Tag Archive | Philip Glass

Philip Glass versão harpa

Lavinia Meijer.

Setembro! Cresce o trabalho, diminuem as festas. As castanhas esperam-nos aconchegadas em espinhos. As reuniões, também. Pois, ouça-se música. Agrada-me esta versão do Philip Glass (Metamorphosis Two), tocada pela harpa da sul-coreana Lavinia Meijer.

Philip Glass. Metamorphosis Two. 1989. Interpretação de Lavinia Meijer.

As mil faces da discriminação

Ravi shankar

Ravi Shankar

A discriminação tem a pele dura, seja o motivo a raça, a religião, o género ou a estratificação social. A denúncia da discriminação tem aumentado na publicidade, mas, sem diversidade e sem complexidade, lembra um catálogo com poucas e interessadas páginas. O anúncio indiano Shree Ganesh Apnepan Ka singulariza-se: por um lado, não caricatura as diferenças e, por outro, manifesta rara sensibilidade ao nível da interacção humana. Mas a discriminação não se resolve com chás. É uma realidade enraizada, com vários tronco,s que se firmam em vários terrenos. Neste aspecto, o anúncio falha: sugere que a descriminação, unidireccional, radica apenas na figura do hindu. Deus escreve direito por linhas tortas? Escreve direito por linhas direitas? O mais avisado é acreditar que Deus não escreve direito. E pronto! Provocação à parte, gosto do colorido dos filmes indianos.

Marca: Brooke Bond Red Label. Título:  Shree Ganesh Apnepan Ka. Agência: Geometry Emcompas. Índia, Setembro 2018.

Com a cítara por perto, Ravi Shankar é uma lenda da música indiana e mundial. Pai de Norah Jones, tocou no Woodstock, compôs e tocou, entre outros, com George Harrison e Yehudi Menuhin. Compôs um disco, Passages, com Philip Glass. Depois de muito hesitar, optei pela faixa 4: Ragas in Minor Scale.

Ravi Shankar & Philip Glass. Ragas in Minor Scale. Passages. 1990.

Língua e pensamento

Anchor Point. Jovem, hospedei-me vários anos na casa ao fundo com escadario exterior. No último Agosto, comecei um namoro que ainda dura.

Anchor Point. V.P. Âncora. Jovem, hospedei-me vários anos na casa ao fundo com escadas exteriores. Estava alojado nesta casa quando comecei um namoro que ainda dura.

Passou uma viatura com o letreiro: AnchorPoint. Pesquisei na Internet: trata-se de uma Surf School, Escola de Surf, sedeada em… Vila Praia de Âncora (“Anchor Beach City”). Nomes de empresas, associações e outras entidades portuguesas em inglês é uma prática que se repete como uma música do Philip Glass. Consta que o inglês cativa os clientes! Um País que engole a própria língua e se dobra perante o estrangeiro deve ser um país indisposto consigo próprio, com a sua identidade. Não há património imaterial da humanidade que compense. A indiferença face à língua, falada ou escrita, reflecte-se na língua com que se pensa, logo na qualidade do pensamento. “A minha pátria é a língua portuguesa” (Fernando Pessoa). E a nossa?

É possível pensar condignamente em todas as línguas. Sem hierarquias. Há quem domine e pense em várias línguas. Colhe, porventura, alguma vantagem. O que me preocupa é a leveza do linguajar das zonas francas. O estar entre duas línguas sem dominar nenhuma. Estranho que Portugal pareça apostar numa política linguística, científica e cultural de zona franca.

Philip Glass. Einstein on the beach – Knee Play 1. Einstein on the beach. Ópera. 1975.

Fotografar o movimento do corpo

01. Etienne-Jules Marey,  Estudo de Corrida, 1886

01. Etienne-Jules Marey, Estudo de Corrida, 1886

A cronografia é um processo de visualização do movimento através de uma sequência de imagens gravadas, com alguma velocidade e a intervalos iguais, numa única superfície fotográfica, proporcionando uma ilusão de tempo e movimento.

02. Eadweard Muybridge. Study of human’s movements. 1870 ca.

02. Eadweard Muybridge. Study of human’s movements. 1870 ca.

O francês Etienne-Jules Marey (1830-1904) e o inglês Eadweard Muybridge (1830-1904) foram pioneiros da cronografia e precursores do cinema.

03. Étienne-Jules Marey, Bird Flight, Pelican, 1886

03. Étienne-Jules Marey, Bird Flight, Pelican, 1886

04. Eadweard Muybridge. Cockatoo in Flight. 1877

04. Eadweard Muybridge. Cockatoo in Flight. 1877

05. Marey. Fusil Fotográfico.

05. Marey. Fusil Fotográfico.

Etienne-Jules Marey inventou o “fuzil fotográfico”,  um instrumento composto por um disco com orifícios capaz de captar uma imagem a cada passagem, a uma velocidade de  doze frames por segundo, todos registados numa única imagem.

06. Étienne-Jules Marey. Homme qui marche. 1890 a 1891.

06. Étienne-Jules Marey. Homme qui marche. 1890 a 1891.

07. Etienne-Jules Marey. Running. 1882

07. Etienne-Jules Marey. Running. 1882

A carreira fotográfica de Eadweard Muybridge ocorreu predominantemente nos Estados Unidos. Utilizou uma técnica diferente do fuzil de Marey. Recorria a uma multiplicidade de câmaras dispostas de modo a captar diversas fases do movimento.

08. Eadweard Muybridge. Pole vaulter. 1887

08. Eadweard Muybridge. Pole vaulter. 1887

Muybridge ficou célebre por ter resolvido a controvérsia em torno da possibilidade de um cavalo a galope pousar ou não, ao mesmo tempo, as quatro patas no chão. Em 1878, fotografou, frame a frame, o galope de um cavalo utilizando 24 câmaras.

09. Eadweard Muybridge. The Horse in Motion. 1878

09. Eadweard Muybridge. The Horse in Motion. 1878

10. Corrida de cavalo animada a partir de Muybridge. Carregar na imagem

10. Corrida de cavalo animada a partir de Muybridge.

Em 1874, Muybridge matou o amante da esposa com um tiro de espingarda, tendo sido absolvido. Philip Glass dedica a Muybridge a música The Photographer – A Gentleman’s Honor (cf. http://www.philipglass.com/music/recordings/photographer.php).

Philip Glass. The Photographer. Act I – A Gentleman’s Honor (Vocal). 1983.

11. Eadweard Muybridge. Mulher descendo as escadas. 1887.

11. Eadweard Muybridge. Mulher descendo as escadas. 1887.

12. Mulher descendo as escadas. Animação a partir de Eadweard Muybridge

12. Mulher descendo as escadas. Animação a partir de Eadweard Muybridge. Pode ver também em http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eadweard_Muybridge_1.gif?uselang=pt

Para além da fotografia e do cinema, Marey e Muybridge tiveram reconhecida influência na arte. Atente-se, por exemplo, no quadro Nu descendant un escalier, de Marcel Duchamp (1911) ou nos quadros Dynamism of a Dog on a Leash (1912) e Ragazza che corre sul balcone (1912), de Giacomo Balla.

13. Marcel duchamp, Nu Descendant un Escalier. Première version. 1911

13. Marcel Duchamp, Nu Descendant un Escalier. Première version. 1911

14. Giacomo Balla. Dynamism of a Dog on a Leash. 1912

14. Giacomo Balla. Dynamism of a Dog on a Leash. 1912

15. Giacomo Balla. Ragazza che corre sul balcone. 1912

15. Giacomo Balla. Ragazza che corre sul balcone. 1912

Galeria de imagens:


Momentos de Dança: Fotografias de Lois Greenfield

Lois Greenfield é uma fotógrafa norte-americana, nascida em 1949, que possui um jeito único de captar o corpo em movimento, designadamente os momentos da dança, uma arte do efémero.

A música, Dead Things, versão piano, é de Philip Glass. Carregar em HD.

 

Galeria de Imagens: Fotografias de Lois Greenfield