Tag Archive | anedota

De rir a chorar

spotify-play-this-at-my-funeral

Ontem como hoje, na Europa e no mundo, há funerais festivos e há funerais macabros. E outros ainda difíceis de classificar. Existem muitos anúncios publicitários com funerais. Começo por reter dois a pender para o risonho.

O ser humano delira. Dá-lhe para dançar e rir quando é suposto ensimesmar e chorar. No primeiro anúncio, um funeral com lágrimas e dança (ver anúncio português semelhante: https://tendimag.com/2014/02/20/a-um-morto-nada-se-recusa/). No segundo, o humor resulta mais vulgar: o velório passa colectivamente das lágrimas às gargalhadas. Passar de uma emoção à emoção oposta parece ser apanágio do homem. Talvez porque os extremos estão mais próximos do que se pensa.

Marca: Spotify. Título: Play this at my funeral. Agência: Wieden + Kennedy. USA, Fevereiro 2007.

Marca: Tages Anzeiger. Título: L’Enterrement. Agência: McCann Erikson. Suíça, 1998.

A isabel comentou este artigo relembrando o vídeo Doing It To Death, dos The Kills. Já o tinha colocado no Tendências do Imaginário (https://tendimag.com/2016/11/02/grao-a-grao-meio-milhao/). Mas o vídeo é extraordinário e a coreografia, fantástica. Vou recolocá-lo. O comentário da Isabel vem a preceito, também o vou colocar.

 “Embora não seja novidade no tendimag, suponho que este é um dos casos difíceis de classificar: https://www.youtube.com/watch?v=498zUzNGQxY (…) Quando os mortos têm um sentido de humor fora do comum e se tem um relação próxima com eles, o que fazer? Chorar de saudades ou rir com saudades? Não me parece assim tão difícil de compreender, só sentindo. Não deixa de ser uma homenagem, num sentido ou noutro. Ou oscilando” (Isabel Vilela).

The Kills. Doing It To Death. Ash & lce. 2016.

Kama Sutra

Muitos anúncios encenam anedotas seguindo um formato próximo do cartoon. Incidem sobre os tópicos do costume: o sexo, a religião, o poder, a desgraça e a estupidez. O anúncio Kama Sutra, da Fiat, convoca o sexo e a desgraça. Num ambiente de voyeurismo de bairro, a desgraça é pública. O percurso do casal lembra uma passerelle.

Carregar na imagem para aceder ao anúncio.

fiat-punto-acrobats-kamasutra-6001-55463Marca: Fiat. Título: Kamasutra. Agência: Leo Burnett Milan. Itália, 2002.

Apontamentos escatológicos II. Criatividade.

logo_adelaide-zoo_www-infront-com-auevtzoopops-au-1Nem todos os anúncios escatológicos são grosseiros. Alguns mostram algum refinamento. Creio ser o caso deste Lion, do Zoo de Adelaide (Austrália), galardoado em Cannes. Curto, quase minimalista. Natural…

Marca: Royal Zoological Society of South Australia Zoo Poo Fertilizer. Título: Lion. Agência: Escape Plan / Anifex, Adelaide. Direcção: Michael Kusack. Australia, 2002.

Prometi, no artigo precedente, uma segunda anedota escatológica:

Sentado no meio do caminho, Zéquinha entretem-se com um monte de bosta.
Vem o padre que, incomodado, lhe pergunta:
– Zéquinha, o que estás a fazer?
– Estou a fazer um padre, responde Zéquinha.
O padre afasta-se ofendido.
Vem a professora que pergunta horrorizada:
– Zéquinha, o que estás a fazer?
– Estou a fazer uma professora.
A professora afasta-se indignada.
O padre e a professora apressam-se a contar o desaforo ao polícia.
O polícia dá uma volta e encontra o Zéquinha mais o monte de bosta no caminho. Com voz grossa, pergunta:
– Zéquinha, o que estás a fazer?
– Não sei!
O polícia, presumido, prossegue a conversa:
– Pensei que estavas a fazer um polícia.
O Zéquinha explica de imediato:
– Para fazer um polícia era preciso mais bosta.

Apontamentos escatológicos. Rebaixamento.

Caricatura de Alonso (1871-1948), do primeiro quartel do século XX.

Caricatura de Alonso (1871-1948), do primeiro quartel do século XX.

A Eduarda enviou-me um anúncio que considera de “um mau gosto atroz”. Não sei o que sucede, mas parece-me que o anúncio está a ser retirado de circulação. Será fake? Será flop? Será banned? No momento em que escrevo este artigo, ainda está acessível no seguintes endereços: http://www.dailymotion.com/video/x32bgk9; ou http://www.culturepub.fr/videos/dude-wipes-plip-and-plop/. De qualquer modo, os anúncios escatológicos não são raros. Só na base de dados da Culture Pub, os anúncios com excrementos são às dezenas. A “coisa”, por incrível que pareça, compensa. Regenera: rebaixa e fertiliza. A coisa é convocada em festas e rituais. Na linguagem, é exuberante. Na literatura, Pantagruel envia ao pai uma extensa lista com as técnicas cientificamente testadas de limpar o rabo. O caricaturista Alonso desenha um penico a transbordar de políticos. Muniz Sodré e Raquel Paiva (O império do grotesco. Rio de Janeiro, Mauad, 2002) alongam-se sobre o grotesco escatológico, que consideram um géneros do grotesco.

point defiance

Marca: Point Defiance Zoo & Aquarium. Título: Joggers. Agência: Wongdoody. USA, 2002.

O anúncio Plip and Plop “estreou” há dias. Joggers estreou há treze anos (http://www.culturepub.fr/videos/point-defiance-zoo-aquarium-grosse-merde/). Neste anúncio, a coisa é enorme. Prenda de dinossauro, capaz de cobrir um ser humano adulto! A propósito da coisa, acodem-me duas anedotas. Ambas mostram como a coisa é talhada para rebaixar. Segue a primeira. No próximo artigo, conto a outra.

Um inglês passeia, de fato e guarda-chuva, na Avenida dos Aliados, no Porto. A um dado momento, surpreende-se com uma coisa estranha no chão. Observa, observa… e conclui.
– Isto parece merda, mas merda no Porto não pode ser!
Com a ponta do guarda-chuva mexe e remexe. E diz para os seus botões.
– Isto é mole como merda, mas merda no Porto não pode ser!
Com a ponta do guarda-chuva, pega numa pequena amostra e cheira.
– Isto cheira a merda, mas merda no Porto não pode ser!
Pega num pequeno pedaço e prova.
– Que horror, isso é mesmo merda, por pouco não pisei.

As minhas desculpas ao Porto e ao inglês, mas foi assim que, já lá vão quarenta anos, me contaram a anedota.

A Balada do Cigarro Estéril

publi-service-lori-the-lullaby

Este anúncio indiano contra o tabaco é um desafio. Um volte face bem gizado. O que acontece não é aquilo que pensamos. Lori, na Índia, significa uma canção de embalar. A figura da mulher obcecada por uma boneca é estranha. Não há outra solução para a esterilidade? A boa sensibilização contra o consumo de tabaco torna-se uma má sensibilização no que respeita à esterilidade. Convém atender ao “currículo oculto”. O anúncio sustenta, com criatividade, que o tabaco provoca a esterilidade, que é um dos pontos mais sensíveis da armadura psicológica do fumador masculino. Como se lê nas embalagens: “Fumar pode prejudicar o esperma e reduz a fertilidade”. Permito-me contar uma anedota. Um homem pretende comprar um maço de tabaco. Pega numa embalagem e lê: “Fumar mata”. Afasta-a. Pega noutra e lê: “Fumar pode reduzir o fluxo de sangue e provoca impotência”. Diz imediatamente para o vendedor: “Prefiro aqueles, que matam”. Termina, por hoje, a balada do cigarro estéril. Com direito a hipálage queirosiana.

Anunciante: Publi Service. Título: Lori (The Lullaby). Agência: self produced. Índia, Maio 2014.

A Ceia do Amor

A cruzada pela natalidade difere das cruzadas contra os salários, o emprego, as pensões e o poder de compra. A cruzada pela natalidade encerra ressonâncias prazerosas, que lembram, em tempos de contenção, uma anedota reaccionária.

War 2003 by Paula Rego born 1935

Paula Rego. War. 2003.

O Manuel e a Maria casaram. Na noite de núpcias, Maria confessa não saber cozinhar. Manuel era empregado bancário e Maria não tinha emprego. Ciente que o dinheiro não chegava, Manuel propõe a seguinte solução: “Ao meio dia, almoçamos no restaurante; à noite, jantamos amor”. Meu dito, meu feito! Correram os dias, sempre a mesma dieta: ao almoço, comiam no restaurante e à noite, comiam amor…

Certo dia, Manuel sai do trabalho uns minutos mais cedo. Abre a porta do prédio e depara com a mulher a escorregar pelo corrimão. Chegada ao rés-do-chão, desata a correr escadas acima e volta a deslizar corrimão abaixo. Mal aterra, Manuel, preocupado, pergunta-lhe: “O que estás a fazer, Maria?” Melosa, Maria responde: “Estou a aquecer a ceia, meu amor!” Eis um bom estímulo para um Portugal fecundo: a ceia do amor em tempos de crise.