O dever e o prazer

Colocar música no Tendências do Imaginário não lhe acrescenta valor. Mas gosto! Por prazer, faço disparates. A estupidez não é pecado; às vezes, é uma bênção. Colocar música não é, necessariamente, aliciante. Repetir dezenas de vezes a mesma música para escolher a melhor ligação é penitência. Mas é um tributo às músicas de grata memória. Ao valorizar um gosto, valoriza-se quem gosta. Dois princípios sobressaem na vida: o princípio do dever e o princípio do prazer. Acabei de participar numa reunião por videoconferência. Princípio do dever e da responsabilidade. Muita areia para crânios pequenos. Não me apetece analisar anúncios publicitários, obras de arte ou realidades sociais. Tão pouco me apetece vídeo conviver, colar lembretes no computador ou conceber aulas imateriais. Apetece-me pensar oblíquo e dizer disparates. Apetece-me ouvir música, música com garra. The Doors: End of the night; The end; e Riders on the storm. Prazer em águas turvas. Como sabe bem desconversar!

The Doors. End of the night. The Doors. 1967
The Doors. The End. The Doors. 1967.
The Doors. Riders on the storm. L.A. Woman. 1971.

Etiquetas:, ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: