Tag Archive | japão

Paródia de uma utopia

Este artigo é do meu rapaz mais novo, o Fernando. Importa assegurar o futuro do blogue.

paprika

“Até as senhoras da corte dançaram ao ritmo das flautas e tambores dos sapos. O remoinho de papel reciclado era uma vista para se ver, como gráficos de computadores! … O frigorífico e a caixa de correio vão liderar o caminho… Caminhem juntos em frente, eu sou o derradeiro governador” (Paprika, 2006).

O tema do filme de animação Paprika, dirigido por Satoshi Kon em 2006, incide sobre o alcance dos sonhos.

A um dado momento, ocorre uma invasão, com a forma de uma parada de vários objectos. O sonho do consumismo. Quem é o sonhador desta parada? Não se sabe. Cada um entra na parada e integra-se como se fosse o seu sonho, cada um é o “derradeiro governador”, um individuo consumido pelo consumismo. O sonho que não é de ninguém mas de todos.

“Pergunto-me aonde se dirigia a parada. Sinto que estava mesmo perto de controlar o mundo.” Os participantes na parada sentem uma promessa, uma recompensa final. Contudo, esta é uma parada sem fim, uma viagem em espiral, crescendo aos círculos.

No final, a parada invade o mundo real. As pessoas vão-se transformando em objectos. O individuo vale o que possui.

Os anúncios e a própria internet não são mais do que formas de sonho. Um sonho que se aloja no subconsciente. Um jogo em que a realidade afeta os sonhos que, por sua vez, afetam a realidade, uma realidade onírica.

Reencontram-se muitas figuras e situações do filme Paprika no filme Inception lançado quatro anos depois, nomeadamente a interpenetração entre sonho e realidade.

Paprika.Satoshi Kon. Japão. 2006. Excerto.

 

Como os animais

Sagami Act of Love

“[As fábulas] não são apenas Morais; elas facultam outros conhecimentos. Os atributos dos Animais, e os seus diversos caracteres, nelas se exprimem; por conseguinte, os nossos também, porque nós somos a abreviatura daquilo que há de bom e de mau nas criaturas irrazoáveis” (Jean de La Fontaine. Fables. Préface, 1668).

“Nós somos a abreviatura daquilo que há de bom e de mau nas criaturas irrazoáveis”. Pensando bem, até somos irracionais. Segundo Karl Marx, “a anatomia do homem dá-nos uma chave para compreender a anatomia do macaco” (Introdução à Contribuição para a Crítica da Economia Política, 1858). Prefiro acreditar, com La Fontaine, que o macaco e os outros animais são o molde do homem. Atente-se nas danças do anúncio aos preservativos Sagami Original, em que os seres humanos imitam os rituais de galanteio dos animais. “O amor é profundamente animal: é a sua beleza” (Remy de Gourmont, Physique de l’Amour, Essai sur l’instinct sexuel, 1903. Nada que os Maroon 5 não cantem (Animals, 2014).

Marca: Sagami Original. Título: Act of Love. Agência: White Briefs. Direcção: Greg Brunkalla. Japão, Janeiro 2016.

Maroon 5. Animals. Álbum: V. 2014.

Malmequer

Fireflyman

Desfolhar anúncios publicitários como quem desfolha um malmequer.

Gosto! Anúncio com humor fantástico centrado no tema da luz. A morte que precede a lâmpada Ocedel tem tanto de catastrófico como de risonho e promissor. O anúncio progride sob o signo do amor e da esperança. A figura do homem vaga-lume é luminosa.

Marca: Ocedel. Título: Firefly Man. Agência: Nitto Tokio. Japão, Dezembro 2015.

Não gosto! Anúncio bem concebido e bem realizado, centrado na interacção trágica entre o amor e a morte. Nem sequer falta o “beijo da morte”! A morte é medonha, fatal, e a vida pecadora e frágil. Após décadas de planalto, vislumbram-se montanhas de medo. O medo propaga-se nas nossas sociedades. Porventura, mais do que a liquidez, as condutas de risco e o tribalismo. Não aprecio a educação pelo medo. Já há medo quanto baste! Livrai-nos de sociedades assustadas!

Anunciante: Western Cape Government. Título: The First Kiss. Agência: Y&R Capetown. África do Sul, Março 2016.

Cosmética

shiseido-hed-2015Ele ou ela? Uma questão de cosmética? Eis a magia da liquidez: mergulha-se mulher e sai homem; e vice-versa. O anúncio High School Girl?, da Shisheido, embora não o explicite, lembra a figura do andrógino, cara ao imaginário japonês.

As marcas de moda evidenciam-se pela qualidade dos anúncios. Este é um bom exemplo. Para aceder ao making of: https://www.youtube.com/watch?v=CM_uPPvXUXs.

Marca: Shisheido. Título: High School Girl? Japão, Outubro 2015.

Deus Máquina

Zenith

Zenith

O meu rapaz mais novo raramente visita este blogue. Desta vez, proporcionou-se. Gostou do artigo “o cronómetro da morte”. Lembra-lhe (está nos genes) um videojogo japonês: Resonance of Fate (ressonância do destino). A humanidade vive toda numa torre. No topo, está uma máquina com cristais de quartzo, um por cada pessoa. Quando chega a hora da morte, o respectivo cristal é destruído. Não há suicídio ou acidente que interfira. A máquina é associada a Deus. O enredo do jogo consiste em tentar sabotar a máquina sagrada e libertar o destino. Segue um trailer e um excerto do filme do videojogo (sem legendas).

Trailer. Resonance of Fate. Tri-Ace. Sega. PlayStation 3, Xbox 360. Takayuki Suguro. Japão, 2010.

Excerto do filme. Resonance of Fate. Tri-Ace. Sega. PlayStation 3, Xbox 360. Takayuki Suguro. Japão, 2010.

Turismos

BookingcomJapan_HerestotheExplorers15A comparação é uma excelente forma de obter conhecimento. Assim o entende, por exemplo, Max Weber. Há situações em que a comparação é uma tentação. A Booking.com lançou, este ano, dois anúncios. Um na Holanda (ocidental), o outro no Japão (oriental). A agência é a mesma: a Wieden+Kennedy. Marca e agência iguais, localização distinta. Apetece comparar, não apetece? Para sentir o pulso à globalização: será o globo redondo e liso, como uma bola de futebol? Ou torto e enrugado, como uma bola de trapos? São apenas dois casos. Não dá para extrapolar. Mesmo assim, vou comparar, a não ser mais para treinar a comparação. Não quer treinar, também?

Marca: Booking.com. Título: Booking Hero. Agência: Wieden+Kennedy Amsterdam. Direcção: Dante Ariola. Holanda, Fevereiro 2015.

Marca: Booking.com. Título: Here’s to explorers. Agência: Wieden+Kennedy Tokyo. Direcção: Matthew Swanson. Japão, Agosto 2015.

Do Japão, com humor

A publicidade oriental é um caso à parte. Ora nos brinda com anúncios de seis minutos de fazer chorar as pedras, ora nos espevita com sequências frenéticas que, ao jeito japonês, fazem dançar as galinhas.

No Anúncio da Shop Japan, o segredo reside na repetição acelerada do disparate (ver excerto de Henri Bergson). Pouco importa o que te faz cair, o que interessa é o que te levanta, eventualmente, um aparelho para abdominais. No segundo anúncio, Lighters, a evolução de uma pen USB isqueiro, desde a criação até à conquista do planeta, é pretexto para uma miscelânea tresloucada de tudo quanto é símbolo japonês e mundial.

Marca: Shop Japan. Título: Wonder Core – Ab Machine. Japão, 2014.

Marca: Jii USB Lighter. Título: Lighters. Japão, 2013.

Soluciona-se assim o pequeno enigma proposto por Pascal a certa altura dos Pensamentos: “Dois rostos semelhantes, cada um dos quais por si não faz rir, juntos fazem rir por sua semelhança.” Por nossa vez diríamos: “Os gestos de um orador, cada um dos quais não é risível em particular, por sua repetição fazem rir.” É que a vida bem ativa não deveria repetir-se. Onde haja repetição ou semelhança completa, pressentimos o mecânico funcionando por trás do vivo. Que o leitor analise a impressão obtida diante de dois rostos muito parecidos: verá que pensa em dois exemplares obtidos de um mesmo molde, ou em duas impressões de um mesmo carimbo, ou em duas reproduções de um mesmo clichê, em suma, num processo de fabricação industrial. No caso, a verdadeira causa do riso é esse desvio da vida na direção da mecânica (Henri Bergson, O Riso: Ensaio sobre a significação do cómico. 1ª edição: 1899).

Cem donzelas crepitantes

Frigideira japonesaAdoramos paradas e listas (Umberto Eco): fanfarras, eventos desportivos, cortejos académicos, romarias, congressos, concursos… Cem donzelas em mini saia a cozinhar uma panqueca, eis uma parada palpitante. Depois das esferas e das peças de automóvel, um dominó com panqueca e frigideira, mediante coreografia em série feminina. Cem criadas para cozinhar uma panqueca não condiz com a reputação da produtividade japonesa. Mas não se trata de uma panqueca qualquer! É uma panqueca de luxo, digna de assinatura. Assim como há alta costura também há alta cozinha. Esta panqueca é especial. Sabe a cem donzelas e faz crescer o cabelo! A panqueca não é para comer, é para colocar, quentinha, na cabeça.

Estou a desconversar. Hoje, acordei para desconversar. É a missão do dia. O novo milénio está a servir-nos tantas maravilhas que não há mezinha que resista. As cem criadas japonesas recordam-me as quatro instrumentistas do vídeo musical Addicted To Love, de Robert Palmer. Porquê? Pela sincronia? Pela precisão dos gestos? Pela estética robótica? Pelo resto, certamente.

Em suma, um excelente anúncio!

Marca: FlavorStone. Título: 100 Sizzling Japanese Maids in Action. Agência: Dentsu (Tokio). Japão, Janeiro 2015.

Excitação: a sopa das delícias

A gula e a luxúria, o banquete e o sexo, costumam andar de braço dado. Abundam os textos, as pinturas e os filmes onde se cruzam, como nesta gravura do século XV. Uma tentação a que a publicidade não resiste. No Japão, país de delícias requintadas, uma sopa gera um prazer irresistível consubstanciado num coro orgiástico (Marca: Miojo Ippei Chan. Título: We Can’t Stop. Agência: Hakuhodo. Japão, 2000). Para visualizar o anúncio, carregar na imagem ou no seguinte endereço: http://www.culturepub.fr/videos/myojo-ippei-chan-soupe-de-nouilles-we-can-t-stop/.

Mestre E. S. Festa no Jardim do Amor. C. 1465.

Mestre E. S. Festa no Jardim do Amor. C. 1465.

Son Goku em trajes menores

TootOs japoneses não enjeitam desafios. Quando todos apostam no presente, convém que alguém se preocupe com o futuro. Sem a devida casca, a árvore não sobrevive. Eis um homem objeto numa peça de realismo grotesco. A Victoria’s Secret que se cuide! Nem sequer a referência ao filme Laranja Mecânica, através da abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, faltou!

Marca: Toot. Título: Keep et all together. Agência: Saatchi & Saatchi Fallon (Tokyo). Japão, Dezembro 2014.