Tag Archive | gravura

A Profilaxia da Luxúria (Para maiores de 18 anos)

07 Nude woman lying asleep on a bed. After Sebald Beham. 1553.

Nude woman lying asleep on a bed. After Sebald Beham. 1553.

Hans Sebald Beham (1500-1550) é um gravurista alemão. Com o irmão, Barthel Beham, e o primo, Georg Pencz, foi considerado herege, “pintor sem Deus”, e expulso, em 1525, da cidade de Nuremberga pelos luteranos. O motivo residia na sua simpatia por Thomas Müntzer, o discípulo mais indigesto de Martinho Lutero. Hans Sebald Beham volta a ser expulso da cidade, em 1528, acusado de plágio de um desenho inédito de Albrecht Dürer.

02 Hans Sebald Beham. Death and the Indecent Pair. 1529

02 Hans Sebald Beham. Death and the Indecent Pair. 1529

As gravuras de Hans Beham são ousadas em matéria de sexualidade. Mas a prática não era rara. Por exemplo, as ilustrações do Romance da Rosa ultrapassavam-nas em fantasia e evidência. Configuram um apelo a Sodoma e a Gomorra? Hans Sebald Beham era religioso, cristão temente de Deus. Gravou dezenas de imagens de santos. Não existiam ateus no tempo de François Rabelais (Lucien Febvre). Ainda menos entre os seguidores de Thomas Müntzer, “teólogo da revolução” (Ernst Bloch).

03 Hans Sebald Beham. Morte e Três Mulheres Nuas. 1540.

03 Hans Sebald Beham. Morte e Três Mulheres Nuas. 1540.

Estas imagens querem-se profilácticas. Não seduzem, esconjuram! Mostram o mal, para o evitar. Quanto mais chocantes, mais eficazes. Caso contrário, como explicar a profusão de diabos nas iluminuras medievais? A profilaxia pela imagem precedeu a catequese pela imagem. “Para maior glória de Deus”. Os desígnios do Senhor são insondáveis…

04 Hans Sebald Beham. O Bobo no Banho de Mulheres. 1541

04 Hans Sebald Beham. O Bobo no Banho de Mulheres. 1541

Nas gravuras de Hans Sebald Beham, o corpo nu não vale pelo nu mas pela carne pecadora, irredutível ao nu estético e depurado da antiguidade clássica e do renascimento italiano.

05 Hans Sebald Beham. Three women in the bath-house. 1548.

05 Hans Sebald Beham. Three women in the bath-house. 1548.

 

 

Fazer anos num único dia

Anónimo. Le cours de la vie de l'homme. Séc. XIX.

Anónimo. Le cours de la vie de l’homme. Séc. XIX.

Faço anos. Aproveito, nos intervalos da festa, para ruminar. Como um burro, naturalmente. Quem não faz anos? Até os mortos, sobretudo quando são célebres.

Para os pré-modernos, chegar aos trinta e cinco era uma bênção, que importava celebrar com uma acção de graças. E os pós-modernos, que festejam? Mais um passo rumo ao indizível? Hoje, o interesse do aniversário reside na sua comemoração.

Hans Baldung. Grien Die sieben Lebensalter des Weibes. 1544

Hans Baldung. Grien Die sieben Lebensalter des Weibes. 1544

A gravura anónima do séc. XIX arruma os anos por dezenas. Até aos trinta, tudo é aceleração e ascensão; aos cinquenta, tudo é curva e inflexão. Acena-se à juventude e abre-se a porta à velhice. É a hora de investir no envelhecimento activo e nas clínicas anti-ageing.

Estou empenado das costas. Mal me consigo mexer. Como diria Paul Watzlawick, o corpo fala. Inconveniente, não se cansa de lembrar a idade. É de bom-tom gostar daquilo que somos. O espelho, pelos vistos, partiu. Sem alternativa, não há como escolher o destino.

Os amigos têm-me mimado. Para além do razoável. A todos agradeço. Um abraço.

Arquitectura de Paisagem na Geometria Maneirista: Lorenz Stoer

Lorenz Stoer. Geometria et Perspectiva.

Lorenz Stoer. Geometria et Perspectiva.

Lorenz Stoer (c.1537-c.1621) nasceu em Nuremberga, mas fez carreira em Augsburgo. Parte da sua obra aproxima-o de Wenzel Jamnitzer (https://tendimag.com/2012/03/26/perspectivas-wenzel-jamnitzer-e-m-c-escher/).

“Tudo indica que os estudos académicos dedicados a Stoer se resumem a um par de textos datados de meados do século XX que o associam a dois ourives de Nuremberga – Hans Lencker [ver Figura 2] e Wenzel Jamnitzer- compondo um trio de artistas maneiristas interessados pelo desenho geométrico e pela perspectiva” (http://bibliodyssey.blogspot.pt/2009/09/geometric-landscape.html).

Hans Lencken. Perspectiva Literária. 1567.

Hans Lencken. Perspectiva Literária. 1567.

Uma série de gravuras de Lorenz Stoer foram compiladas na obra Geometria et Perspectiva, publicada em 1567, no mesmo ano que a Perspectiva Literaria, de Hans Lencker, e um ano antes da edição da Perspectiva Corporum Regularium, de Wenzel Jamnitzer. Três obras de “geometria fantástica”, todas publicadas em Nuremberga, com a diferença de um ano. É certo que Stoer desenvolveu uma técnica própria de desenhar poliedros, mas a sua originalidade radica, principalmente, nas gravuras de paisagens geométricas, com figuras minuciosa e caprichosamente dispostas, que antecipam várias práticas artísticas contemporâneas.

Hans Lencker. Schneckenhaus. Perspectiva Literaria (1567)

Hans Lencker. Schneckenhaus. Perspectiva Literaria (1567)

“A justaposição de figuras geométricas e cenários de ruínas traz à mente tanto Escher como Piranesi, um anacronismo tornado mais estranho e exacerbado pelas formas elaboradamente decorativas nos primeiros planos de algumas gravuras, que, como George Hart observou, poderiam passar por esculturas abstractas do séc. XX” (http://www.spamula.net/blog/2003/07/geometry_perspective.html).

É difícil percorrer a obra de Stoer sem convocar M. C. Escher (1898-1972), o surrealismo e, porventura, algumas correstes de arte contemporânea.

Jordi Savall. Ostinato. 2001

Greensleeves to a Ground, a música que acompanha o vídeo com as gravuras de Lorenz Stoer, é da autoria de um anónimo do séc. XVI. A interpretação, próxima do original e com instrumentos da época, é de Jordi Savall, com Hesperion XXI  (Ostinato, 2001).

Para melhorar a qualidade da visualização do vídeo Paisagens Geométricas, carregar em HD no ângulo superior direito.

Galeria com gravuras de Lorenz Stoer:

Jacques Callot: Danças de Rua

Se tivesse nascido a 30 de Junho, Jacques Callot (Nancy, 1592-1635) completaria hoje 420 anos. Desenhista e gravador francês, Callot é um dos expoentes da arte grotesca. Na sua obra, destacam-se as seguintes séries: Les Caprices (1617), Les Balli (1620-1622); Les Gobbi (os corcundas; 1620-1622); Les Gueux (os mendigos; 1622); e Les Grandes Misères de Guerre (1633). Acrescente-se a gravura Les Tentations de Saint-Antoine, de 1634. Duas destas séries (Caprichos e As Grandes Misérias da Guerra) antecipam em mais de 150 anos as séries homónimas de Francisco Goya: Los Caprichos (1799) e Los Desastres de la Guerra (1810-1820).

Comecemos, festivamente, com uma galeria dos Balli di Sfessania. Estas 24 gravuras lembram a Commedia dell Arte. Contemplam, aliás, algumas das suas figuras mais famosas. Na realidade, retratam artistas de rua envolvidos numa “sfessania”, dança napolitana marcada pela exuberância corporal, pela violência grotesca e pela obscenidade gestual e simbólica, sempre em ambiente de praça pública, com as pessoas a entregar-se à música, à dança, ao jogo, à luta e ao namoro.

Criaturas pantagruélicas 2

O interesse pelas personagens grotescas criadas por François Rabelais atravessou fronteiras. Atente-se nestas  gravuras alemãs do século XIX. Contanto coloridas, não se afastam do registo das gravuras de François Desprez (ver: https://tendimag.wordpress.com/wp-admin/post.php?post=2722&action=edit).

Fig 1. Atribuído a Rabelais. Denkmäler des Theatres VIII. Mappe Groteskkomödie und Stegreifstück. München R. Piper & Co., 0, Plate 15.Séc. XIX

Fig 2. Atribuído a Rabelais. Denkmäler des Theatres VIII. Mappe Groteskkomödie und Stegreifstück. München R. Piper & Co., 0, Plate 15.Séc. XIX

Perspetivas: Wenzel Jamnitzer e M.C. Escher

Nos últimos dias, estive absorto a preencher a minha autoavaliação heterodeterminada. Pagar a quota de uma associação científica ou profissional dá pontos. Manter um blogue não conta nada. Ainda bem! É o meu luxo.
Quando andava às voltas com o Christophe Jamnitzer (ver artigo Grotesco Maneirista: Christophe Jamnitzer) deparei com a obra do avô, Wenzel Jamnitzer (1507-1585), tão ou mais interessante do que a do neto. Ourives alemão do séc. XVI, foi um notável artista gráfico maneirista. No livro Perspectiva Corporum Regularium (1568), concebe formas geométricas que exploram as potencialidades da perspetiva. Vários contemporâneos, entre os quais Johannes Kepler, produziram desenhos similares. As gravuras de Jamnitzer lembram algumas obras de M.C. Escher (séc. XX). Ambos são artistas gráficos conceptuais, trabalham com formas geométricas, visam a ilusão do espaço e elegem a perspetiva como alvo privilegiado. Cotejar Jamnitzer e Escher é, assim, uma tentação. Mas só isso. Um mero divertimento. Jamnitzer apurou a perspetiva, Escher mostrou os seus limites. Jamnitzer construiu realidades complexas, Escher mundos impossíveis e paradoxais.

Albertino Gonçalves. Perspectivas: Wenzel Jamnitzer e M.C. Escher. Março 2012.

Francisco de Holanda. Gravuras

Francisco de Holanda (1517-1585), humanista, pintor, arquitecto e ensaísta, é uma das grandes figuras da história de Portugal. Com reputação europeia, discípulo de Miguel Ângelo, Francisco de Holanda foi pioneiro do maneirismo em Portugal. As imagens que seguem representam uma amostra das gravuras constantes no livro De Aetatibus Mundi Imagines (1543-1573), que pode ser visualizado no site da Biblioteca Digital Hispánica.

Grotesco maneirista: Christophe Jamnitzer

“Já no maneirismo, o mundo às avessas se manifesta com frequência na desorientação dos labirintos, de modo que, nesse ponto, o grotesco maneirista se aproxima do romântico, visto que se pauta pela confusão da perspectiva e falta de referência apresentados pelo olhar do indivíduo inserido em um mundo incerto, aberto ao hostil e cujos suportes parecem desmoronar” (Santos, Fabiano Rodrigo da Silva, Considerações sobre aspectos do grotesco na poesia de Bernardo Guimarães e Cruz e Sousa, São Paulo, Editora UNESP, 2009, p. 122).

O livro de gravuras (Neuw Grottessken Buch, 1610) do ourives alemão Christophe Jamnitzer (1563-1618) constitui um bom exemplo de grotesco maneirista. As linhas curvas desdobram-se instáveis, tensas, em movimento. A criatividade subjectiva exacerba-se numa artificialidade sofisticada. Os fenómenos mais desencontrados cruzam-se e abraçam-se, como ocorre no sonho e na loucura. E a ausência de enquadramento concorre para dispensar a perspectiva e suspender a gravidade.