Tag Archive | lobo

Vermelho que te quero vermelho

Capuchinho 3

O poder dos símbolos é espantoso. Põem-nos o cérebro a salivar. Tanto permanecem iguais como se renovam, para sua maior eficácia e nossa maior confusão. Pense-se no Capuchinho Vermelho.

Bela e curiosa. Vermelha! Nem azul, nem verde: vermelha. Vermelha há mais de trezentos anos. Não esperou por nós, nem por Bruno Bettelheim, para saber que o capuchinho era vermelho. Vermelho cor de sangue. O sentido, a chave, desta conversa não está neste artigo, nem nos anteriores, mas no próximo. É um novo estilo inspirado nos romances de cordel.

Marca: Green & Blacks. Título: Dark, but different. Agência: Mcgarrybowen London. Direcção: Dorian & Daniel. Reino Unido, Outubro 2017.

Salvo pelos lobos

Wolf DPS_46x30cmH_Eng

Tendências do Imaginário deixou escapar este anúncio de Bruno Aveillan. Imperdoável. A fotografia e o ritmo de Bruno Aveillan desprendem uma aura quase sagrada. Neste It’s in our nature, da cadeia de hotéis Shangri-La, um jovem perde-se na neve. Exausto, adormece. Morte certa. Uma alcateia de lobos aproxima-se. O lobo é um animal temível, infernal. Mas as bocas devoradoras mantêm-se fechadas. Os lobos rodeiam o jovem formando uma espécie de abrigo contra a adversidade. Por entre tanta maldade mítica, o lobo esconde uma centelha de bondade. Lembra-se da loba de Rómulo e Remo? E de Mogli, a criança selvagem criada por uma alcateia de lobos? Existem muitas histórias semelhantes. Sobra um canto para os lobos nos nossos mitos de estimação. Os lobos compuseram um abrigo. Shangri-La é um abrigo, “pronto a receber um estranho como membro da casa”.

Marca: Shangri-La. Título: Wolves. Agência: Ogilvy & Mather Hong Kong. Direcção: Bruno Aveillan. Hong Kong, 2010.

Sonhos de fadas

Capucinho Vermelho

 

 

Com sintomas de gripe e uma inflamação no pensamento, não apetece comunicar. Apenas mimalhar sonhos, visitados por princesas de trapos e anúncios a condizer.

 

Marca: Channel. Título: Le loup. Agência: BBDO. Direcção: Luc Besson. França, 1998.

A Sombra do Lobo

Isabelle Anglade. Le Petit Chaperon Rouge.

Isabelle Anglade. Le Petit Chaperon Rouge.

 

 

 

 

“Demasiado ruído ensurdece-nos, demasiada luz ofusca-nos” (Blaise Pascal)

A avaliação alastrou que nem um incêndio de verão. Como vinga tal fenómeno num país mais dado à ética da convicção do que à ética da responsabilidade (Max Weber)? Num país de confrarias e amigos de amigos (Jeremy Boissevain)? Mestre no jogo das aparências (Georges Balandier)? Quando não existe uma cultura de avaliação, o que a substitui? Quais são as funções latentes da avaliação (Robert K. Merton)? Qual é o objectivo? E o uso? Transparência, ideologia ou ideologia da transparência? Predomina a racionalização ou a justificação (Luc Boltanski)? Suporte ou álibi? Mais ou menos poder ao poder?

Gustave Doré. Le Petit Chaperon Rouge

Gustave Doré. Le Petit Chaperon Rouge

Capuchinho vermelho na era digital

Dantes, o capuchinho vermelho perdia-se na floresta; agora, expõe-se nas redes sociais. Já não é uma donzela campestre, mas uma “noiva electrónica”. Nem sequer os prazeres são os mesmos. No tempo de Perrault, colhia flores para meter na boca do lobo. Agora, é só posicionar o cursor, abrir o ficheiro e fazer downloads e uploads.

Anunciante: Facemoods‘ Online Safety Kit. Título: Little Red Riding Mood. EUA, 2011.

Asas de Ícaro

Segundo a agência australiana The Monkeys, este anúncio para o UBank aborda com humor as grandes questões da vida. Pelos vistos, as quedas são os melhores momentos para refazer contas à vida. E os bancos são os oráculos e o purgatório do nosso tempo, sempre dispostos a exceder-se em generosidade e a proteger-nos de lobos e abismos. Primeiro, a queda, depois, a salvação. À semelhança do caçador do conto do Capuchinho Vermelho, um bom banco não caça, resgata as criaturas carenciadas. Empresta-lhes umas belas asas de Ícaro para sobrevoar as chamas do pesadelo!

Anunciante: UBank. Título: Since Today. Agência: The Monkeys, Australia. Direção: Christopher Riggert. Austrália, Março 2012.

FriendSheep: O lobo que gostava de ovelhas

Os lobos gostam sempre de ovelhas. A questão é saber de que jeito. Esta muito premiada curta-metragem de animação foi realizada pelos alunos (ano de 2010) da PrimerFrame, Escuela de Animación, sedeada em Valência, Espanha. Segue a curta-metragem FriendSheep e o respectivo Making Of.