Mulheres

Cheguei a Agnolo Bronzino (1503-1572) pela mão de São Bartolomeu, mas essa é uma história para contar noutro artigo. Italiano, Bronzino é um dos expoentes da pintura maneirista. É exímio na arte de pintar os rostos femininos. O vídeo foi acabado à pressa. Nestes tempos em que ninguém sabe o que é importante, tudo se faz à pressa. A música, La Folia e Dos estrellas le siguen (O Lusitano: Portuguese Renaissance Music , Circa 1500) é de Manuel Machado (1590-1646), compositor português do tempo dos Filipes. Temos pintura e temos música, falta literatura. Acrescento um poema, Retrato, de Frei Jerónimo Baía (1620 a 1630-1688), poeta barroco pródigo em versos pouco beneditinos dedicados ao género feminino.

Jerónimo Baia:
RETRATO

Pintar o rosto de Márcia
Com tal primor determino,
Que seja logo seu rosto
Pela pinta conhecido.

Anda doudo de prazer
Seu cabelo por tão lindo,
Pois mal lhe vai uma onda,
Quando outra já lhe tem vindo.

Sua testa com seus arcos
Do Turco Império castigo
Vencido tem Solimão,
Meias Luas tem vencido.

Dormidos seus olhos são,
Porém Planetas tão ricos
Nunca já foram sonhados,
Bem que sempre são dormidos.

A dormir creio se lançam
Por ter de mortais, e vivos
Tão boa fama cobrado,
Nome tão grande adquirido.

Entre seus raios se mostra
O grande nariz bornido,
Por final que entre seus raios
Prova o nariz de aquilino.

Nas taças de suas faces
Feitas do metal mais limpo,
Como certos Reverendos,
Mistura o branco co’tinto.

As perlas dos dentes alvos,
Os rubins dos beiços finos
Tem desdentado o marfim,
E a cor mais viva comido.

O passadiço da voz
Nem é neve, nem é vidro,
Nem mármore, nem marfim,
Nem cristal, mas passadiço.

Na maior força de Julho
Creio que treme de frio,
Pois tem como neve as mãos
E os pés como neve frios.

Que nelas há dous contrários
Os meus olhos mo têm dito,
Pois sendo uma fermosura
São mais pequenas que os chispos.

No maior rigor do Inverno,
Na maior calma de Estio,
Nem tem frio, nem tem calma,
Nem tem calma, nem tem frio.

Porque de Inverno, e Verão
Sempre Primavera há sido,
Pois sempre veste de Abril,
E de Maio traz vestido.

Este é de Márcia o retrato,
E dirá quem o tem visto,
Que com ela o seu retrato
Se parece todo escrito.

Mas se em cousa alg~ua erro
Das que até’qui tenho dito,
À vista do tal retrato
Me retrato, e me desdigo.

(Fénix, II, p. 330-32)

Etiquetas:, , , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: