Tag Archive | Líbano

Ainda bem! Maria Bethânia

Maria Bethânia

Uma amiga passou várias semanas no Brasil. Regressou fascinada com a música brasileira. Cantarolava as cassetes que me convidava a ouvir. Paris cantava brasileiro no coração de uma libanesa. Acontece-me peneirar o passado. Há coisas que fiz que agora não faria. Ainda bem que fiz!

Maria Bethânia. As Canções Que Você Fez Para Mim (Ao Vivo), “Noite Luzidia (Ao Vivo)”. Canecão, 2001.

A rosa do pensamento

Ten Herbs. The Leap. Julho 2019.

O anúncio The Leap, da libanesa Ten Herbs, aborda um tema delicado. Assumimos o corpo, mas não todo. Persistem partes e funções que só são dizíveis graças a metáforas, sublimações e eufemismos. É o caso do aparelho digestivo. Se a alimentação se descobriu arte, a arte de comer, defecar releva de um vanguardismo deslocado, a arte de chocar. Se os anúncios da Benetton se celebrizaram por dizer o chique com choque, os anúncios, como o The Leap, dizem o choque com uma linguagem chique.

Marca: Ten Herbs. Título: The Leap. Agência: JWT (Beyrouth). Direcção: Mohamed El Zayat. Líbano, Julho 2019.

The Leap lembra os duelos finais dos filmes de Sergio Leone: Por um punhado de dólares (1964) e Era uma vez no Oeste (1969). Cada personagem espera, sem sair da sua posição, o desenlace. O alívio ou a morte.

Gosto que uma realidade me lembre outra. A propósito e a despropósito. Sem genealogia, algoritmo, função, ética ou poética. A lembrança, a associação de ideias, é um pouco como a rosa de Angelus Silesius: “A rosa é sem por quê. Floresce porque floresce”.

The final duel of Once upon a time in the West by Sergio Leone (soundtrack by Ennio Morricone). 1969.
The Good The Bad and the Ugly Finale, by Sergio Leone (soundtrack by Ennio Morricone). 1964.

O tamanho do poder

Na fantasia histórica, não existe baixinho mais célebre do que Napoleão Bonaparte. O psicólogo Alfred Adler chamou, inclusivamente, “complexo de Napoleão” ao sentimento de inferioridade associado à estatura. Na realidade, considerando a época, Napoleão não era assim tão baixinho. Media entre 1,68 metros, medidos pelo seu médico. Na primeira metade do século XIX, o homem tinha em média 1,62 metros: 6 a 7 cm menos que Napoleão. A ideia de Napoleão como anormalmente baixo pode decorrer de uma ilusão: aparecia em público rodeado pela guarda imperial, composta por autênticos gigantes. A moldura não lhe era favorável. Existem várias explicações. Acrescento duas. Tendemos a associar o poder à altura. Abraham Lincoln (1.93) e Charles de Gaulle (1,96) são dois casos exemplares. Mas abundam as “excepções”. A estatura corporal e a estatura política de Napoleão revelam-se divergentes, o que o rebaixa. Por outro lado, pode-se conjecturar que as elites eram mais altas do que a população em geral. Entre as elites, Napoleão era comparativamente baixo, como se comprova no quadro de Nicolas Gosse:

Nicolas Gosse - Napoleon receives the Queen of Prussia at Tilsit, July 6, 1807

Nicolas Gosse – Napoleon receives the Queen of Prussia at Tilsit, July 6, 1807.

Na imaginação publicitária, Napoleão é mesmo baixinho. No segundo anúncio, Napoleon, do Al Balad Newspaper, é associado a uma criança que se esforça por trepar à mesa de bilhar. No primeiro anúncio, Follow the leader, da Garmin, Napoleão conduz, invisível, um carro minúsculo. Vale-lhe o GPS. No fim do anúncio, Napoleão e o seu ”pónei” contrastam com a envergadura da guarda imperial e respectivos cavalos.

Marca: Garmin. Título: Follow the leader. Estados Unidos, 2008.

Marca: Al Balad Newspaper. Título: Napoleon. Agência H&C Leo Burnett Beirut. Direcção: Carlos Lascano. Líbano, Março de 2009.

Silêncio

Estou cansado de falar e não tenho paciência para ouvir. Ler? Ler é acrescentar ao barulho das folhas o barulho das letras, até bocejar. Chegou a hora de embalar, de mansinho, o silêncio.
Carregar na imagem para aceder ao anúncio.

Bahr Loubnan

Anunciante: Bahr Loubnan. Título: Moment of Silence. Agência: H&c Leo Burnett. Líbano, 2005.

Aconchego

Warde. Home is a quest.

Warde. Home is a quest.

A Warde é a maior empresa revendedora de tecidos da África e do Médio Oriente. Neste anúncio, apresenta uma animação fabulosa feita com tecidos. Animais de todo o mundo demandam o lar, num movimento cheio de cor e de paz, com música a condizer.

Marca: Warde. Título: Home is a Quest. Agência: Leo Burnett Lebanon. Direção e produção: Onesize. Líbano, Fevereiro 2013.

Empurrãozinho

Byblos BankNeste anúncio libanês, bastante agradável, uma história de amores infantis é coroada com um cliché bem repescado. O produto, o banco, quase não aparece. O que, em publicidade, não é caso raro. Já no país dos empurrõezinhos, um empurrãozinho assim, amigável e eficaz, dava muito jeito.

Marca: Byblos Bank. Título: A Little Push Matters. Agência: FP7, Beirut. Direção: Wissam Smayra. Líbano, Janeiro 2013.