Tag Archive | Albertino Gonçalves

Adeus à cátedra

Pensador de Cernavoda. Século VI a.C, encontrada em Cernavoda, na Roménia.

Pensador de Cernavoda. Séc. VI a.C. Roménia.

“As coisas a que mais queremos (…) não são com frequência quase nada. São um nada que a nossa imaginação transforma em montanha. Um outro esforço de imaginação faz que o descubramos sem dificuldade” (Blaise Pascal, Pensamentos).

Perdi, há anos, um concurso para uma vaga de professor catedrático na área de Sociologia da Universidade do Minho. Herdei alguns fantasmas. Por exemplo, alguém atribuiu, quase salomonicamente, 101 pontos a um candidato e 100 ao outro; houve quem tenha compensado o desequilíbrio na dimensão “prestação de serviços à comunidade” convocando a atividade sindical… Estes e outros fantasmas dormem no inverno do meu descontentamento: assombram a confiança e corroem a vontade. Imbuído de sentido institucional, prossegui indignado por dentro e plácido por fora.

Está aberto novo concurso para uma vaga de professor catedrático na área de Sociologia da Universidade do Minho. Há tapetes que só se pisam uma vez. É verdade que um homem tem que fazer o que tem que fazer. Persigo, porém, uma figura que pertence ao passado: o intelectual. A um homem compete-lhe ponderar o que deve fazer.

Com a fábula da raposa e das uvas na sombra, confesso que, a caminho da reforma, a cátedra me motiva pouco. Prescindo dos júris para professor associado, professor catedrático e provas de agregação. Inquietam-me os desfechos em tribunal. Dispenso avaliar colegas. Não me seduzem os cargos de topo. Não me atrai o poder. Por acréscimo, a diferença de remuneração é, no meu caso, irrelevante.

Há coisas que só se perdem uma vez. Para o bem e para o mal e com o risco de não agradar nem a gregos, nem a troianos, decidi não concorrer. Adeus à cátedra!

Texto em pdf: Adeus à cátedra pdf

Albertino Gonçalves.

Imagens e Clivagens

Imagens e ClivagensO livro Imagens e Clivagens – Os Residentes face aos Emigrantes foi publicado, pela Afrontamento, em 1996. Há quase vinte anos. Esqueço-me dele, como, aliás, dos outros, mas tenho-lhe profundo respeito. Foi um bico de obra, como mais nenhum. Empenhado em sustentar o seguinte pensamento de Jean-Paul Richter (1763-1825): “O homem não revela melhor o seu próprio carácter do que ao descrever o carácter do outro” (Jean-Paul Richter, 1763-1825).

Disponibilizo estes excertos,sobretudo, para acesso por parte dos alunos. A paginação do capítulo 8 deixa a desejar.

Imagens e clivagens. Índice
Imagens e clivagens. Introdução
Imagens e clivagens. Capítulo 8
Imagens e Clivagens. Quadro LXI

Emigrar

Emigrantes portugueses no alojamento, em França. Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Emigrantes portugueses no alojamento, em França. Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Não evoluo, vindimo os anos. Pasmo, como o rei Filipe II de Portugal, na sátira de Gonzalo Torrente Ballester. Basta comparar dois pequenos textos sobre a emigração, um publicado em 1991 (“Uma vida entre parênteses. Tempos e ritmos dos emigrantes portugueses em Paris”, Cadernos do Noroeste, vol. 4 (6-7), 1991, pp. 147-158) e o outro publicado este verão (“A viagem do silêncio: o salto” in Filmes do Homem 2015. Festival Internacional de Documentários de Melgaço, Ao Norte/Câmara Municipal de Melgaço, 2015, pp. 14-17). Qual rasga a realidade e qual a enrola? Segue a ligação em pdf:

A. Gonçalves. Uma vida entre Parênteses.
A. Gonçalves. A Viagem do Silêncio.

O assunto que realmente motiva este artigo é a canção Manolo Mio, da Brigada Victor Jara, grupo fundado em Coimbra, no ano de 1975. Também versa sobre a emigração. A cantar também se aprende. Lembro-me de comprar o álbum (Eito Fora, 1977) numa cooperativa (creio eu) junto à Fonte dos Leões, no Porto. Vamos ouvir!

Brigada Victor Jara. Manolo Mio. Eito Fora. 1977.

Teimoso e despistado

Em 1567 artigos do Tendências do Imaginário, pouco falei de mim. A quem interessa? Sabe-se que sou sociólogo, professor universitário, fumador e pouco mais. O meu rapaz mais novo, o Fernando, descobriu, há dois ou três dias, uma página que me é dedicada e que, no meu alheamento crónico, desconhecia. Trata-se de um trabalho realizado por Filipa Magalhães e Ricardo Grilo, ambos licenciados em ciências da comunicação. Os textos e os vídeos incidem sobre o meu tempo de estudante em Braga e em Paris. O período mais turbulento e mais suculento da minha vida. Salpicos biográficos. A Filipa e o Ricardo desencantaram, ainda, o meu rapaz mais velho, o João, bem como o Álvaro Domingues, amigo de infância, e a Ana Moreira, minha aluna. Gosto do resultado. A não ser mais, constata-se que, no meu caso, a escrita é muito mais fresca do que o autor.

Para aceder à página carregue na imagem ou no seguinte endereço: http://ensinopij1314.weebly.com/vocaccedilatildeo.html.

Teimoso e despistado

Elas ficam e partem. O papel das mulheres na emigração

As palavras deviam ser como os cigarros
Fumar uma de cada vez

Passadoras de Homens e Outras Aventureiras é uma reportagem de Ana Cristina Pereira (Texto), Adriano Miranda (Fotografia) e Mariana Correia Pinto (Vídeo) sobre o papel das mulheres na emigração dos anos sessenta, editada no Público de 13 de Abril de 2014. Para aceder carregar na imagem ou no seguinte endereço http://www.publico.pt/portugal/noticia/passadoras-de-homens-e-outras-aventureiras-1631504.

Rio Minho, em Melgaço.Parque Nacional da Peneda-Gerês

O Delírio da Disformidade. O Corpo no Imaginário Grotesco

Na disciplina de Sociologia da Arte, estamos a estudar Hieronymus Bosch, nomeadamente o tríptico O Jardim das Delícias (1503-1504). Este texto, publicado em 2002, na revista Comunicação e Sociedade, pode ser útil como complemento.

O Delírio da Disformidade. O corpo no imaginário grotesco.pdf

Galeria de imagens:

Dionísio na Universidade

Luttrell Psalter, England ca. 1325-1340.

Luttrell Psalter, England ca. 1325-1340.

A Ana Rita, do Brasil, pede o texto “Dionísio na Universidade: a praxe como rito de passagem”. É um texto curto, antigo, talhado para um editorial da publicação oficial da Universidade do Minho (UM boletim, nº 45, 7 Abr. 1997, pp. 1-2). Se um dia calhar ser eremita, longe de tudo e sem termo, e tiver que escolher cinco escritos para me acompanhar, este não será uma tentação.

Dionísio na Universidade. Boletim da UM

O Sentido de Comunidade num Mundo às Avessas

Grotesque flutist. French_illuminated_manuscript. illustration 1408 MS Douce.144 f 28v.

Grotesque flutist. French illuminated manuscript. illustration 1408 MS Douce. 144 f 28v. Séc. XV?

Há uns dez anos, escrevi um artigo sobre a praxe. Ainda o assunto não fervia. Não é um texto pensado por um pensador pensativo. Intentava apenas compreender. Mas compreender para quê quando, hoje, se sabe tudo e quase só importa avaliar?  Apesar de me ter sido encomendado, o texto ostenta a marca do diletantismo. Naquele tempo, os praxantes já trajavam de negro, mas a praxe ainda não. Junto um pdf sem as imagens e com gralhas. A referência é: “O sentido de comunidade num mundo às avessas: o realismo grotesco nas tradições académicas de Braga”, FORUM, nº30, Jul./Dez., 2001, pp. 75-89. Este artigo nunca esteve disponível online. Esta é a vez primeira.

O sentido de comunidade num mundo às avessas

 

Solidão Excitada

Zygmunt BaumanOuvir Zygmunt Bauman, nem que seja por três minutos, é um bálsamo e um desafio:

Quando eu era jovem, eu não tinha o conceito de redes, eu tinha o conceito de laços humanos, comunidades… esse tipo de coisa, mas não de redes (ver entrevista 3 minutos com Bauman: As amizades de Facebook, 22 Outubro 2013).

Trinta anos depois, quando eu era jovem, a sociologia dispunha, além dos conceitos de laços humanos e de comunidades, também do conceito de redes sociais. A par da edição do livro de Jeremy Boissevain (1974), Friends of Friends; Networks, Manipulators and Coalitions, Georges Balandier dedicou, em 1979, uma disciplina ao estudo das “redes de dependência pessoal”. Passo a resumir duas ou três ideias:

  1. Uma rede não é hierárquica. Numa hierarquia, se A manda em B e B manda em C, então A manda em C. Numa rede, A não manda necessariamente em C, pode nem o conhecer. Se A precisa dos serviços de C, e não tem uma ligação directa com ele, não os pode pedir directamente a C, mas a B e este, por seu turno, a C. Em suma, C tem uma relação de dependência com B, não com A. Neste tipo de rede social, as relações são diádicas e não são transitivas.
  2. Na rede, as relações pautam-se pelo princípio de reciprocidade. A e B têm direitos e obrigações, um face ao outro. Este princípio de reciprocidade é fundamental para que ambos tenham interesse na relação. Reciprocidade não significa simetria. Normalmente, a relação é assimétrica. Uns podem dar ou receber mais que outros.
  3. As redes são compostas por relações de dependência pessoal: trata-se de díades que envolvem pessoas, de relações diádicas pessoalizadas, como refere Bauman, “conexões reais, frente a frente, corpo a corpo, olho a olho”.
  4. O desempenho da rede é caracterizado pela previsibilidade. As redes são eficazes na prossecução dos objetivos. Corrigem a a mais pequena falha. Atente-se, por exemplo, na orgânica, na dinâmica e na eficácia da máfia e das redes do contrabando ou da emigração clandestina.

Não falo da mesma rede social que Bauman. Na minha perspetiva, Facebook, Twitter e Linkedln não configuram redes sociais, pelo menos, não correspondem ao meu conceito. Não comprometem pessoas na base da reciprocidade (não configuram direitos e obrigações mútuos), os resultados das ações não são previsíveis (iniciativas marcadas pela incerteza) e, como enfatiza Bauman, não assentam em “laços sociais”. As “redes sociais” de rede social têm muito pouco. São “redes electrónicas” que funcionam, como refere Bauman, por conexão/desconexão. Atendendo ao tipo de contacto, à configuração, ao envolvimento e à comunicação, as redes sociais, como o Facebook, o Twitter ou o Linkedln, aproximam-se mais da noção de multidão do que da noção sociológica de rede social. Uma multidão digital carregada de endereços electrónicos, com identificações, sentimentos e mobilizações que lembram, por vezes, La Psychologie des Foules, de Gustave Le Bon (1895): diluição da responsabilidade, emoção e contágio. Uma multidão eletrizada por um sem número de circuitos e de ignições. Uma multidão composta por contactos sem laços, com tendência para uma solidão excitada, ou, para retomar o título do livro de David Riesman (1950), para uma multidão solitária.

Que noção de redes sociais escolher? Pierre Bourdieu insistia que não é vocação do sociólogo andar atrás das palavras correntes como o peixe atrás do isco. À força de lavar conceitos na espuma dos dias nem sequer com conceitos híbridos, líquidos ou polissémicos ficamos, mas com conceitos que são, ironicamente, o contrário do original.

 

Corpos comunicantes. A educação pelos sentidos no Mosteiro de Tibães – I

Em parceria com o Paulo Oliveira, estou a escrever um texto dedicado à educação pelos sentidos no Mosteiro de Tibães. Maior que uma crónica e sem aparato de artigo, vai ter uma primeira publicação por partes no ComUM online. Como dizem os pintores, trata-se de uma primeira mão. Em bruto, sem referências completas, nem análises finas da semiótica dos espaços, nem imagens. Para já, é um nada académico. Precisa de outra compostura e, pelos vistos, de algum marketing. Como cada um dá o que tem, esta é a minha prendinha de Natal, aquela que ninguém pediu nem necessita (carregar na imagem ou no seguinte endereço: http://www.comumonline.com/?p=978)

Albertino Gonçalves e Paulo Oliveira. Corpos Comunicantes I. ComUM Online.

Albertino Gonçalves e Paulo Oliveira. Corpos Comunicantes I. ComUM Online.