Tag Archive | Hans Surén

Corpos sólidos

Hans Surén 1

Hans Surén 1

Hans Surén 2

Hans Surén 2

“Tornar os corpos robustos não é, num Estado racista, assunto dos indivíduos, nem uma questão que respeita em primeiro lugar aos pais (…), é uma necessidade da conservação do povo que representa e protege o Estado (…) Um jovem que o desporto e a ginástica tornaram duro como o ferro sofre menos que o indivíduo caseiro, exclusivamente nutrido com alimentação intelectual, a necessidade de satisfações sensuais (…) Deve, após a jornada de trabalho, cimentar o seu jovem corpo e endurecê-lo para que a vida, um dia ou outro, não o encontre demasiado amolecido (…) O futuro jovem alemão deve ser esbelto e alongado, ágil como uma lebre, resistente como o couro e duro como o aço de Krupp. Nós devemos transformá-lo num homem novo a fim de evitar que ele não sucumba à degenerescência geral” (Hitler, Adolf, Mein Kampf, ed. de 1934).

Hans Surén 3

Hans Surén 3

Na opinião de um seguidor do Tendências do Imaginário, o meu pensamento não é mau mas é demasiado rápido. Tem razão. Por entre síncopes e atalhos, alusões cifradas e teorias sem teóricos, uma pessoa perde-se. Em suma, uma escrita pouco amigável, com os neurónios a tropeçar uns nos outros. Por exemplo, no último artigo, a pretexto da qualidade de vida, insinua-se, sem preparo nem reparo, a frase “e os corpos coreografados da propaganda nazi”, com direito a uma fotografia de Hans Surén (https://tendimag.com/2015/04/18/qualidade-de-vida/). Por quê tanta frase curta cravejada com lembretes erráticos? Não sei. Talvez por receio que as ideias fujam!

Hans Surén 4

Hans Surén 4

Hans Surén (1885-1972) publicou, em 1924, o livro Mensch un Sonne (Os Homens e o Sol), com fotografias de nus masculinos e femininos. Era então promotor da NacktKultur e do naturismo. O livro atingiu 68 edições (250 000 exemplares) no primeiro ano de edição.

Arno Breker. Eos. 1939.

Arno Breker. Eos. 1939.

Surén aderiu ao partido nazi em 1933, adaptando, sucessivamente, o seu livro à ideologia do Terceiro Reich. Para a recolha de imagens (galeria 1), recorremos à edição de 1936, mais permeada pela estética nazi e pelo ideal ariano. Deparamo-nos com corpos nus, vigorosos, saudáveis, individuais e coletivos, autênticas alegorias da potência da raça.

Hans Surén não era, porém, fotógrafo do regime, pelo menos ao mesmo título que Arno Breker (1900-1991) e Leni Riefenstahl (1902-2003), respetivamente, o escultor e a cineasta prediletos de Adolf Hitler. Arno Breker também se dedica à escultura de corpos nus, atléticos, musculados, saudáveis, simétricos e disciplinados. “Uma materialização da ideologia nazi”.

Adolf Hitler,  Albert Speer e Arno Breker (à direita) em Paris (1942)

Adolf Hitler, Albert Speer e Arno Breker (à direita) em Paris (1942)

O governo disponibilizou-lhe três ateliers onde trabalhavam dezenas de pessoas, entre as quais prisioneiros deportados. Tornou-se célebre a fotografia em Paris, datada de 1942, com Adolf Hitler e Albert Speer, arquiteto do regime. Nesse ano decorreu na Orangerie uma exposição com a sua obra.

Arno Breker: Esculturas no pátio da chancelaria em Berlim.

Arno Breker: Esculturas no pátio da chancelaria em Berlim.

Arno Breker 2

Arno Breker 2

“A partir do mês de fevereiro de 1939, o visitante da nova chancelaria do Reich, em Berlim, é recebido, no pátio de honra, por duas estátuas de Arno Breker, simetricamente dispostas de um e do outro lado da escadaria central: uma, brandindo uma tocha, representa o Partido, a outra, armada com um gládio, a Whermacht. A força do espírito e da espada, transportada por torsos voluntariosos e músculos salientes, impõe-se, deste modo, a qualquer hóspede, nomeadamente estrangeiro, do Führer. A nova Alemanha dá-se a ver sob uma luz despojada e viril, ao mesmo tempo ascética e atlética, do nu do guerreiro” (Chapoutot, Johann, Le nu guerrier nazi. Art d’État et archétype de la race, Bulletin nº 24, Automne 2006, Université Paris I – Panthéon Sorbonne, http://www.univ-paris1.fr/autres-structures-de-recherche/ipr/les-revues/bulletin/tous-les-bulletins/bulletin-n-24-art-et-relations-internationales/johann-chapoutot-le-nu-guerrier-nazi-art-d8217etat-et-archetype-de-la-race/; sobre a importância da configuração e da decoração dos percursos de acesso nos palácios imperiais, ver o documentário da BBC: How Art Made the World. Episode 3 of 5. The Art of Persuasion, 2005).

Arno Breker 3

Arno Breker 3

A escultura de Arno Breker não se confina ao sexo masculino. Multiplicam-se as estátuas com jovens mulheres nuas de saudável constituição. Se as esculturas de homens, armados ou não, são de soldados ou de jovens preparados para o ser, as esculturas de mulheres convocam (futuras) mães, com os atributos que a reprodução da raça exige (ver “Antitabagismo. Uma nota histórica parcelar”: https://tendimag.com/2014/08/26/antitabagismos-uma-nota-historica-parcelar/). Se os corpos masculinos se querem prontos para a guerra, os corpos femininos devem estar preparados para a procriação, garantia do futuro da nação. Dezenas de milhares de anos depois da Vénus de Willendorf, da Vénus de Lespugue ou da Vénus de Doni Vestonice, emerge a Vénus do Terceiro Reich! Reconhece-se na escultura de Arno Breker a oposição, arquetípica, entre a espada, masculina, e a taça, feminina (ver Durand, Gilbert, As estruturas antropológicas do imaginário. Lisboa: Presença, 1989).

Arno Breker 4. Apolo e Dafneia.

Arno Breker 4. Apolo e Dafneia.

As fotografias de Hans Surén e as esculturas de Arno Breker inspiram-se na antiguidade clássica, mormente grega. Pela forma, pelo conteúdo e pelo alcance. A estética clássica, nos antípodas da “arte degenerada”, é assumida pelos políticos e pelos artistas nazis. Para além da influência da mitologia grega (por exemplo, os relevos Apolo e Dafneia e Orfeu e Eurídice, de Arno Breker), interessa relevar os princípios e as formas que lhe dão corpo.

Vídeo 1: A Obra de Arno Breker.

O início do filme Olympia, de Leni Riefenstahl, faculta uma visualização magistral da ponte entre a estética da antiguidade clássica e a estética ariana. Lentamente, em cerca de dez minutos, opera-se a passagem do testemunho das ruinas e das estátuas, masculinas e femininas, dos atletas e guerreiros gregos para os corpos dos atletas, homens e mulheres, arianos (ver vídeo 2).

Vídeo 2: Leni Riefenstahl. Olympia. Início.

São realistas as imagens de Leni Riefenstahl e as esculturas de Arno Breker? Não são realistas, são clássicas. Distorcem a realidade numa vontade de a predizer. Os corpos de Arno Breker são impossíveis. Não há simetria nem músculo que resistam. Até certo ponto, it’s a fake, uma ilusão. Mas a escultura grega também não era realista. Os corpos eram belos, mas não eram reais. A aspiração estética, a beleza, declina a cópia, aspira a uma representação “mais humana do que o humano” (ver o documentário da BBC: How Art Made the World. Episode 1 of 5. More Human than Human, 2005). A estética nazi é “clássica, demasiado clássica”, excessivamente clássica.

Galeria de fotografias de Hans Surén

O meu reino, imaginário, também é um pouco assim: clássico, na versão quadrada. Tudo se decide com valentes tesouradas. Parece a mesa de um alfaiate.

Qualidade de Vida

A qualidade de vida também se mede. A Organização Mundial de Saúde (OMS) concebeu uma ferramenta para aferir a qualidade de vida das pessoas: o WHOQOL, um questionário com várias escalas num total de 100 itens (pdf da versão portuguesa ). Trata-se de uma ferramenta robusta, validada, com várias versões, utilizada em diversas áreas científicas. O que é a qualidade de vida? Quais são as dimensões e os indicadores? A versão portuguesa abreviada contempla 26 itens (pdf da versão portuguesa abreviada). Uma categorização rápida, inevitavelmente arbitrária, destes 26 itens proporciona os seguintes resultados (o total ascende a 30, uma vez que quatro itens foram incluídos em duas categorias): a maioria dos itens remete para as seguintes categorias: saúde (8), capacidades várias (7) e mobilidade (2).

Qualidade de Vida_Página_1

As escalas WHOQOL suscitam alguns reparos.

À luz destes itens, o barco dos valores pós-materialistas encalhou em algum rochedo antes de arribar às escalas do WHOQOL. Responsável por pesquisas internacionais dedicadas às dinâmicas dos valores, Ronald Inglehart (1977: 1990) prevê a ascensão de valores pós-materialistas, tais como a autonomia, a participação, a realização pessoal e o prazer no trabalho, em detrimento dos valores materialistas, tais como o desafogo económico e a segurança. No WHOQOL, as dimensões “materialistas” imperam. É certo que “qualidade de vida”, sobretudo quando associada a condições de vida, não é o mesmo que “valores de vida”. Não se confundem, mas pressupõem-se e intersectam-se.

Figura 2. Pawel Kuczinski.

Figura 2. Pawel Kuczinski.

Os autores do WHOQOL fazem do indivíduo o ponto de fuga da qualidade de vida. Tudo desagua no entrevistado. Este, ou se autoavalia ou avalia o seu entorno. Mais do que egocentrismo, parece egoísmo. Atente-se no seguinte item: “Até que ponto está satisfeito com o apoio que recebe dos seus amigos?” Nunca se pergunta ao entrevistado o que faz, ou fez, de bem ou de mal, aos outros. Dar, participar e amar pode proporcionar mais felicidade do que receber, desfrutar e beneficiar. Dar é uma bem-aventurança!

Saltei da qualidade de vida para a felicidade. Mas qual é a qualidade de vida que não namora a felicidade? É verdade que a felicidade ainda não se mede. Mas não tarda. Se calhar, a tribo já está a cometer a proeza. Desde há milhares de anos, mantivemos os neurónios relativamente inalterados, mas, num ponto, evoluímos: nasceu-nos uma fita métrica na cabeça. No algoritmo promovido pela técnica e pela ciência, a felicidade é uma sub-rotina desgarrada, regada por principezinhos poetas.

Figura 3. Pawel Kuczinski.

Figura 3. Pawel Kuczinski.

Não há memória de uma montagem de padrões e protótipos de perfeição humana tão consensual, precisa e sistemática. Outrora, escalava-se o peixe e a lampreia. Agora, escala-se tudo. Da horta até à cátedra. Pitirim A. Sorokin (1956) já falava, nos anos cinquenta, em quantofrenia e testomania. O nutricionista empenha-se em registar as gramas em excesso e receita doses de sementes; o cientista dissemina as ideias na roleta indexada da excelência. Eis, em suma, a questão: ser ou não ser uma equação.

Há palavras que dizem uma sociedade. Salvação, na Idade Média; prosperidade, nos últimos séculos. Se bem me lembro, no Natal, prosperidade era a palavra mestre, repetida vezes sem conta nas mensagens dos militares da Guerra do Ultramar. Qualidade de vida ergue-se como a palavra mestre da sociedade atual. Não demora a digitalização de postais ilustrados com a seguinte mensagem: “Votos de qualidade de vida para sempre”.

Hans Surén, Der Mensch und die Sonne, edição de 1936.

Figura 4. Hans Surén, Der Mensch und die Sonne, edição de 1936.

A qualidade de vida é a nossa lebre. Corremos atrás dela como os medievais corriam atrás da salvação. Multiplicam-se os aparelhos e os dispositivos: organismos políticos, hospitais, universidades, centros de investigação, comunicação social, ONGs… O equilíbrio é, por sua vez, a disposição certa, a nova pedra filosofal. Há séculos que o equilíbrio é vital, pelo menos, no que respeita à saúde. Recorde-se o equilíbrio dos quatro humores corporais, aproximado à custa de sangrias e sanguessugas. Hoje, alcançar ou manter o equilíbrio é uma missão. E uma provação, num mundo prenhe de tentações nefastas à qualidade de vida: o tabaco, o álcool, o sofá, os fritos, as gorduras, a Coca-Cola, o açúcar, o sal, o pastel de nata e, pasme-se, o leite. Quase tudo desequilibra. Importa revisitar as estátuas gregas, os palácios renascentistas e os corpos coreografados da propaganda nazi (Figura 4). Esta fixação no equilíbrio tem pouco de pós-moderno. O barroco, o trágico e o grotesco não conseguem destronar esta aspiração clássica. Tanto equilíbrio traz-nos desequilibrados.

Figura .Pawel Kuczinski

Figura 5. Pawel Kuczinski

Mas o grande desequilibrador deste funambulismo coletivo é, naturalmente, a morte. Afastamo-la do claustro para o cemitério, do centro para a periferia, da rua para o ecrã, sempre com ela ao colo (Thomas, 1979). Entre 1960 e 2011, a esperança de vida de um português subiu de 60,7 para 76,7 anos e a esperança de vida de uma portuguesa de 66,4 para 82,6 anos. Cerca de 16 anos! Já há quem “declare morte à morte” (Alexandre, Laurent, La mort de la mort, Paris, JC Lattès Editions, 2011). Entretanto, a morte espera, dança e ri, como nos quadros de James Ensor, Otto Dix e George Grosz. “A morte agarra aqueles que lhe fogem”, terá dito Horácio. Se a qualidade de vida é a nossa luz, a morte é a nossa sombra. O equilíbrio é amigo da repetição, a vida tem limites e a perfeição, defeitos.

Referências:

Inglehart, Ronald (1977), The silent revolution. Princeton, Princeton University Press.

Inglehart, Ronald (1990), Culture shift in advanced industrial society, Princeton, Princeton University Press.

Sorokin, Pitirim A. (1956), Fads and Foibles in Modern Sociology and Related Sciences, Chicago, Henry Regnery.

Thomas, Louis-Vincent (1979), Civilisation et divagations. Mort, fantasmes, Paris, Payot.