Tag Archive | dignidade

Humanidade

O Salto 2

O papel da dor, das decepções e dos pensamentos sombrios não é de nos amargar, de nos fazer perder o nosso valor e a nossa dignidade, mas de nos amadurecer e de nos purificar (Hermann Hesse, Peter Camenzind, 1904).

Tendemos a associar o miserável e o doloroso ao desumano. Não é evidente! A emigração clandestina para França representou uma provação física e moral enorme, o que não impediu gestos de solidariedade e humanidade assinaláveis. Os primeiros tempos em terra alheia foram, frequentemente, marcados pelo desânimo. Nem por isso a humanidade desertou os contentores dos estaleiros (chantiers), os hotéis superlotados ou os bairros da lata (https://tendimag.com/2011/09/07/tina-a-menina-do-bairro-de-lata-de-paris/).

Emigrante a fazer a barba um estaleiro (chantier)

Emigrante a fazer a barba num estaleiro (chantier). Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

É, no entanto, nas ruas da cidade que mais paira a sombra do desencontro e da solidão O emigrante deambula por todo o lado, mas pouco ou nada reconhece; olha para toda a gente, ninguém o vê. Um estranhamento desamparado. Christian de Chalonge filma este sentimento de invisibilidade no filme O Salto (1967).

Uma pausa no trabalho. Diário de um emigrante. Notícia no jornal regional. Painel do Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Uma pausa no trabalho. Diário de um emigrante. Notícia de jornal regional. Painel do Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Não se pense, porém, que a dignidade humana prefere os corredores atapetados do poder aos caminhos enlameados do bairro de lata. A humanidade é uma dádiva. Sem dono, nem lugar cativo, não se decreta, nem se negoceia, acontece.

Vale a pena visitar o Espaço Memória e Fronteira, museu da emigração e do contrabando, em Melgaço.