Tag Archive | som

Água do deserto

Sony Bravia. Desert Water. 2019

Os anúncios da Sony são extraordinários. Efeitos visuais fabulosos e uma estética fantástica. No anúncio Desert Water, o som é vedeta. Sai, incluindo a voz de Grace VanderWaal, do próprio ecrã. Uma gota de água avoluma-se, através de um dominó de monitores, até se despenhar numa cascata. O som, portentoso, é imersivo. Tão real como o real!

Da série de anúncios a televisores da Sony, o meu preferido é o Balls, de 2005 (ver https://tendimag.com/2013/11/05/erupcao-de-cores/). Recordo, não obstante, o Strangely Beautiful / Ice bubbles, de 2014.

We soon see the beginning of life, as a single drop of water emerges into the scene through a BRAVIA AG9 TV. The drop turns into a river as the music grows to match its intensity and strength. As the spot leads us through an ever-emotive experience, we witness the river becoming a beautiful waterfall, a climatic finish that lets the viewer be immersed in sound and vision (Innocean).

Marca: Sony. Título: Desert water. Agência: Innocean. Reino Unido, Maio 2019.
Marca: Sony. Título: Strangely Beautiful / Ice Bubbles. Agência: Adam&Eve BBD (London). Direcção: Leila & damien de Blinkk. Reino Unido, 2014.

Ritmo e cor

House of Marley. The get together

Som, ritmo e cor! Desta vez, o melhor é deixar o corpo a dançar e a filosofar sozinho.

Marca: House of Marley. Título: The get together. Agência/produção: Psyop. USA, Julho 2014.

Ser diferente

Arte por crianças com autismo. Amigos, por  Wil C. Kerner, com 12 anos de idade.

Arte produzida por crianças com autismo. Amigos, por Wil C. Kerner, com 12 anos de idade.

Há mundos e mundos. Os teus, os dos outros e os nossos. E aqueles que nem sequer suspeitamos. Mundos da vida. Mundos sensoriais. O que ouve um autista? Este anúncio da National Autistic Society esboça um cenário (para mais informação, consultar http://www.autism.org.uk/living-with-autism/understanding-behaviour/the-sensory-world-of-autism.aspx).

Anunciante: National Autistic Society. Título: Sensory Overload. Agência: The News. Direcção: Steve Cope. USA, Abril 2014.

O anúncio Sensory Overload lembra a ópera rock Tommy (1969), dos The Who, filmada por Ken Russell. Durante a guerra, o capitão Walker é dado como morto. Deixa a mulher grávida. Nasce Tommy. A mãe tem um amante: Frank. Passados alguns anos, o pai, inesperadamente, regressa e é assassinado por Frank. Tommy presencia a tragédia através de um espelho. A mãe e o padrasto insistem que ele nada viu, nem ouviu, logo nada contará a ninguém. Tommy torna-se, de facto, cego, surdo e mudo…

Os anos corroeram a memória dos The Who e do realizador Ken Russell, que ganhou um óscar em 1969 pelo filme Women in love. Em 1971, estreou o estranho e excessivo The Devils. Em 1980, é a vez da ficção científica com Altered States. Realizou, também, vários filmes dedicados a compositores musicais (Elgar, Liszt, Mahler, Tchaikovsky).

Sobram fórmulas para enterrar talentos. A mais vulgar é R.I.P. e a mais eufemística, “estava adiantado em relação ao seu tempo”: a obra de Ken Russel tinha traços pós-modernos, mas antes da declaração do fim das grandes narrativas, e barrocos, mas antes do neobarroco…

Segue a faixa See Me Feel Me – Listening to you, do album Tommy (1969) dos The Who.

À Cabeçada

Humor retorcido mas inspirador. Conheço, por exemplo, um país que quanto mais usa a cabeça maior é a sua cotação no estrangeiro. Será o efeito galo?

Anunciante: International Radio Festival Zurich. Título: Post. Agência: TBWA\ZÜRICH, Zurich. Direção:  Karim Huu Do. Suíça, Setembro 2012.

Sons do cartão de crédito

Nos tempos que correm, o mais avisado é descobrir outros usos para o cartão de crédito. Este anúncio finlandês dá-nos algumas pistas.

Marca: S-Bank. Título: The card as an instrument. Agência: 358 Helsinki. Finlância, Fevereiro 2012.

Hieróglifo urbano

Este anúncio não provoca amor à primeira vista, antes suave massagem estética. Entranha-se. O que começa como publicidade, acaba como arte. É original. A imagem é soberba. Sem música de fundo, desfruta, em contrapartida, de um som fabuloso. Dispensa a palavra. Não tem história, mas faz sentido. Com este andar, os sapatos Osíris afirmam-se como hieróglifo de uma subcultura urbana. Se viu, reveja, não se contente com a margem quando pode ousar a travessia.

Marca: Osiris Shoes; Título: The soul of the Osiris. Agência: Futuristic Films;  Direcção:  Nicholaus Goossen. EUA, Setembro 2011.