Grotesco maneirista: Christophe Jamnitzer

“Já no maneirismo, o mundo às avessas se manifesta com frequência na desorientação dos labirintos, de modo que, nesse ponto, o grotesco maneirista se aproxima do romântico, visto que se pauta pela confusão da perspectiva e falta de referência apresentados pelo olhar do indivíduo inserido em um mundo incerto, aberto ao hostil e cujos suportes parecem desmoronar” (Santos, Fabiano Rodrigo da Silva, Considerações sobre aspectos do grotesco na poesia de Bernardo Guimarães e Cruz e Sousa, São Paulo, Editora UNESP, 2009, p. 122).

O livro de gravuras (Neuw Grottessken Buch, 1610) do ourives alemão Christophe Jamnitzer (1563-1618) constitui um bom exemplo de grotesco maneirista. As linhas curvas desdobram-se instáveis, tensas, em movimento. A criatividade subjectiva exacerba-se numa artificialidade sofisticada. Os fenómenos mais desencontrados cruzam-se e abraçam-se, como ocorre no sonho e na loucura. E a ausência de enquadramento concorre para dispensar a perspectiva e suspender a gravidade.

Etiquetas:, , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

<span>%d</span> bloggers like this: