Tag Archive | Tailância

Como fazer amigos

Giovanni Battista Tiepolo “Apollo and Diana” fresco 1757 (detail) Villa Valmarana, Vicenza

Giovanni Battista Tiepolo “Apollo and Diana” fresco 1757 (detail) Villa Valmarana, Vicenza

Sentar-se numa nuvem
Molha o rabo
Ontem, sentei-me numa
Hoje, estou constipado

O anúncio tailandês Friendshit, da Kasikornbank, é um exemplo de publicidade oriental: longo, lento e louco. Centra-se nas pessoas e nas emoções, com um sentido de humor que não teme a repetição. Um excelente vídeo de ilustração para uma aula de Sociologia da Comunicação, ao jeito da Escola de Palo Alto, especialmente de Erving Goffman, cuja tese de doutoramento (Communication conduct in an island community ,1953) incide sobre a arte da conversa nas ilhas Shetland.

Marca: Kasikornbank. Título: Friendshit. Agência: GREYnJ United. Tailândia, Fevereiro 2018.

O peso das coisas

Pega no presente e pulsa o ritmo cadente de um músculo novo que nasce sem esforço porque se inventa como o vento e as marés (João Negreiros. O Manual da Felicidade. 2015).

René Magitte. Chateau des Pyrenées. 1959.

René Magitte. Chateau des Pyrenées. 1959.

Em tempo de exultação da leveza, o peso e a robustez não se intimidam. Dá-me um extremo e mostro-te o outro. Uma barra tem dois extremos. Dobrada, os extremos tocam-se. O mundo anda assim, dobrado, com as distâncias a dançar tango. Fácil de dizer, mas difícil de ilustrar. Estes quatro anúncios a automóveis vêm a talhe de foice: apostam no valor da robustez, com a leveza na lapela.

A carrinha Ford aguenta a violência dos gorilas, mas é um brinquedo na sua mão. A Toyota enfrenta a fúria do mar, mas flutua como uma boia de pesca. A Dodge perfura o planeta, num voo caído, sem fundo.

No anúncio da General Motors, os automóveis, pesados, levitam. Não existe uma via única para conjugar leveza e levitação. Até as ilhas levitam ou voam, como nas viagens de Gulliver, nas pinturas de Magritte ou nos vídeos dos Gorillaz. Na Idade Média, gordos e magros desafiaram a gravidade. Gostava de te sussurrar ao ouvido que para voar não é preciso ter asas, mas peso. Para voar, importa começar. E não te esqueças de fazer um sinal, “um bom sinal, um sinal de que não estamos fixos” (ao jeito de Jacques Prévert). Estende-me um tapete e descolarei, como São Bento, rumo aos céus.

Marca: Ford Ranger. Título: King Kong. Agência: J. Walter Thompson. Direcção: Thanonchai Sornsriwichai. Tailândia, 2005.

Marca Toyota Tacoma. Título: Tide. Agência: Saatchi & Saatchi (Los Angeles). Direcção: Baker Smith. USA, 2006.

Marca: Daimler Chrysler Dodge Nitro. Título: Planet. Agência: BBDO (New York). Direcção:  Acne. USA, 2006.

Marca: General Motors. Título: Elevation. Agência: Deutsch (Los Angeles). Direcção: Phil Joanou. USA, 2007.

O mundo é injusto com os obesos

Existem desigualdades de classe, de raça e de género. Mas subsistem outras fontes de desigualdade com impacto na vida das pessoas. Por exemplo, a aparência física, nomeadamente a beleza e a obesidade. Que saiba, ainda não há Marx, Fanon ou Sand que denuncie estas desigualdades. Algumas campanhas atuais contra a obesidade lembram, com mais ou menos terapia, as campanhas contra os pobres dos tempos de Malthus. Este anúncio da Mind & Care é ambivalente: por um lado, integra, a não ser mais pela sua atividade, a campanha contra a obesidade; por outro lado, ilustra admiravelmente a discriminação quotidiana de que são alvo os obesos. “The world’s unfair to the oversized”. Lembrete: se carregar em HD no canto superior direito, a qualidade do vídeo melhora.

Anunciante: Mind & Care Weight Control Center. Título: Elevator. Agência: Saatchi & Saatchi (Bangkok). Tailândia, 2001.