Violação

 

Gian Lorenzo Bernini. Apolo e Dafne, 1622-1625. Dafne transforma-se em loureiro para escapar ao assédio de Apolo

Gian Lorenzo Bernini. Apolo e Dafne, 1622-1625. Dafne transforma-se em loureiro para escapar ao assédio de Apolo

É pura física: quanto maior o número de pessoas dispostas a erguer o fardo, mais leve será o peso que cada indivíduo tem que carregar (Mariska Hargitay, Fundadora e Presidente da Joyful Heart Foundation).

A vida dos fenómenos pode ser secreta, discreta ou ostensiva. Existem crimes votados ao silêncio, outros, à discrição, outros, ainda, à notoriedade. A pedofilia e a corrupção passam por uma fase ostensiva, a violência doméstica, por um crescendo de atenção, a violação. pelo lado escuro da lua. Desconheço o motivo. Em termos de incidência e de danos, a violação rivaliza com com a maioria dos crimes de primeira página. Nunca investiguei a violação, o crime, a polícia ou a justiça. E a experiência é nula. Vi vários filmes, dos anos setenta, focados no julgamento de mulheres violadas. Coincidiam na devassa da vítima e no excesso do ónus da prova. O mínimo pormenor biográfico, gesto ou adereço era passível de aligeirar a culpa, quando não de justificar o acto. São, porém, filmes de há quarenta anos! Pode-se argumentar que a invisibilidade protege a vítima, bem como o agressor, que também possui os seus direitos. Por outro lado, a mediatização não estimula o crime? Este é um fraco argumento porque se aplica à generalidade dos crimes. Um argumento que justifica tudo, não justifica nada em particular.

A Joyful Heart Foundation alerta, especificamente, para uma negligência recorrente na investigação de casos de violação: parte das amostras recolhidas nas vítimas não são analisadas:

Every 98 seconds, someone is sexually assaulted in the United States. When a person is sexually assaulted, and chooses to undergo the invasive four-to-six hour evidence collection examination at the hospital, they expect the kit will be tested and the evidence used to prosecute the attacker. The public expects the same.

The DNA evidence contained in rape kits is a powerful tool to solve and prevent crime. Rape kit evidence can identify an unknown assailant, link crimes together, and identify serial rapists. Yet hundreds of thousands of times, a decision is made not to test the evidence. This leaves crimes unsolved and violent offenders on the streets.

We should all be shocked by this backlog. There are hundreds of thousands of kits. Untested. For years, many for more than a decade. Behind each of those kits is a person—a sexual assault survivor—waiting for justice (http://www.joyfulheartfoundation.org/blog/shelved-psa).

Anunciante: Joyful Heart Foundation. Título: Shelved. Agência: Invisible Man. Direcção: Ellen Kuras. Estados Unidos, Fevereiro 2018.

Duas ou três ressalvas. O vídeo circunscreve-se aos Estados Unidos. Não consultei fontes fidedignas, nem qualquer outro género de peddy-paper científico.  Enfim, como pode falar de notoriedade quem não se expõe aos media? Nestas matérias, sou ignorante até à ponta dos cabelos, mas, por vício, a palavra está-me na ponta da língua.

 

Etiquetas:, , , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: