Tag Archive | Brueghel

Labirinto de cegos

The Blind Leading the Blind, Pieter Brueghel the Elder, 1568.

Pieter Brughel. O Cego Conduzindo Cegos. 1568

Jean_Martin,_Les_Aveugles,_1937,_huile_sur_toile,_Lyon,_musée_des_Beaux-Arts

Jean Martin. Os Cegos. 1937. Lyon, Musée des Beaux Arts.

Há anúncios orientais, como este da Top Charoen Optical, que me ultrapassam. Que ligação existe entre quatro ladrões pitosgas e um banco de esperma? Uma empresa óptica. Nada como o absurdo para converter um deficiente visual. O disgusto pede óculos. O resto é imaginação desinibida. Apenas uma perplexidade: por quê o esperma como figura da desgraça?

Este anúncio tailandês lembra-me algumas obras de arte. Com mais de quatro séculos, o quadro de Pieter Brueghel, “um grupo de cegos conduzido por um cego” (1568), permanece actual. O quadro de Jean Martin, “os cegos” (1937; Lyon, Musée des Beaux Arts), condiz com a arte da desventura característica do Período entre as Duas Guerras Mundiais.

Marca: Top Charoen Optical. Título: The Bank. Agência: J. Walter Thompson Bangkok. Tailândia, 2003.

O suplício da intimidade

Pieter Brueghel the Elder. The Wedding Dance, circa 1566.

Pieter Brueghel the Elder. The Wedding Dance, c. 1566. Será que no séc. XVI os homens também tinham problemas com a roupa interior?

Acontece aos homens sentir desconforto nas partes indiscretas. Segundo o anúncio da Tommy John, o incómodo provém da roupa interior. Experimente a marca! Alívio imediato. As partes baixas foram, desde sempre, uma tentação, humorística, da publicidade. Mais do que as partes altas: honoráveis, corretas e notórias. O caldeirão vende mais que o ceptro.

Marca: Tommy John. Título: The Big Adjustment. Agência: Preacher. Direcção: Guy Shelmerdine. Estados Unidos, Outubro 2015.

Epidemia de Dança

A dança era uma actividade importante na Idade Média, omnipresente nas iluminuras e nos frescos. Até os mortos dançavam (danças macabras). As danças ditas de São Guido eram particularmente insólitas, devido ao seu carácter excessivo, histérico e epidémico. Algumas pessoas começavam a dançar de forma ininterrupta. Logo outras aderiam até chegar aos milhares. Homens, mulheres e crianças dançavam até à exaustão. Sem forças para se aguentar em pé, contorciam-se no chão. Uma testemunha da época descreve: “uma estranha doença invadiu neste tempo o povo. Muitas pessoas, por loucura, puseram-se a dançar todo o dia e toda a noite sem descanso até cair desmaiados. Alguns faleceram” (Stoeber, Auguste, Légendes d’Alsace, Ouest-France, 2010). Trata-se de uma adição (coreomania), acompanhada, frequentemente, por visões. O fenómeno podia prolongar-se por mais de um mês. Do séc. XIV ao século XVII, verificaram-se “excessos de dança” em várias cidades europeias, tais como Aix-la-Chapelle, Colónia ou Metz. Um dos casos mais célebres ocorreu em Julho de 1518 na cidade de Estrasburgo (para uma descrição, ver http://sometimes-interesting.com/2011/07/02/dancing-mania/). Pieter Brueghel O Velho, retrata este fenómeno numa gravura, que o filho, Pieter Brueghel, o Jovem, transpôs para a tela. Em suma, a originalidade não é fácil, mesmo nos novos tempos ditos pós-modernos.

Pieter Brueghel, the Elder. «The Dancing Mania. Pilgrimage of the Epileptics to the Church at Molenbeek». 1564

Pieter Brueghel, the Elder. «The Dancing Mania. Pilgrimage of the Epileptics to the Church at Molenbeek». 1564

Pieter Brueghel the Younger, The Saint John's Dancers in Molenbeeck 1592

Pieter Brueghel the Younger, The Saint John’s Dancers in Molenbeeck, Pormenor, 1592

O telemóvel indiscreto: Tecnologia e relações conjugais

As novas tecnologias interferem na interacção social, em particular, nas relações conjugais alargadas. É que aos homens custa-lhes dominar tecnologias tão simples como o telemóvel. São como os peixes de Brueghel: pescadores pescados.

Produto: Comviq. título: Leonard. Agência: The Mills Forsman & Bodenfors. Direçao: Kevin Thomas. Suécia, 2002.

Produto: Uol. Título: Caracas. Agência: Del Campo Nazca Saatchi & Saatchi. Argentina, 2002.