Corcundas

Primeiro os bailarinos, agora os corcundas. Jacques Callot gravou,  em 1620-1622, 20 estampas com corcundas (Les Gobbi) a jogar, a tocar e a fazer outras habilidades. Não é de estranhar esta escolha de Jacques Callot. Mais não seja, os corcundas, segundo o imaginário popular, dão sorte. Mas Callot desenha saltimbancos e desgraçados, tal como, alguns anos antes, Hieronymus Bosch e Pieter Brueghel desenharam e pintaram indigentes, aleijados e cegos. Estas figuras caracterizavam a vivência e a cultura da praça pública, bem retratadas por Mikhail Bakhtin a propósito da obra de François Rabelais.

 

 

Etiquetas:, , , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: