Tag Archive | irmãos Limbourg

O carro do morto

the-belles-heures-of-jean-de-france-duc-de-berry-herman-paul-and-jean-de-limbourg-franco-netherlandish-active-in-france-by-1399-14162

Les Très Riches Heures du Duc de Berry, pelos Irmãos Limbourg, activos em França entre 1399 e 1416.

Que mais desejar no momento da partida? Uma boa cerimónia fúnebre, cântico, a presença dos próximos e uma viúva inconsolável, não com despedida do falecido mas com a perda do automóvel. Como última vontade, o falecido conduzirá no além. Um memorável momento de humor macabro.

Com o devido recolhimento, acrescento a canção In the death car (Arizona Dream, 1993), de Goran Bregovic. “In the death car we are alive”.

Marca: Infiniti. Título: Eulogy. Agência: TBWA. Direcção: Joe Pytca. USA, 1997.

Goran Bregovic. In the death car, Arizona Dream, 1993. Ao vivo em Poznan, 1997.

As mui ricas horas

Irmãos Limbourg. Les Très Riches Heures du duc de Barry. Meses do ano. Sinopse.

Irmãos Limbourg. Les Très Riches Heures du duc de Barry. Meses do ano. Sinopse.

O Tendências do Imaginário dedicou dois artigos ao modo como a vida no campo é retratada na arte: a obra de Jean-François Millet (Pintar o Campesinato: Jean-François Millet) e o Luttrel Psalter

(Pintar o Campesinato: O Luttrell Psalter). Chegou a vez das Très Riches Heures du duc de Berry. “Um expoente dos livros iluminados”, que levou 77 anos a concretizar. Os autores foram os Irmãos Limbourg, entre 1412 e 1416; Barthélemy van Eyck (?), na década de 1440, e Jean Colombe, entre 1485 e 1489. O livro contempla, entre outras iluminuras, os doze meses do ano com as respectivas actividades típicas.

Sobreviveram milhares de livros de horas. Provenientes, principalmente, das oficinas de Paris e de Flandres, a sua produção resultava cara e demorada. Acontecia, como no caso do Très Riches Heures, o destinatário falecer antes da conclusão do livro. A obsessão pela salvação da alma convivia, nesses tempos, com o “amor pela imagem”. Mas não vivemos nós na era da imagem? Somos, graças a Deus, a era de tudo. Olhar para trás é capaz de fazer bem ao pescoço e à cabeça!

Quentin Massys. O banqueiro e sua  esposa. 1514. Louvre.

Durante a Idade Média e o Renascimento, o valor dos livros de horas era de tal ordem que as pessoas faziam questão de os colocar nos retratos. Um símbolo de piedade, mas também de estatuto. No célebre quadro O banqueiro e sua esposa (1514), de Quentin Massys, a esposa tem um livro de horas nas mãos.

Galeria de imagens. Les Très Riches Heures du duc de Berry. Meses do ano.

Catequese pela imagem: a origem da vergonha

Esta iluminura dos irmãos Limbourg, A Queda e a Expulsão do Paraíso, de 1415-16, proporciona um excelente exemplo de catequese pela imagem. Ilustra, passo a passo, a mudança de estatuto da nudez, da inocência à vergonha, passando pelo pecado. Primeiro e segundo episódios: Eva colhe a maçã e entrega-a Adão, ambos despreocupadamente nus. Terceiro: Deus expulsa Adão e Eva do Paraíso, ambos cobrem os órgãos genitais com as mãos. Quarto: Adão e Eva saem do Paraíso tapando, agora, as vergonhas com folhas de figueira.

©Photo. R.M.N. / R.-G. OjŽdaIrmãos Limbourg. A Queda e a Expulsão do Paraíso. 1415-16 (Alta resolução).

Sobre o tema da nudez na religião e na arte:

“Não foi a modéstia da Contra-Reforma, mas o zelo dos pintores do Renascimento do Norte quem vulgarizou o encobrimento dos órgãos genitais com folhas de plantas. Para além dos ressuscitados no Juízo Final e dos condenados ao inferno, não há nudez mais incontornável do que a de Adão e Eva no paraíso. Pintores como Albrecht Dürer, Jan Gossaert, Hans Baldung, Jan van Scorel e Lucas Cranch respaldam-se na própria palavra bíblica para justificar a utilização das folhas virtuosas.

Mal Adão e Eva acabaram de comer o fruto da árvore que se erguia no meio do jardim celeste, “os seus olhos abriram-se; e, vendo que estavam nus, tomaram folhas de figueira, ligaram-nas e fizeram cinturas para si” (Genesis, 3. 7). As folhas de figueira são mencionadas no Genesis como forma de ocultar a nudez vergonhosa dos primeiros pecadores. Recorde-se que, no paraíso, antes do pecado, a nudez não era vergonhosa e dispensava, portanto, a folha de figueira: “O homem e a mulher estavam nus, e não se envergonhavam” (Genesis, 2. 25)“ (https://tendimag.com/?s=vestir+os+nus).