o-homem-e-o-objecto/). Em 2004, a Megapack excede-se com um strip tease frutado (https://tendimag.com/2014/09/10/pornografia-alimentar/). O mundo é garrafal!

Marca: Coca-cola. Título: Battlefield. Agência: McCann China. China, Julho 2015.

Marca: Coca-cola, Título: Curves. Agência: Wieden+Kennedy. USA, Fevereiro 2015.

Pneus surrealistas

Tony Kaye

Tony Kaye

Acabar a avaliação justifica uma celebração. O Joel, aluno de Sociologia da Arte, da licenciatura em música, analisou o anúncio Tested for the Unexpected I (Dunlop, 1993) do realizador Tony Kaye, que dirigiu vários filmes, documentários e vídeos musicais (e.g., Red Hot Chili Peppers, Roger Waters, Johnny Cash). De anúncio para anúncio, vem à memória o Tested for the Unexpected II, para a mesma marca (1993). O primeiro, com música dos Velvet Underground (Venus in Furs), o segundo com música dos Doors (The End). Estes anúncios são insólitos, com uma invejável desenvoltura grotesca. Metamorfoses, figuras estranhas, contornos indefinidos, deformações, movimentos bruscos… Convocam o surrealismo, a pop art, o psicadelismo e outros movimentos artísticos. Este género de anúncio marcou os anos noventa. Atente-se nos anúncios Diablo, do Renault Clio (1998) e Ghosts (1997) e Vampires (1997), da Citroen: https://tendimag.com/2013/01/08/nos-limites/. Gosto de anúncios assim, sulfurosos. Je suis comme je suis, je plais à qui je plaît (Jacques Prévert).

Marca: Dunlop. Título: Tested for the Unexpected I. Agência: AMV. Direcção: Tony Kaye. UK, 1993.

Marca: Dunlop. Título: Tested for the Unexpected II. Agência: AMV BBDO. Direcção: Jason Harrington. USA, 1993.

A epifania do soutien

valisere-primeiro-sutia-a-gente-nunca-esquece-marca-reformulacaoVestir pela primeira vez um soutien é uma epifania, a passagem de menina a moça. É este o mote do anúncio “O primeiro Valisère a gente nunca esquece”. O anúncio, antigo, remonta a 1987. A banda sonora revela-se crucial: com o soutien, a música é outra. Uma valsa que a menina, agora moça, dança com o reflexo no espelho! Descobri este anúncio nos trabalhos práticos de Júlia e Vicente, ambos brasileiros, para a disciplina de Sociologia e Semiótica da Arte. O anúncio é uma maravilha! De uma sensibilidade e de uma sensualidade nobres. Obrigado.

Marca: Valisere. Título: O primeiro Valisère a gente nunca esquece. Agência: W/Brasil. Direcção: Washignto Oliveto. Brasil, 1987.

Sexo, poder e humor

James Pradier (1790-1852) l'oiseau tombé du nid.

James Pradier (1790-1852) l’oiseau tombé du nid.

Há quem acredite que os espelhos e as fotografias roubam almas. Os paparazzi são predadores de imagens, simulacros de relíquias humanas, para banquetes de idólatras. Um delírio canibal!

A revista lésbica alemã Straight acaba de lançar uma campanha, polémica, intitulada Paparazzi, que convoca a figura de Angela Merkel. A comunicação social tem os seus caprichos: uns são chamados à ousadia, outros à boa ventura do silêncio.

Gostava de fazer um painel apenas com fotografias com paparazzi. Com certeza, já existe. É tão difícil inventar num mundo onde tudo já está feito!

Marca: Straight. Título: Paparazzi Bett. Alemanha, Julho 2015.

Marca: Straight. Título: Paparazzi Fenster. Alemanha, Julho 2015.

É proibido proibir

Gerald Beauchemin. O Capuchinho Vermelho.

Gerald Beauchemin. O Capuchinho Vermelho.

“Segundo decisão do Tribunal da Relação de Évora, os portugueses não podem publicar fotos dos filhos nas redes sociais. O tribunal recorda que as redes sociais podem ser usadas por predadores sexuais” (http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/mercados/2015-07-21-E-proibido-publicar-fotos-de-criancas-em-redes-sociais-diz-Tribunal-de-Evora).

O lápis azul nunca nos abandonou. Apenas regressa a uma fase ostensiva.

A propósito da violação de mulheres, Kathleen Basile alerta para o risco de colocar “o ônus da prevenção nas possíveis vítimas, possivelmente obscurecendo a responsabilidade de seus autores e outros” (http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/afp/2015/06/10/estudo-aponta-sucesso-em-treinar-mulheres-para-prevenir-estupros.htm). Desvia-se o olhar e o juízo do agressor para a vítima. Uma sessão de tribunal pode concentrar-se em indícios tais como a maquilhagem, altura da saia, o recorte do decote ou a decisão de sair, logo de passar pela garagem do prédio, à meia-noite. A sombra de Eva.

Se tiverem um Capuchinho Vermelho não lhe peçam para levar a cesta à avó. Devia ser proibido. A boa acção pode ter péssimo resultado! Como lembra Perrault, os lobos andam à solta!

“MORALIDADE:

Vê-se aqui que crianças jovens, sobretudo moças belas, bem feitas e gentis, fazem muito mal em escutar todo o tipo de gente; e que não é coisa estranha que o lobo tantas delas coma. Digo o lobo, porque nem todos os lobos são do mesmo tipo. Há-os de um humor gracioso, subtis, sem fel e sem cólera, que — familiares, complacentes e doces — seguem as jovens até às suas casas, até mesmo aos seus quartos; mas ai! Quem não sabe que estes lobos delicodoces são de todos os lobos os mais perigosos” (Charles Perrault).

A ingenuidade e a sátira

David Vela

David Vela

A ingenuidade e a sátira passeiam, por vezes, juntas. Para o bem comum. Nas ilustrações de David Vela, ganha a ingenuidade, ganha a sátira, e ganha a vida. Nascido em Zaragoza em 1967, David Vela doutorou-se em Filologia Espanhola, na especialidade de “ilustração espanhola no primeiro terço do séc. XX”. As suas ilustrações têm granjeado inúmeros prémios, incluindo a menção honrosa no Porto Cartoon World Festival, em 2004, 2011 e 2012, e o segundo prémio no World Press Cartoon, em Lisboa, em 2012. Segue uma pequena selecção de ilustrações de David Vela.

Uma dor que não dorme

Para a Berta

David Vela. Fibromialgia.

David Vela. Fibromialgia.

A fibromialgia é uma doença associada a dores persistentes que desgastam a vida das pessoas. A passo de tartaruga, os organismos oficiais têm vindo a reconhecê-la. Espero que a ciência e a medicina, pejadas de sucessos, esbocem também alguns progressos ao nível desta doença tão carente de cuidado e acompanhamento. Não são rosas, Senhor! São espinhos…

Águas mortais

still_from_respect_the_water_breathe_film_660x315

Mais dois anúncios de sensibilização. Para não variar, chocantes. Educação pelo medo: diabolizar e exorcizar. Educação pelo exemplo: para determinados erros, a condenação é assustadora. Assim se pregou na Idade Media, na Contra-Reforma e noutras épocas a caminho do risco zero. Nestes anúncios, o medo é a pedra de toque, e o choque, a arma. “A educação pelo medo deforma a alma”. Não discordo de Coelho Neto (1864-1934), mas dá vontade de o retocar: A educação pelo medo é obra de almas deformadas.

Marca: RNLI. Título: The breathe test. Agência: Leo Burnett Change. Direcção: Tomas Mankovski. UK, Julho 2015.

Marca: RNLI. Título: Dangerously Unpredictable. Agência: Leo Burnett Change. Direcção: Tomas Mankovski. UK, Julho 2015.

O ovo, a cor e a emoção

David Vela. Picasso e Dalí pintando um ovo.

David Vela. Picasso e Dalí pintando um ovo.

O anúncio Feel More, da Samsung, versa sobre a associação entre cores e emoções. É um ovo de Colombo audiovisual.Como todos os ovos de Colombo, é fácil de entender, difícil de conceber e aparentemente simples de concretizar. Reconheça-se que, neste caso, nem a ideia nem a iluminação do rosto são óbvias. O anúncio é minimalista e repetitivo. Dá para pasmar, o que faz bem aos músculos.

Samsung. Cores e rosto

Marca: Samsung. Título: Feel More. Agência: Chi & Partners, Londo. Direcção: Aoife Mcardle. UK, Julho 2015.