Tag Archive | Senhor dos Anéis

O preto não é uma cor, é uma atitude!

Walter Crane. Neptune's Horses (detalhe). 1882.

Walter Crane. Neptune’s Horses (detalhe). 1882.

Saiu um novo anúncio da Guinness: Made of Black (Gana). Um anúncio da Guinness costuma ser um acontecimento no mundo da publicidade. Por tradição, constam entre os melhores dos melhores. Recordo Sapeurs (2014), World (2009), Tipping Point (2007), Noitulove (2005), Lava (2002) e Surfer (1999). Este último somou prémios e foi considerado, em 2002, o melhor anúncio de sempre pelo Channel 4 e pelo Sunday Times. Os rankings valem o que valem, mas não deixam de valer o que valem.

Marca: Guinness. Título: Made of Black. Agência: Abbot Mead Vickers / BBDO, London. Direção: Sam Brown. Gana, Agosto 2014.

Bon Boullogne dit l'âinée. Neptune amenant Amphitrite dans un char marin. Início séc. XVIII

Bon Boullogne dit l’âinée. Neptune amenant Amphitrite dans un char marin. Início séc. XVIII

A ideia da potência das ondas expressa por cavalos brancos não é nova: é evidente no quadro Neptune’s Horses, de Walter Crane (1892), que inspirou, assumidamente, o anúncio. Trata-se de uma entre muitas pinturas com o carro de cavalos de Neptuno. Reencontra-se esta aproximação entre cavalos e água na cena do rio do filme O Senhor dos Anéis – Irmandade do Anel (2001), com cavalos brancos a emergir da torrente mágica. O diálogo, ou duelo, entre cavalos e surfistas confere um carácter épico e místico ao anúncio.

Marca: Guinness. Título: Surfer. Agência: Abbot Mead Vickers / BBDO, London. Direção: Jonathan Glazer. UK, Março 1999.

Made of Black opta por uma sucessão de imagens muito breves, algumas em slow motion. É um formato frequente. Mas, neste anúncio, cada sequência namora a arte, numa combinação exímia de imagem, som e voz. Os últimos segundos convocam o tópico, que me é caro, da desgravitação. Sincronizar uma dezena de corpos suspensos no ar é obra notável. A Guinness é uma marca de cerveja preta irlandesa. Sofre com o preconceito de que a cerveja preta não é nem tão leve, nem tão versátil como a cerveja “loira”. O anúncio aponta para a seguinte máxima: “o preto não é uma cor, é uma atitude”. A Guinness tem, neste domínio, algum caminho a percorrer. Mas já começou.

Senhor dos Anéis – A Irmandade do Anel. 2001. Cena do rio.

Time no longer matters

Em “Como nunca ninguém viu: O olhar na publicidade” (in Imagem e Pensamento, Coimbra, Grácio Ed, 2011, pp 139-165), abordei a questão da propensão para a distorção do tempo no mundo contemporâneo, convocando uma dúzia de anúncios publicitários como exemplo. O tempo abranda, acelera, para, concorre com outros tempos. O tempo é cada vez menos mágico e cada vez mais alvo de magia. O artigo fecha com a análise de um anúncio em que um homem controla a marcha do tempo e do mundo com um comando de televisão. Este anúncio, uma paródia clara do Senhor dos Anéis, inscreve-se nesta tendência, subjectiva mas também objectiva, de relação distorcida com o tempo.

Unexpected Flight in the Middle Earth

Este anúncio da Air New Zealand é um cocktail prodigioso. Paródia de um ritual quase sagrado do voo comercial: o briefing inicial. Miscelânea de personagens de todas as órbitas, incluindo os reinos do Senhor dos Anéis. Espanto e riso a cada novo personagem ou nova situação. Intertextualidade: como esquecer a cena do bar da Guerra da Estrelas? O grotesco ao serviço da publicidade. Precious!

Marca: Air New Zealand. Título: Unexpected Flight. Agência: 99. Nova Zelândia, Outubro 2012.