Tag Archive | The Beatles

Confinamento desconfinado

Gustave Courbet. Les Cribleuses de Blé. 1854.

Confinamento desconfinado. Uma peneira esburacada. Estas palavras turvam-me o pensamento. Há dias publiquei um gráfico que comparava o número de infetados por 100 000 habitantes nos países da Europa. Portugal estava numa posição delicada. Volvidos poucos dias, a situação piorou: Portugal é o país com mais casos por milhão de habitantes a nível mundial. Avoluma-se o número de infetados, de hospitalizados e de mortos. Que incómodos rivalizam com o internamento nos cuidados intensivos ou a agonia nas instituições de idosos? Que efeitos colaterais rivalizam com a doença? Com as filas de ambulâncias às portas das urgências? Os mortos não sofrem traumas pedagógicos, assimétricos ou identitários. A morte não é reversível. Para os mortos, não há futuro perdido. Não admira que num confinamento desconfinado, o essencial pareça depender de cada um e de todos nós. Decretos coletivos com responsabilidade individual. A avaliação das consequências é uma arte, a arte de decidir.

The Beatles. Don’t Let Me Down. Hey Jude. 1970.
The Beatles. Come Together. Abbey Road. 1969.

Tu fazes parte!

Guimarães. Tu fazes parte! 2012.

Um blogue tem um público. Que público? Quem e como são os visitantes do Tendências do Imaginário? Como sintonizar um público desconhecido.

O Tendências do Imaginário funciona como um arquivo. Se quero ouvir a folia portuguesa, projectar O Desconcerto do Mundo ou transferir o artigo “Uma Vida Entre Parêntesis”, o blogue está à mão. É uma espécie de “nuvem” temática. Mas os arquivos pedem arrumação. Por exemplo, colmatar falhas, como a canção Come together do Beatles.

The Beatles. Come Together. Abbey Road. 1969.

O Tendências do Imaginário funciona também como caderno de apontamentos, cujo alcance pode ser grande. A Morte na Arte, livro em fase de conclusão, é composto, exclusivamente, por artigos do blogue.

O Tendências do Imaginário releva de um bricolage pessoal, que combina desejo, intuição e oportunidade. As ideias andam soltas como as cabras na montanha.

Esta reflexividade de três vinténs vem a propósito da inserção da música Come Together, dos Beatles. Toda a gente conhece. Mas sente-se a falta no “arquivo”. No que respeita ao registo musical, esta ausência é uma falha.

Propenso a misturas, entendi complementar a Come Together com um anúncio afim. Um anúncio centrado no sentimento de estar em conjunto. Cismei que devia ser um anúncio português. Há muitos anúncios portugueses com ajuntamentos. Mas voltei a cismar: o anúncio deve abranger tanto a união como a separação.

Marca: NOS. Título: Caixinha mágica. Agência: Havas. Direcção: Marco Martins. Portugal, Novembro 2018.

O anúncio Caixinha Mágica, da NOS, cumpre os requisitos. As pessoas juntam-se, separam-se e voltam a juntar-se. Um trabalho fabuloso da agência Havas e da produtora Escritório. Mas o anúncio contém uma “surpresa”: a filmagem é em Guimarães, na Praça da Oliveira. Lembra o lema de Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura: Tu fazes parte! Por sinal, o vídeo promocional da Capital Europeia da Cultura começa precisamente na Praça da Oliveira.

Vídeo promocional da campanha TU FAZES PARTE, Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura. 2012.

A mensagem, o discurso, não se desfia, não se desfaz, escava-se e revolve-se.

Uma banda no telhado

Rooftop Beatles

A genialidade e a extravagância andam muitas vezes de mãos dadas. Os Beatles deram, no dia 30 de Janeiro de 1969, um concerto no telhado do edifício Apple Headquarters, no 3 Saville Road, em Londres. O engenheiro de som foi Alan Parsons, ligado aos Pink Floyd e fundador dos Alan Parsons Project. O efeito foi, no mínimo, perturbador, com a Polícia Metropolitana a intervir. Consta que foi o último concerto público dos Beatles. Seleccionei a canção Don’t Let Me Down (1969).

Nem com excesso de recursos é fácil ser original. Menos de dois meses antes, no dia 7 de Dezembro de 1968, a banda norte-americana de rock progressivo Jefferson Airplane deu um concerto num telhado em Nova Iorque. Foi filmado por Jean-Luc Godard. O efeito? Tudo menos discreto. Seleccionei a canção The House at Pooneil Corners (1968).

The Beatles. Don’t Let Me Down. Ao vivo no telhado do edifício Apple Headquarter, nº 3 Saville Road. Londres, 30 de Janeiro de 1969.

Jefferson Airplane. The House at Pooneil Corners. Ao vivo num telhado em Nova Iorque, 7 de Dezembro de 1968.

 

Com uma pequena ajuda dos Beatles

Beatles_DrumsO Elvis Presley é um herói do rock e da publicidade. Mas os Beatles não ficam atrás. Fazem parte de inúmeros anúncios. Os anúncios seguintes são autênticos vídeos musicais. O primeiro, da BBC, com o título de uma música dos Beatles, I’m the Whalrus, é um mosaico de sequências que confrontam o humano e o animal. Trata-se de um anúncio antigo (2000) e raro. O segundo anúncio, Beatles Story, da Mtv games/Xbox, é mais recente (2009). Propõe uma animação do percurso dos Beatles, desde o underground até ao psicadélico.

BBC Curiosity. The WhalrusMarca: BBC Curiosity. Título: I’m the Whalrus. Agência: Leagas Delanay. UK, 2000.

Marca: Mtv games/Xbox. Título: Beatles Story. 2009