Tag Archive | globalização

Espelhos deformadores

Flat distorting mirrors

Atardo-me por terras de Islândia. Emiliana Torrini é islandesa. Tornou-se conhecida pela sua participação no Senhor dos Anéis (Gollum’s Song; As Duas Torres, 2002) e pela canção Jungle Drum (Me And Armini, 2008). Gosto do álbum Love In The Time Of Science (1999), especialmente da canção Baby Blue. Uma canção bem cantada encanta a dobrar.
O pai de Emiliana Torrini é italiano. Tenho um apreço enorme pela Itália. O que é um desconsolo. Tenho várias portas abertas para o mundo e a Itália quase nunca aparece. Aliás, a Espanha, a Grécia, Portugal e, em menor grau, a França parece que deram sumiço. Cinco países com um lastro histórico e cultural ímpar, que num par de décadas caíram do sétimo andar até às catacumbas. Não acredito que a produção cultural tenha entrado em colapso, mesmo com a “crise do petróleo” e as “novas tecnologias”. Na verdade, o mundo é uma feira popular com espelhos deformadores. E a Internet é uma enorme galeria de espelhos. Uma parte vale pelo todo e as outras partes carecem de uma lupa. O nosso mundo pode ser global, líquido, pós-moderno, pós-materialista, pós-humano, pós-urbano, pós-industrial, pós-colonial, pós-pipoca, não deixa de ser, como no romance de Camilo José Cela (A Colmeia, 1951), uma colmeia com vários enxames num cortiço político-financeiro. Talvez as abelhas humanas sejam menos propensas ao equilíbrio do aquilo que Bernard de Mandeville vaticinava (Fábula das Abelhas, 1705). Mas, sublinhe-se, todos contribuimos para as hegemonias culturais. Não fossem hegemonias…

Emiliana Torrini. Baby Blue. Love In The Time Of Science. 1999.

Os nós da globalização

Quino 1. Cada um no seu lugar

Quino 1. Cada um no seu lugar

Global, local, glocal? Comprimido, estável, expandido? Líquido, mole, firme? Próximo, distante? Rápido, lento? Grande, pequeno? O mundo depende das nossas pegadas, das nossas relações, das nossas escalas e dos nossos mapas mentais. “O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são.” (Protágoras). “O que conta está no interior”, a fazer fé no anúncio da Delsey Paris. Simon, após dar a volta ao mundo, encontra o que persegue, a mala, no ponto de partida. Durante a travessia, cresce-lhe a barba, entrega-se à aventura, restaura a identidade e abraça o amor paterno. Vê-se ao espelho do pai. A passagem de testemunho entre gerações é, frequentemente, pautada pela reincidência: fecha-se um ciclo, abre-se outro. E o mundo continua a girar em torno de si mesmo. Ao jeito do Quino.

Marca: Delsey Paris. Título: What Matters is Inside. Agência: Buzzman. Direcção: Against all odds. França, Abril 2018.

Mundo Quino

 

Repetição

Quino. Ratos.

Quino. Ratos.

“Si la publicité des journaux constitue un moyen de persuasion très efficace, c’est que peu d’esprits se trouvent assez forts pour résister au pouvoir de la répétition. Chez la plupart des hommes elle crée bientôt la certitude” (Gustave Le Bon, Les incertitudes de l’heure presente, 1923).

“Jadis l’esprit se manifestait en toute chose. A présent nous ne voyons plus qu’une répétition sans vie que nous ne comprenons pas. La signification du hiéroglyphe nous fait défaut” (Novalis (1772-1803). Semences. Trad. Francesa: Paris, Allia, 2004).

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade” (Joseph Goebbels).

Quino. No vazio da onda.Dizem os filósofos que o repetido é diferente do geral. A repetição requer uma singularidade, um original a copiar. Posto isto, é possível, pela repetição, fazer de um anão um gigante. Repete-se até frisar a monstruosidade. Mecânicas expeditas não faltam. Um cantor que se preze deve atingir milhões de visualizações na Internet, de preferência de um dia para o outro. É bom? Eis uma questão despropositada. O IMDb ordena os filmes segundo as receitas recolhidas. A comunidade científica pesa os investigadores em função das citações e das referências.

Quino. Plantando ideias

Quino. Plantando ideias.

Um cientista que recicla uma ideia há mais de dez anos tem, provavelmente, mais notoriedade do que um colega que desenvolve, todos os anos, ideias geniais, mas que, por qualquer motivo, as não mobiliza no circo da repetição. No circo da repetição, há círculos de repetição. Sabe-se muito destes e pouco daqueles. Acode-me, em noites sonâmbulas, que a ciência avançada assenta numa burocracia sofisticada, capaz de tudo e todos classificar, comparar e contabilizar. Presta-se, porém, a enxertos tribais de longo alcance, glocais e globais. Cerca de quatrocentos anos após a morte de Galileu, a ciência depara-se com um novo dogma: a repetição virtuosa.

Paixão pela burocracia. Crónica do ComUM.

Regresso às crónicas do ComUm. Para tentar perceber a razão e o porquê deste mundo que nos oprime sem porquê e sem razão. Para aceder, carregar na imagem.

ComUM Paixão pela Burocracia

 

Sociologia sem palavras 3. Globalização

 

1940_The_Great_Dictator_US01_2031x3000%5B1%5D

O bailado do ditador com o globo terrestre, cena famosa do filme O Grande Ditador, de Charles Chaplin, é um desafio ao pensamento. Ocorre-me, por exemplo, que, graças à globalização, alguns, quase nenhuns, têm a capacidade de dar pontapés no planeta e muitos, quase todos, têm o direito de recebê-los.

Sociologia sem palavras. Episódio 3. Globalização.

Um Mundo Bobo

The Fool’s Cap Map of the World, circa 1580-1590

The Fool’s Cap Map of the World, circa 1580-1590

Desde Pitágoras e Aristóteles que a terra é um globo. Sempre a globalizar-se. Hoje, globalização é uma palavra mestre. Sem deixar de  ser grande, o mundo está a ficar mais pequeno… Comprime-se. Aumenta a acessibilidade e a exposição. E o tempo? Será que a abertura espacial se presta a um encolhimento do tempo, designadamente histórico? Quanto mais nos perdemos no tempo, mais pressentimos a estreiteza do espaço. Um espaço sem distância e um tempo sem espessura. Acode-me um conceito, ora pedante, ora vadio, de uma certa tradição marxista (Georg Lukacs, Lucien Goldmann, Joseph Gabel, Herbert Marcuse, Karel Kosic): reificação. Folhas sem tronco nem raiz; flores sem terra. Em tempos idos, alguém concebeu um mundo globalizado bobo. Quatro séculos depois, estamos a vivê-lo.

Plantu

Plantu

Lavagem de palavras

Na minha juventude, quando um traço cultural característico de um país ou de um grupo de países era inculcado a outros países, acudia logo a palavra imperialismo, eventualmente cultural e inseparável de uma ideia de dominação. Com o tempo, a palavra tornou-se inoportuna. Para a mesma realidade, fala-se, agora, em globalização. Um conceito de conveniência, que se aplica a tudo e, caso disso, a nada. Não há melhor! Como se passou de um conceito para o outro? Não sei! Talvez por lavagem de palavras…

the-pride-of-the-yankees-65th-anniversary-edition-20080122081715758-2260050Mudando de assunto, o anúncio online Re2pect da Nike Jordan, lançado há dias, já é considerado um dos melhores anúncios do ano. Trata-se de uma homenagem a Derek Jeter, jogador dos New York Yankees, a quem todos “tiram o boné” (cap; casquette). O anúncio lembra, fatalmente, o filme The Pride of the Yankees (1942), com Gary Cooper. Se o anúncio fosse da Levi’s, marca igualmente imperial, perdão, global, as pessoas não levantavam a pala do boné mas desabotoavam as calças. Até no anúncio mais recente, bastante contido para o costume, alguém desaperta excitado as calças. Depois de tanto mostrar que as calças servem tanto para vestir como para despir, a Levi’s merecia um prémio pela luta contra o défice de fecundidade.

Marca: Nike Jordan. Título: Re2pect. Agência: Wieden+Kennedy. Direcção: Matt Aselton / Arts & Sciences. USA, Julho 2014.

Marca: Levi’s. Título: Just don’t bore them. Agência: FCB. Direcção: Frederik Bond. USA, Julho 2014.

Todo o mundo à porta; ninguém à janela.

Passa tanta gente à minha porta. E a solidão cá dentro.

A canção francesa, em tempos universal, está em vias de relocalização. Regressa às caves do Boulevard Saint Germain. Entretanto, uma língua e três ou quatro culturas particulares universalizam-se. O resto relocaliza-se, inventaria-se, resiste ou desiste. Hoje, (re)produz-se à moda dos coelhos: vai ser tão bom, não foi? Com tamanha velocidade não há lugar para a solidão. Não? E, contudo… Nos resíduos dos quatro cantos, toca o sino de Wall Street. Sempre há quem se pendure nas calças dos gigantes; e os abutres indígenas, omnívoros, atiram-se a qualquer porcaria com molho de cifrão. A solidão acompanha a dança; faça-se de conta que não é connosco.
O tema da solidão é caro à canção francesa. Escute-se, por exemplo, Georges Moustaki e Léo Ferré.

Georges Moustaki. Ma Solitude. 1969

Léo Ferré. La Solitude. 1971.

Papel Digital

Digital Insurance. BrazilEm turismo no Brasil, um casal de pombos depara-se com a destruição da floresta. Não revelo mais para não ser spoiler. Pode carregar em HD no canto superior direito do vídeo.

Marca: Digital Insurance. Título: Brazil. Agência: BBR Saatchi & Saatchi, Israel. Direção: Rani Carmeli. Israel, Outubro 2013.

A Bola e o Avião

Qatar Airways. BarcelonaDeve ser isto o futebol total! Transbordante! Como o Deus de Pascal: uma esfera cuja circunferência está em parte nenhuma e o centro em todo o lado (https://tendimag.files.wordpress.com/2011/10/futebol-c-grc3a1ficos1.pdf). A capacidade de propagação do futebol ultrapassa a do escaravelho da batata. “Respire futebol. Coma futebol. Beba coca-cola”. Sabendo que tudo gira à volta da bola, o que têm em comum o futebol e os aviões? Arrisco uma resposta: ambos nos transportam às nuvens, subindo e descendo num instante. Pese o protagonismo do futebol, este anúncio transpira moda e multimédia: Barcelona Fashion versus Qatar Airways Digital Art. E respira mitologia. Novos titãs roubam o fogo aos deuses, para apoteótica pirotecnia em terra. Nos videojogos, nos animes, na publicidade… Este anúncio, bem concebido e bem executado, é um bom exemplo de parceria globalizada, que “une o mundo”: marca do Qatar, protagonista espanhol e agência holandesa. Uma última nota: ao visionar este anúncio insinua-se uma sensação, frequente na publicidade, de deambulação não-lugar, cheio de lugares comuns. Nada de estranho, as primeiras imagens são de um aeroporto, o exemplo de não lugar para Marc Augé. Pelos vistos, somos convidados a conhecer a fantástica e fictícia ilha do FC Barcelona, na companhia dos heróis e dos símbolos da equipa “azul y grana” e de Julieta, uma bela e bem disposta hospedeira. Para mais informação: http://fcb.qatarairways.com/.

Anunciante: Qatar Airways. Título: Qatar and FC Barcelona – A team that unites the world. Agência 180 Amsterdam. Direção: Nick Gordon. Holanda, Agosto 2013.