Tag Archive | mito

Telemóvel Superstar. Parada de mitos

Não sei se o homem e a mulher são religiosos, mas adoram ídolos e símbolos. Até na cozedura do pão! O anúncio Phone History, da Three, comprova-o o valor dos ídolos e dos símbolos. O naufrágio do Titanic, a fome na pré-história, as esposas de Henrique VIII, a Serpente de Eva, o incêndio de Roma, Moisés no mar Vermelho, todos estes episódios teriam sido diferentes se, no seu tempo, existissem telemóveis. Nem roda, nem máquina a vapor. Glória! Graças ao telemóvel, vivemos uma viragem excepcional na história da humanidade. Vai mais uma paródia de um mito? O rei Don Sebastião, o Encoberto, foi finalmente descoberto graças ao GPS de um telemóvel. Estava à espera de um barco no Entroncamento.

O anúncio é criativo e o ritmo das sequências é admirável. Felizes as marcas que se expõem ao próprio humor.

Marca: Three. Título: Phone History. Agência: Wieden+Kennedy (London). Direcção: Ian Pons Jewell. Reino Unido, Outubro 2018.

 

Natal andróide

Edeka. Christmas. 2117

Num mundo disfórico entregue às máquinas, um andróide deixa-se cativar por alguns vestígios de vida humana num cartaz e num filme com a ceia de Natal. Começa uma odisseia da máquina em busca do humano. Simula a ceia de Natal com manequins, mas não resulta, falta o espírito. Acaba por reconhecer a paisagem numa fotografia de um jornal.  Por vales e montanhas, encontra finalmente a família humana que o acolhe com generosidade.

Este anúncio lembra filmes tais como O Planeta dos Macacos (1968), Blade Runner (1982), Equilibrium (2002) ou WALL-E (2008). E convoca uma série de mitos mais ou menos contemporâneos:

– A superação e a dominação do homem, aprendiz de feiticeiro (Goethe, 1797), pelas suas próprias obras, nomeadamente computadores e andróides;

– As máquinas assumem-se mais humanas do que os humanos, propiciando um espelho, mais ou menos deformado, da condição humana;

– Uma ovelha negra redentora galga fronteiras e vence obstáculos contribuindo para a emancipação, mais ou menos fugaz e inconsequente, dos oprimidos.

Marca:  Edeka. Título: Will we celebrate Christmas in 2117? Agência: Jung von Matt. Alemanha, Novembro 2017.

Sociologia sem palavras 17. A publicidade.

 

licornesA publicidade é um repositório do imaginário contemporâneo. Lembra um livro de horas votado à salvação pela mercadoria. O anúncio Os unicórnios do Canal Plus é fantástico.

Sociologia sem palavras 17. A publicidade. Canal Plus. Les Licornes. BETC.  Jan 2015.

O enterro do Super-Homem

superman-hd-wallpaper-and-desktop-backgroundOs super-heróis são os semideuses da actualidade. Graças a esses sobre-humanos, acontece-nos reconhecer o humano, com traços grossos e excessivos. Somos feitos deste barro. Desconfiamos do espelho e do outro, mas rendemo-nos à refracção que retoca uma humanidade desbotada. Trata-se de um desencontro que consola. Comigo funciona: a minha barriga é o peito do Super-Homem e o tabaco, a kriptonita. Mas, desenganemo-nos, os super-heróis são, afinal, caducos. Até ao próximo episódio, o Super-Homem morre ingloriamente por uma causa ilustre: revelar que até os super-heróis carecem dos serviços de uma seguradora.

Marca: Banorte. Título: Enterro de Superman. Agência: DDBO. México, 2001.

O Rapto de Europa. Com os olhos no retrovisor.

Mais avisado do que convocar a besta, talvez seja mostrar a obra. A besta sobressai durante as eleições, mas é da obra que se alimenta. Segundo a mitologia grega, Europa senta-se, imprudente, no dorso de um touro (Zeus), que a rapta. Subjugada pela potência, a bela Europa olha para trás: sabe o que perde e teme o que ganha.

Paul Manship. Flight of Europa. 1925

Paul Manship. Flight of Europa. 1925

“Europa era uma linda princesa fenícia. Como ainda não chegara à idade de casar, vivia com os pais num magnífico palácio e tinha por hábito dar longos passeios com as amigas nos prados e nos bosques. Certo dia quando apanhava flores junto da foz de um rio foi avistada por Zeus (o deus supremo) que se debruçava lá do Olimpo observando os mortais. Fascinado com tanta formosura, decidiu raptá-la. Para evitar a fúria da sua ciumentíssima mulher, quis disfarçar-se. Nada mais fácil para quem tem poderes sobre naturais! Tomou a forma de um touro. Um belo touro castanho com um círculo prateado a enfeitar a testa. Desceu então ao prado e deitou-se aos pés da Europa. Ela ficou encantada por ver ali um animal tão manso, de pelo sedoso e olhar meigo. Primeiro afagou-o, depois sentou-se-lhe no dorso e… o touro disparou de imediato a voar por cima do oceano. A pobre princesa ficou assustadíssima. Mas não tardou a perceber que o raptor só podia ser um deus disfarçado, pois entre as ondas emergiam peixes, tritões e sereias a acenar-lhes. Até Posídon apareceu agitando o seu tridente.

Muito chorosa, Europa implorou que não a abandonasse num lugar ermo. Zeus consolou-a, mostrou-se carinhoso, prometeu levá-la para um sítio lindo que ele conhecia fora da Ásia. Prometeu e cumpriu. Instalaram-se na ilha de Creta e tiveram três filhos que vieram a ser famosos.”

Ana Maria Magalhães & Isabel Alçada, A Europa dá as mãos, Comissão Europeia. 1995, pp. 4-5.

 

A Cenoura e o Sonho

Hemant Morparia. 2005

Hemant Morparia. 2005

Este anúncio da Samsung, concebido pela elite da criação publicitária, é um belo exemplar de mitologia urbana contemporânea (ler a notícia que acompanha o vídeo). E não digo mais! Estou assoberbado a preencher mapas e formulários para a instituição governamental responsável pelo financiamento e pela avaliação da produção científica e tecnológica nacional. Ocorre-me pensar, a propósito, como com apenas meia dúzia de cenouras é possível conduzir organizações históricas e culturais gigantescas!…

Marca: Samsung. Título: The Developer. Agência: Leo Burnett. Direção: Adam Hashemi. USA, Outubro 2013

Lamborghini. O Touro Superdesportivo

Lamborghini AventadorPara além da qualidade dos gráficos e dos efeitos especiais, este anúncio da Lamborghini comporta um desafio interessante: Como dedicar um anúncio a um automóvel desportivo sob o signo do touro? O símbolo da marca, desde sempre. Têm-se feito muitos anúncios com cavalos. Com felinos, também. Mas com touros… Potência, bravura e frontalidade. Eis o triângulo das virtudes taurinas. Com quase três minutos, o vídeo lembra, aqui e além, o tempo e o compasso próprios do Sergio Leone. O mundo é uma arena de titãs, tectónicos ou não. A potência do touro desportivo não só se vê como, graças à banda sonora, se ouve, numa cadência mecânica. O Lamborghini Aventador não recua, nem hesita. Nenhum obstáculo o demove. Segue em frente. Mesmo quando o mundo se desmorona. O embate final é notável. Confrontado com as forças da escuridão, ao jeito do Senhor dos Anéis, o carro pára, “escava o solo” e arranca desenfreado, guiado pelo destino. Vitorioso, empoeirado, parece ainda mais robusto e mais potente. Como acontece nos anime e nos videojogos, o vencedor parece ter absorvido a energia do adversário, uma energia diabólica. Não admira que o Lamborghini Aventador também seja conhecido como “o veneno”. A cadência e a estética deste anúncio bebem na mística dionisíaca do touro e dos rituais tauromáquicos. Sublinhe-se, por último, que o Lamborghini começa solitário e solitário acaba, sem sombra de presença humana.

Marca: Lamborghini. Título: Lamborghini “Aventador”. Agência: Philipp und Keuntje, Hamburg. Direção: Ole Peters. Alemanha, Abril 2011.

Penélope na Idade da Técnica

As universidades apostam cada vez mais no marketing e na publicidade como modo de promoção. Este Soldier, da Singapore University of Technology and Design, lembra a dedicada Penélope. Volvidos alguns milénios, as mulheres continuam a cuidar dos homens; tecem roupas para os proteger: “See how thousands of men owe their lives to one woman”. 

Anunciante: Singapore University of Technology and Design. Agência: Goodfellas Singapore. Singapura, Dezembro 2011.

A magia do secador de cabelo

Há objectos que não estão fadados para despoletar o sonho? Por exemplo, os secadores de cabelo? Desenganem-se. Tudo, mesmo tudo, pode funcionar como faísca onírica. Pelo menos, nos vídeos de Bruno Aveillan. Sem perder beleza, a magia democratizou-se.

Apesar de este post, com três anúncios de Bruno Aveillan, já ir longo, acrescento, a propósito, o vídeo musical “Lux libera nos”, de Roberto Cacciapaglia.

Anunciante: Thermasilk. Títulos: 1) Dragon; 2) Dagger; 3) Party. Agência:  J. Walter Thompson (New York). Direcção: Bruno Aveillan. EUA, 2002.