Tag Archive | Nova Zelândia

O feitiço tecnológico

McDonald's Timeless

Se a publicidade fosse uma biblioteca, o tema das relações de género ocuparia várias estantes pejadas com livros de salmos e sermões. Mais pequena, mas em crescimento, aparece a estante da adição às novas tecnologias, cheia com livros de responsos e esconjuros. O anúncio Timeless, da McDonald’s, mostra quanto um pai tem que ser inventivo para cativar a atenção dos filhos, embruxados crónicos pelos telemóveis, tablets, videojogos & Cia. Deste anúncio depreende-se que para resgatar os filhos, o pai deve “tornar-se” criança, regredindo, com os filhos, até à sua própria infância. Esta fórmula é recorrente. A desintoxicação resulta cada vez mais fantástica. Uma boa parte dos anúncios sobre a cidadania e a qualidade de vida são promovidos por grandes marcas, incluindo a McDonald’s, que, nas alturas, tanto se preocupam com as nossas vidas. Tanto interesse comove qualquer um.

Marca: McDonald’s.Título: Timeless. Agência: DDB New Zealand. Direcção: Matt Devine. Nova Zelândia, Maio 2018.

Humor policial

Police

No anúncio Freeze!, a polícia neerlandesa anuncia, com franco humor, o recrutamento de pessoal. Se fosse no meu país, conhecido pelo seu excelente humor atestado em todos os rankings internacionais do riso, já se tinham demitido dois ou três ministros; e nos jornais, actualizados ao segundo, não haveria espaço para mais notícias. Representaria um relaxamento inadmissível dos valores pátrios que remontam à fundação da nacionalidade. Uma nódoa do poder num manto de cidadania impoluta.

Não exageremos! Nós também sabemos rir. Rir até não poder mais. Mesmo quando é proibido! Lembram-se dos anúncios da água Frize com o Pedro Tochas? Aquela que deus quize. Alguns até foram proibidos.

Marca: New Zealand Police. Título: Freeze!. Agência: Ogilvy & Mather. Direcção: Damian Shatford. Nova Zelândia, Novembro 2017.

Frize. Slogan.

Frize. Tou que nem posso.

Anúncio proibido da Frize.

Do avesso

Assembly Anchor

Promover o leite deste jeito é, no mínimo, original. Um vídeo intertextual com imagem a preto e branco. Às vezes, parece arte. E para namorar a arte, é preciso talento.

Marca: Anchor. Título : Inside-out. Agência : Colenso BBDO (Auckland). Nova Zelândia, Abril 2017.

Atração fatal

A quem mais me atura.

Este anúncio da Toyota é, todo ele, delirante. Concebido e produzido primorosamente, assume-se absurdo e politicamente incorrecto. Uma ode ao grotesco. Animais deixam-se aprisionar e morrer, com um poema nos lábios, deslumbrados por uma carrinha Hilux, o transporte para o paraíso zoológico.
Carregar na imagem para aceder ao anúncio.

Toyota Hilux

Marca: Toyota Hilux. Título: The Benchmark. Rebuilt. Agência: Saatchi & Saatchi. Nova Zelândia.

O anúncio da Hilux lembra-me a canção Mad World (2001), de Gary Jules e Michael Andrews, um cover dos Tears for Fears (1982). A associação de ideias e de imagens encanta-me, especialmente quando resistem à explicação. Uma vez explicadas, o que ganham em razão, perdem em mistério. Prefiro acreditar que é carnaval no mundo dos neurónios.
Carregar na imagem para aceder ao vídeo musical.

Mad world

Gary Jules & Michael Andrews. Mad World. Dirigido por Michel Gondry. 2001.

Diabo de guarda

Halloween_Witch_2011

Decoração do Dia das Bruxas. 2011.

O anúncio neozelandês da Energy Online propõe um dispositivo contra vendedores porta a porta: uma aldraba grotesca mais uma espécie de gárgula gótica, ambas animadas e furibundas. Um susto a dobrar. Com esta parceria diabólica, não há vendedor que se atreva. Este anúncio é fruto da época: aproxima-se o Halloween, a festa do horror para todas as idades. Trick or treat.

Marca: Energy Online. Título: Door Knocking. Agência: Contagion, New Zealand. Direcção: James Anderson & Jess Griffin. Nova Zelândia, Setembro 2015.

Vertigens a baixa altitude

ok_go_macalline_2

Há muito que namoro o tema da levitação e não há modo de ir ao altar. Existem diversas soluções para sugerir a ausência de gravidade: captar um momento de suspensão, filmar em câmara lenta um movimento de desprendimento ou multiplicar os planos de gravidade (e.g, E.M. Escher, na gravura, e Philip Halsman, na fotografia).

O anúncio chinês OK Go, da Red Star Macalline, desmonta várias ilusões de perspectiva e multiplica os planos de gravidade, provocando uma sensação de vertigem.

O anúncio neozelandês Muscle, da Anchor, recorre ao slow motion para criar uma sensação de flutuação no espaço e no tempo. Em câmara lenta, os movimentos de dança logram um efeito estético apreciável.

Marca: Red Star Macalline. Título: OK Go. Agência: 25hours Xangai. Direcção: Damian Kulash JR. China, Março 2015.

Marca: Anchor. Título: Muscle. Agência: Colenso BBDO. Direcção: James Solomon. Nova Zelândia, Março 2015.

A Caixinha da Felicidade

quesera

West End e o humor britânico de braço dado num anúncio neozelandês! Um cover, com letra adaptada, do clássico Que sera sera a acompanhar uma série de situações indesejáveis. Neste mundo de infortúnios, existe um refúgio, uma caixinha de felicidade: a SKY TV.

Marca: SKY TV. Título: Que Sera Sera. Agência: DDB New Zealand. Direcção: David Shane. Nova Zelândia, 2009.

Quem não se lembra da canção Whatever Will Be, Will Be? E da cantora, Doris Day? E do filme The Man Who Knew Too Much (1957)? Eu lembro-me, e ainda não tinha nascido… Coisas da compressão do espaço-tempo (David Harvey)!

The Man Who Knew Too Much / Que Sera Sera. 1957.

Marcas de fogo

Este anúncio da Zew Zealand Fire Service é exemplar. É minimalista até não poder mais. Nas sequências, nos movimentos, nas personagens, na cor, nas palavras e na música. E, no entanto, impressiona. Sem falhar o alvo.

Anunciante: New Zealand Fire Service. Título: Nightmares. Agência: M&C Saatchi New Zealand. Direção: Glendyn Ivin. Nova Zelândia, Janeiro 2013.

Vestir a cidade

Chorus. Time SquareImporta vestir a cidade, envolvê-la com tecidos e imagens, deixando apenas a descoberto um vislumbre de asfalto, cimento e vidro, num gesto de hiper-sedução (Ugo Volli). No anúncio indiano Usha Janome, a cidade fantasia-se, ao jeito de Joana Vasconcelos, com cores e motivos de encantar. A “Thread Art” da máquina de costura Usher aconchega a pele urbana. Por seu turno, o anúncio neozelandês Times Square, New Zealand mostra uma mega projeção de criações  de estudantes de design neozelandeses nos edifícios de Times Square (Nasdaq, ABC, Fox e Sony) . Para mais informação: http://www.stuff.co.nz/business/industries/7799979/Kiwiana-on-Times-Square-digital-billboards.

Marca: Usha. Título: Usha Janome. Agência: O & M Delhi. Direção: Suresh Eriyat. Índia, Janeiro 2013.

Marca: Chorus. Título: Times Square, New Zealand. Agência: Chameleon Partners. Direção: simon shattky. Nova Zelândia, 2012.

Time no longer matters

Em “Como nunca ninguém viu: O olhar na publicidade” (in Imagem e Pensamento, Coimbra, Grácio Ed, 2011, pp 139-165), abordei a questão da propensão para a distorção do tempo no mundo contemporâneo, convocando uma dúzia de anúncios publicitários como exemplo. O tempo abranda, acelera, para, concorre com outros tempos. O tempo é cada vez menos mágico e cada vez mais alvo de magia. O artigo fecha com a análise de um anúncio em que um homem controla a marcha do tempo e do mundo com um comando de televisão. Este anúncio, uma paródia clara do Senhor dos Anéis, inscreve-se nesta tendência, subjectiva mas também objectiva, de relação distorcida com o tempo.