A triste sina de um boneco de ventríloquo

Existem vertentes em que a semiótica do corpo se manifesta simples. Por exemplo, no que diz respeito à entrada e à saída de fluxos do corpo. Salvo rara excepção, tudo o que o corpo absorve é bom: o ar que enche os pulmões, a comida, a bebida, os cremes… Em contrapartida, tudo o que o que o corpo rejeita tende a ser mau: o vómito, o arroto, a expectoração, a transpiração, a urina e as necessidades e os ventos de baixo… As lágrimas? Não sei, a ambivalência que confirma a regra. Não falei de um fluxo que sai do corpo: o hálito, tema do anúncio brasileiro The Ventriloquist. Um ventríloquo tem mau hálito e o boneco sofre as consequências…

Marca: Halitus. Título: The Ventriloquist. Agência: Propeg (Brasil). Direcção: Rafael Damy. Brasil, Abril 2019.

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: