Tag Archive | Peter Gabriel

Bom dia, tristeza!

Angel Statue. Oakland. California. USA.

Quando estou triste, tudo fica triste.

Peter Gabriel. Low Light. OVO. 2000
Max Richter. On the Nature of Daylight. The Blue Notebooks. 2004.

Misericórdia

Algures na fronteira da Hungria.

No dia 21 de Março de 2017, uma embarcação sai da Líbia rumo à Europa. Naufraga no Mediterrâneo. Centenas de sobreviventes são resgatados pelo barco Aquarius. No barco, uma mulher grávida de oito meses e meio dá à luz uma menina, baptizada Mercy (misericórdia). A canção Mercy (Eurovisão 2018), do duo Madame Monsieur, centra-se neste episódio, que se ergue como um símbolo de esperança sob fundo de tragédia. Mas existem outros símbolos. Por exemplo, o corpo de um menino que deu à costa. A esperança renasce e submerge. Renasce da destruição e sucumbe à destruição. Fé, esperança e caridade são as três virtudes teologais. Espera-se de um cristão que partilhe a fé, promova a esperança e pratique a caridade. A canção Mercy é filha da esperança. Tem a virtude de focar as centenas de milhares de migrantes que chegam a bom porto. Outros não resistem à travessia ou perdem, paradoxalmente, a esperança chegados ao destino, enrolados em interesses, ideologias e arame farpado.

Madame Monsieur. Mercy. Álbum: Vu d’ici. 2018.

A canção Mercy Street, de Peter Gabriel pouco ou nada tem a ver com a canção Mercy do duo Madame Monsieur. Uma acentua a esperança, outra, a melancolia, uma esperança submersa, soturna e refractada. Três rios desaguam no estuário do desespero: eros, tanatos e culpa. Nenhum resolvido. Os outros de Peter Gabriel somos nós.

Peter Gabriel. Mercy Street. Àlbum: So. 1986.

Genesis

Peter Gabriel

Peter Gabriel

Lembra-se dos Genesis? Sofreram um apagão? Não sei, acontece. Para ouvir os Genesis, enfio os auscultadores e fecho os olhos. Para afastar o ruído. A solidão pode ser boa companheira. Nestas condições, não dá para saber se houve apagão. Os Genesis foram um caso à parte na história da música. O álbum The Lamb Lies Down on Broadway subiu, em 1974, o escadório das sete virtudes. E abriram caminho por entre os Rolling Stones, os Pink Floyd, os Deep Purple, os Moody Blues, os The Who, os Yes…

Nesta interpretação ao vivo de I Know What I Like, uma canção “fácil de entender”, os Genesis ainda incluíam Peter Gabriel, conhecido pelas suas bizarrias, sobretudo, no início das músicas. Receio que esta canção, contanto popular, não faça justiça aos Genesis. Acrescento The Carpet Crowlers (The Lamb Lies Down on Broadway, 1974), que também não lhes faz justiça.

Em 2010, apresentei a comunicação “A diabolização da experiência: O trágico e o grotesco nos vídeos musicais”, no Colóquio Internacional Do Sagrado na Arte: Música Sacra Contemporânea. Escolhi quatro vídeos: Air – How does it make you feel; Damien Rice – 9 crimes; Gotye – Hearts a mess; e, por último, Peter Gabriel – Mercy Street (So, 1986), uma obra subtilmente trágica.

Genesis. I know What I Like. Selling England By The Pound. 1973. Ao vivo, entre 1973 e 1975.

Genesis. The Carpet Crowlers. The Lamb Lies Down on Broadway. 1974.

Peter Gabriel. Mercy Street. So. 1986.