Tag Archive | comUM

O espelho ordinário

B Cosmic

Há momentos retorcidos. Normalmente, escrevo para ser lido, mas, desta vez, escrevo para ser decifrado.

Existe um tipo de grotesco que remete para a disformidade conforme. Desconcerta, mas acaba por se deitar, atravessada, no leito de Procusto da Razão. Estranha-se, primeiro, e entranha-se, depois. Como diria Goya, o sonho, por monstruoso que seja, faz parte do sono da razão. Atente-se, por exemplo, na obra de Salvador Dali.

Com a devida vénia ao movimento punk, existe uma outra forma de grotesco que releva da conformidade disforme. O que é estranho já não é o sonho mas a realidade. Este grotesco bebe no pântano da vida quotidiana. É a experiência que se torna estranha (Sigmund Freud; Wolfgang Kaiser). Ocorre um estranhamento do familiar, incluindo o íntimo. O grotesco opera menos por criação e mais por deslocamento. Da intimidade para o público. É uma monstração. Este grotesco não sonha, desperta, com os olhos esbugalhados, para a experiência comum. Partilha, obscenamente, o que não é partilhável, mas que todos têm. O delírio do extraordinário é substituído pelo espanto face ao banal, pelo espetáculo insólito e exacerbado do mais que vivido e mais que conhecido.

Este anúncio justifica a seguinte pergunta: como é que a grosseria pode promover a beleza? Enquanto fico a pensar, passo a palavra ao Victor Hugo:

“Somente diremos aqui que, como objectivo junto do sublime, como meio de contraste, o grotesco é, segundo a nossa opinião, a mais rica fonte que a natureza pode abrir à arte (…) O sublime sobre o sublime dificilmente produz um contraste, e tem-se necessidade de descansar de tudo, até do belo. Parece, ao contrário, que o grotesco é um tempo de parada, um termo de comparação, um ponto de partida, de onde nos elevamos para o belo com uma percepção mais fresca e mais excitada” (Hugo, Victor, 1827, Do grotesco e do sublime, Prefácio de Cromwell).

E pronto!

Marca: B Cosmic. Título: Be pretty. Agência: JWT Tunis. Direcção: Fekih Anwar / EZA. Tunísia, Dezembro 2014.

Emagrecimento à portuguesa

Mais uma crónica no comUM online. Para aceder, carregar na imagem ou no seguinte endereço: http://www.comumonline.com/opiniao/item/1997-rebaixamento.

Rebaixamento

Caravanas

Começam as aulas, regressam as crónicas. Umas vezes, a rufar tambores, outras, a tanger violinos. É a vida! Para aceder, carregar na imagem ou no seguinte endereço: http://www.comumonline.com/opiniao/item/1862-caravanas.

Caravanas

Bons alunos

Há quem seja dono da verdade. Há quem seja apenas sincero.

Bons alunos

ComUm – Bons Alunos

O défice político (crónica no ComUM online)

Habitualmente, pouco acompanho a política. Esta crónica mostra quanto me sinto certo e quanto estou errado. Para aceder, carregar na imagem.

O défice político. ComUM online. 04 Novembro 2012

Infelicidades verbais (ComUM, 28.01.12)

“Por um punhado de dólares” e “Quem atira a última pedra?” são dois textos de uma crónica, publicada no jornal online ComUm, sobre os deslizes mediáticos recentes de algumas figuras públicas (Aníbal Cavaco Silva, Pedro Passos Coelho e José Sócrates). Mas o enfoque incide menos nestas eventuais “insensibilidades” e mais no teor das reacções que suscitaram. Trata-se de uma crónica que rema contra a corrente num barco ideologicamente indigesto. Para aceder, carregar na imagem ou no seguinte endereço: http://comumonline.com/opiniao/item/577-infelicidades-verbais.

Infelicidades verbais. Crónica do ComUM. 28.01.12

 

A bolha

Na qualidade de cronista do jornal online Comum, escrevi, demasiado expeditamente, reconheço-o, este pequeno artigo que se pretende bem humorado: ComUM: a bolha.

Enquanto escrevia “a bolha”, ocorreu-me, talvez influenciado pela morte de Steve Jobs, o clássico anúncio comemorativo da Apple (1984-2004):

Marca: Apple. Título: 1984 (2004). Agência: Tbwa. EUA, Janeiro 2004.