Tag Archive | The Cinematic Orchestra

À maneira grotesca

Andrés de Melgar. Grotesques, ca. 1545–60.

Há nove anos, interessava-me tanto pelos vídeos musicais como pela publicidade. Escrevi, em Julho de 2010, no Facebook, um artigo sobre a canção Lilac Wine, na versão dos The Cinematic Orchestra. Reproduzo o vídeo e o comentário:

The Cinematic Orchestra. Lilac Wine. Cover. 2010.

“Gosto de grotescos: linhas e figuras que se encadeiam e serpenteiam em caprichoso movimento e perpétua metamorfose. São fantásticos os grotescos do Vaticano, de Florença ou do palácio de Nero perto do Coliseu de Roma. Também há grotescos em Portugal… Na actualidade, continuamos a produzir grotescos. Na publicidade, por exemplo, mas também nos vídeos musicais. Lembro os U2 (Original of the Species) ou os Gnarls Barkley (Crazy). Gosto de Lilac Wine (na voz de Nina Simone, Jeff Buckley, Katie Melua, Jeff Beck…). Gosto dos The Cinematic Orchestra”.

A ti que deixaste de estar onde te encontrei

The Cinematic Orchestra. Lilac Wine.

Gosto de grotescos: linhas e figuras que se entrelaçam em caprichoso movimento e perpétua metamorfose. São fantásticos os grotescos do Vaticano, de Florença, de Pompeia ou da Domus Aura em Roma. Continuamos a produzir grotescos. Por exemplo, na publicidade e nos vídeos musicais. Lembro os U2 (Original of the Species) ou os Gnarls Barkley (Crazy). Gosto de Lilac Wine (na voz de Nina Simone, Jeff Buckley, Katie Melua, Jeff Beck…). Gosto, também, dos The Cinematic OrchestraAconselho a definição 720p.

The Cinematic Orchestra. Lilac Wine. Various artists. 50 years of Dr. Martens. 2010.

Anúncio vintage

1300576213-17Há anúncios que, ano após ano, reaparecem nos ecrãs. Lembro-me de marcas como Old Spice, Ferrero Rocher ou Nespresso. O fenómeno é antigo: em Itália, o Martini, e em França, os anúncios Fruit d’Or, com Tintim, e Panzani, com Don Camillo, resistiram longos anos. Mas estes anúncios venceram o tempo renovando-se. Apresentam novas versões. Não é o caso deste anúncio da agência kbs+p para o perfume Acqua di Gioia, de Giorgio Armani. Estreado em 2010, mantem-se tal e qual nos ecrãs. O que é que ele tem que os outros não têm? A música “Arrival of the Birds”, dos The Cinematic Orchestra? Ajuda, mas não basta. A modelo norte-americana Emily DiDonato? Também ajuda, mas não basta… O que é que este anúncio tem que os outros não têm?