Tag Archive | Londres

Poesia e violência

Lives not knives. No more knives. 2019.

Em 2018, observa-se, em Londres, um aumento inesperado de crimes com arma branca. Não conformada com a ausência de respostas eficientes, a associação londrina Lives not Knives decide promover um anúncio pautado pela poesia: No more knives. Para o efeito, recorre à inspiração de Maya Sourie. Não é a primeira vez que a poesia é convocada como forma de sensibilização (recordo Maio de 1968). Algumas imagens são poéticas e angustiantes, por vezes, trágicas. O anúncio é notável.

Anunciante: Lives not Knives. Título: No more knives. Direcção: Carly Randall & Will Cottam. Reino Unido, Fevereiro 2019.

Música e espectáculo

01. Canaletto. London. Westminster Abbey, with a Procession of Knights of the Bath. Detail. 1749

01. Canaletto. London. Westminster Abbey, with a Procession of Knights of the Bath. Detail. 1749.

Nos tempos áureos do barroco, floresciam os eventos públicos ao ar livre: procissões, triunfos, regatas, concertos, fogo-de-artifício… Eram espectáculos hiperbólicos. Tal como acontece nos nossos tempos com os espectáculos dos Fura dels Baus, as competições desportivas, as cerimónias políticas ou os concertos de música rock.

02. Canaletto. London. Westminster Abbey, with a Procession of Knights of the Bath, 1749

02. Canaletto. London. Westminster Abbey, with a Procession of Knights of the Bath, 1749.

Algumas das obras mais célebres de Georg Friedrich Handel (1685-1759) foram compostas expressamente para festas e comemorações. De origem alemã, Handel adquiriu a nacionalidade inglesa. Na Alemanha, foi mestre de capela do Eleitor de Hanôver, que se agastou com ele por causa de suas ausências em Londres. O Eleitor de Hanôver assume, entretanto, o trono da Grã-Bretanha, com o nome de Jorge I. Assim se apertam as malhas do destino. Consta que um amigo de Händel, “o Barão Kielmansegge, divisou um meio de reconciliá-los. Um dos passatempos favoritos dos nobres londrinos nesta época era o passeio de barco pelo Tamisa, acompanhados de uma pequena orquestra que os seguia em um barco próprio. Num desses passeios o Rei foi convidado a participar, e Kielmansegge providenciou para que a música executada fosse de Händel. Sem saber quem era o autor, o Rei se mostrou deliciado, e ao ser revelada a trama, perdoou-o” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Georg_Friedrich_H%C3%A4ndel).

03. Jorge I de Inglaterra com Handel, à esquerda.

03. George Frideric Handel (esquerda) e o rei Jorge I no rio Tâmisa, 17 de julho de 1717. Pintura de Edouard Jean Conrad Hamman (1819–88).

A Water Music foi encomendada pelo rei Jorge I para o acompanhar no rio Tamisa. Estreou em 17 de Julho de 1717. O sucesso foi de tal ordem que os músicos repetiram a peça três vezes (ver imagem 03).

The Hornpipe from Handel’s Water Music (HWV 349), performed by the FestspielOrchester Göttingen, Laurence Cummings, director.

O Messiah, encomendado por Lord Lieutenant da Irlanda, para uma campanha de beneficência, estreou no dia 13 de Abril de 1742, em Dublin. Assistiram cerca de 700 pessoas. Prevendo grande afluência, foi solicitado aos cavalheiros que se despojassem das suas espadas e às damas que não vestissem saias com armação, para caber mais gente. Durante o primeiro concerto em Londres, D. Jorge II, emocionado com o coro (Hallelujah), levanta-se. Respeitando o protocolo, “ninguém permanece sentado perante o rei em pé”, toda a assistência se levanta. Continua a ser costume assistir ao Messiah em pé.

Händel: »Hallelujah« (Messiah) ∙ hr-Sinfonieorchester ∙ Chœur du Concert D’Astrée.

04. A View of the fire-workes and illuminations at his Grace the Duke of Richmond, at Whitehall, and on the River Thames, Monday 15 May, 1749

04. A View of the fire-workes and illuminations at his Grace the Duke of Richmond, at Whitehall, and on the River Thames, Monday 15 May, 1749.

A Music for the Royal Fireworks foi encomendada pelo rei Jorge II para a celebração do Tratado de Aix-la-Chapelle, com  música e fogo-de-artifício. No dia de estreia,  27 de Abril de 1749, ocorreu um incêndio num paiol.

Filharmonia Narodowa. Jacek Kaspszyk conducts Händel’s La Rejouissance from Fireworks Music.

Estas três músicas são empolgantes. Prefiro, contudo, a serenidade do “Ombra ma fui”, largo da ópera Xerxes (1738).

George Szell and the London Symphony Orchestra play Handel’s Largo from Xerxes.

Uma banda no telhado

Rooftop Beatles

A genialidade e a extravagância andam muitas vezes de mãos dadas. Os Beatles deram, no dia 30 de Janeiro de 1969, um concerto no telhado do edifício Apple Headquarters, no 3 Saville Road, em Londres. O engenheiro de som foi Alan Parsons, ligado aos Pink Floyd e fundador dos Alan Parsons Project. O efeito foi, no mínimo, perturbador, com a Polícia Metropolitana a intervir. Consta que foi o último concerto público dos Beatles. Seleccionei a canção Don’t Let Me Down (1969).

Nem com excesso de recursos é fácil ser original. Menos de dois meses antes, no dia 7 de Dezembro de 1968, a banda norte-americana de rock progressivo Jefferson Airplane deu um concerto num telhado em Nova Iorque. Foi filmado por Jean-Luc Godard. O efeito? Tudo menos discreto. Seleccionei a canção The House at Pooneil Corners (1968).

The Beatles. Don’t Let Me Down. Ao vivo no telhado do edifício Apple Headquarter, nº 3 Saville Road. Londres, 30 de Janeiro de 1969.

Jefferson Airplane. The House at Pooneil Corners. Ao vivo num telhado em Nova Iorque, 7 de Dezembro de 1968.

 

O corpo não cabe no ecrã

eurostar-paris-londresEstes anúncios encantam-me. Tão bem feitos! Despertam todos os sentidos. Bem como o imaginário, a pele e o corpo. Presenciamos, cheiramos, tocamos, saboreamos, ouvimos, descansamos, participamos, vestimos os símbolos. Os olhos são uma extensão do corpo. Transfiguram-se numa orquestra de sentimentos, sensações e emoções. O ecrã não basta, não faz justiça ao corpo, nem à pele, nem ao movimento. O corpo quer andar, apalpar, perder-se, regalar-se à mesa, molhar-se à chuva, acariciar os ícones, espantar-se com o quotidiano, misturar-se com os outros e falar outra língua. O corpo pede para estar lá. Em Londres ou em Paris, com ou sem o Eurostar. Estes anúncios são, antes de mais, um convite à viagem ou, mais precisamente, à descoberta.

Marca: Eurostar. Título: Stories are waiting in Paris. Agência: AMV BBDO London. Direção: Simon Ratigan. UK, Outubro 2013.

Marca: Eurostar. Título: Tant d’histoires à venir à London. Agência: AMV BBDO London. Direção: Simon Ratigan. UK, Outubro 2013.