Tag Archive | híbrido

Casal perfeito

A Hornbach, empresa alemã de ferramentas, tem publicado anúncios magníficos. Delírio puro! No Every project brings you closer, um homem apega-se a uma serra, uma parceira fiel, temperamental e de rara beleza. O namoro culmina em matrimónio. Prevêem-se muitos serrotes. Este caso de amor não é único. Um segundo homem enamora-se por um cepilho. E eu, pelo cinzeiro! Três casais híbridos perfeitos.

Marca: Hornbach. Título: Every project brings you closer. Agência: Heimat, Berlin. Direcção: Pep Bosch. Alemanha, Outubro 2019.

O charme da disforia

Xbox. Birth of a spartan. 2010.

O anúncio Birth Of A Spartan, para o Halo: Reach, da Xbox, mergulha-nos no mundo da ficção científica. Pouco agradável, provoca emoções fortes. Familiariza-nos com o estranho, com a hibridez. Familiariza-nos com nós próprios, cada vez mais híbridos, cada vez mais estranhos.

Exército com 8 000 guerreiros perto de Xi'an na China. Séc. III aC.

Exército com 8 000 guerreiros perto de Xi’an na China. Séc. III aC.

O anúncio lembra os guerreiros de terracota desenterrados na China em 1974: um exército, datado do século III aC, com 8.000 soldados, 130 carruagens com cavalos e 150 cavalos de cavalaria. O espartano do anúncio tem um corpo humano mas comporta-se como um robot. Cada um dos 8 000 soldados de Xi’an tem cara própria. Não parece, no entanto, ter vontade própria. Este anúncio é de 2010, onde nos pretendia levar Noam Murro, o realizador? Aos nossos recalcamentos? Aos nossos fantasmas?

Marca: Halo: Reach / Xbox. Título: Birth of a Spartan. Agência: TwofifteenMcann San Francisco. Direcção: Noam Murro. USA, 2010.

Repetição

likewater

Ao arrepio das águas de Heráclito, podemos banhar-nos duas vezes no mesmo rio. Acontece repetir-me, não no absoluto, mas no relativo em que vivo. Na verdade, mesmo quando me repito, inovo. Volvidos seis anos, repesco este anúncio, logo repito. Mas não o vejo com os mesmos olhos. Entretanto fiquei pitosga. O mundo e o anúncio perderam luz e contraste. Perderam brilho e tornaram-se mais macios. Para compensar, a qualidade do vídeo é superior. Em suma, repito-me sem me repetir. O comentário, por preguiça, permanece o mesmo:

“Os anúncios de festivais de filmes costumam ser bons. Este não destoa. Fragmentos, metal, carne, metamorfose… E uma excelente sincronia entre a música e a imagem. A música esculpe e a imagem dança”.

Anunciante: Bitfilm Festival Bitfilm Festival 2007 (Lotus Trailer). Agência: Sehsucht. Alemanha, Agosto 2007.

Pinguins

J.J. Grandeville. Course de Clocher Conjugal, D'Un Autre Monde. 1844.

J.J. Grandeville. Course de Clocher Conjugal, D’Un Autre Monde. 1844.

O artigo precedente associa os desenhos de Grandville às capas dos discos dos Queen. Apetece-me fabular uma ponte entre os desenhos de Grandville e as capas dos discos dos Penguin Cafe Orchestra. O híbrido de Grandville que passeia, em 1844, na praça da Concorde em Paris parece migrar para as capas dos discos dos Penguin Cafe Orchestra. Têm um certo ar de parentesco.

Estas linhas são uma brincadeira, uma “drôlerie”. Um abuso da atenção apressada. Para remissão, acrescento uma música dos Penguin: Perpetuum Mobile, do álbum Signs of Life (1987).

Penguin Cafe Orchestra. Perpetuum Mobile, Signs of Life. 1987.

 

A esfinge digital

MTV 2

 “MTV – now on your television, on your phone, on your computer, even on the chip in your brain. MTV is the marriage of the biological and the digital, a perfect combination of soundwaves, particles and lust. It is mooniest compressed into a signal for terrestrial and extra terrestrial consumption. A machine is exact. An animal is flexible. MTV is not one or the other. It is both and it makes me want to dance. You are a series of electrical impulses in a meat sack. MTV is a series of letters that used to stand for words. In the future, we don’t use the word ‘future,’ and MTV isn’t not the future. Because knows what gravity is but everyone knows that dancing is fun…”

Estreado durante o evento 2015 MTV Video Music Awards, “Tagline Here” é um meta-anúncio surrealista, que tacteia sem encontrar. Trata-se de uma montagem que alinha, sem sentido nem razão, 35 excertos de filmes. As sequências desenrolam-se sem se cruzar. Não há consolidação. A esboçar-se alguma identidade, ela será flexível e transitória, como uma esfinge híbrida que dança, sem se cansar, por entre espaços e tempos, ondas, audiências, mapas e calendários.

Marca: MTV. Título: Tagline Here. Agência: Ghost Robot. Direcção: Benjamin Dickinson. USA, setembro 2015.

Infinitamente nada

O argentino Guillerme Mordillo, “catedrático honorário do humor” pela universidade espanhola de Alcalá de Henares, é um cartoonista que se distingue pelos desenhos coloridos sem sombra de palavra. O seu humor terno está bem patente nestas duas imagens.

Guillermo Mordillo. Perfect.

Guillermo Mordillo. Perfect.

O elefante e a girafa dão à luz um híbrido desconsolado. Bauman diria que é fruto da liquidez das fronteiras. Ser funâmbulo no arco-íris não é para todos. É só para quem perde a razão, para “quem vê com o coração”. Os amantes são os principezinhos da pós-modernidade. Como diria Pascal, somos infinitamente pequenos pelas nossas capacidades, mas infinitamente grandes pelos nossos desejos. Não somos geómetras com a flecha apontada ao sonho. Não “inventámos a felicidade” (Max Weber), namorámo-la.

Guillermo Mordillo Over The Rainbow.

Guillermo Mordillo Over The Rainbow.

Imaginação e irreverência

1. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 1. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 2. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 2. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Nas margens dos livros medievais existem imagens de uma criatividade e de um atrevimento extremos. No fólio 18v do manuscrito Voeux du Paon (figuras 1 e 2), concluído cerca de 1350, “na margem esquerda, um animal híbrido, com cabeça humana coroada e corpo de serpente, toca gaita-de-foles com o ânus. Um animal híbrido, com cabeça humana, equilibra uma espada com a face” (Pierpont Morgan Library). O tema da gaita-de-foles é várias vezes retomado ao longo do livro.

 

Fig 3. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 3. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Na margem esquerda do fólio 28v, “um homem nu segura a cabeça e a perna amputadas. No fundo da página (bas-de-page), uma serpente engole um homem, do qual se vê apenas a cabeça. Na margem direita, um homem, com o rosto visível, espreita do interior de uma construção, provavelmente uma prisão ou um forno” (Pierpont Morgan Library).

Ambas as páginas nos apresentam híbridos disformes, desmontados e remontados em função da imaginação, mas também do imaginário. Muitas destas imagens eram escrupulosamente codificadas.

Fig 4. Fig 3. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 4. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 5. Fig 4. Fig 3. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

Fig 5. Voeux du paon. Northern France or Belgium, possibly Tournai, ca. 1350.

O sonho das formas

Alison Saar. Bareroot. 2007.

Alison Saar. Bareroot. 2007.

Associados à confusão e ao encadeamento de entidades distintas, os grotescos tornaram-se célebres com a descoberta, no século XV, dos frescos das “grutas” da Domus Aurea, em Roma (ver https://tendimag.com/2012/04/15/domus-aurea-o-sonho-enterrado/). Na realidade, estas figuras híbridas existem em quase todas as culturas do mundo. Este anúncio é grotesco: materiais, fluídos e seres humanos misturam-se e sucedem-se em arabescos que “dão vida ao chocolate”.

Marca: Bailey’s. Título: Bring chocolate to life. Agência: 101 London. Direção:  Johnny Hardstaff / RSA. UK, Outubro 2013.

Retocar o imaginário

A My Brother Bob, uma agência de pós-produção, decidiu publicitar-se. Para evidenciar o virtuosismo, “retoca” um ser humano transformando-o num híbrido. What my Brother Bob did to me? An Hybrid. Nem mais, nem menos, uma zebra ou um polvo com a parte superior humana como é de bom uso e melhor efeito (na gama: espanto, humor e terror). A agência assume-se como realizadora do imaginário: “If it can be imagine, it can be done”. A fábula, a quimera e o sonho adquirem espessura, tornam-se palpáveis, (pet)iscos da imaginação cobiçados pelos sentidos (a devorar com os olhos e beber com os ouvidos). Em suma, um imaginário embalado, com mercadoria dentro… Dito isto, os dois anúncios, com final alternativo, são excelentes, a todos os níveis, incluindo a referência à psicanálise.

Anunciante: My Brother Bob. Título: What My Brother Bob did to me / Alternative. Agência: My Brother Bob. Direção: Alexis Burke. Reino Unido, Fevereiro 2013.

Homens e Bestas 4. Charles Le Brun

Giambattista della Porta, Ticiano, Rubens, do quarteto anunciado, só falta Charles Le Brun (1619-1690). Foi primeiro pintor do rei Luís XIV e ocupou-se da decoração da Galeria dos Espelhos do Palácio de Versalhes. Nos seus desenhos, os seres humanos resultam abestalhados (ver galeria, figuras 1 a 23). No que agora nos diz respeito,  herdeiros da modernidade, da racionalidade e da ciência positiva, confusões entre homens e animais só se for à luz de Charles Darwin. Não é verdade? Não, não é! No terceiro milénio, continuamos às voltas com os lobisomens (Figuras 24 e 25), com os vampiros (figuras 25 e 26), com os homens aranha (Figura 27), as mulheres gato e outras bestialidades do género (Figura 28). Se considerarmos as máquinas como as bestas do nosso tempo, ainda temos os ciborgues e os biomecanóides. Não esquecendo os mangás nem os animes, onde, à semelhança dos apóstolos evangelistas (águia, São João; touro, São Lucas; leão, São Marcos; e anjo, São Mateus), os heróis estão associados a animais (Naruto, raposa; Son Goku, macaco; figuras 29 e 30).