Tag Archive | Filip Tellander

A antecâmara da morte

Mercedes_SLK_memoriesHá quem acredite que, no preciso momento que precede a morte, nos acode tudo o que fizemos, sentimos e pensamos em vida. Uma espécie de rewind in fast motion. É o que sustentam alguns espíritas:

“Antes, porém, que o Espírito adormeça, ocorre o interessante fenômeno de recordação da vida passada, em que um panorama desfila ante seus olhos. Tem-se notícia de que, em fração de segundo, o Espírito revê, minuciosamente, todos os fatos da vida terrena que acabou de deixar, cena após cena, desde a infância até a desencarnação, desde o incidente mais insignificante até o acontecimento mais importante.” (http://www.forumespirita.net/fe/comunicabilidade-dos-espiritos-(mediunidade)/no-momento-da-morte/?PHPSESSID=8152e8bcf70eb55921efd4731c2900dc#ixzz2vZtAParK.

“Vi-me diante de tudo o que eu havia sonhado, arquitetado e realizado na vida. Insignificantes idéias que emitira, tanto quanto meus atos mínimos, desfilavam, absolutamente precisos, ante meus olhos aflitos, como se me fossem revelados de roldão, por estranho poder, numa câmara ultra-rápida instalada dentro de mim. Transformara-se-me o pensamento num filme cinematográfico misteriosa e inopinadamente desenrolado, a desdobrar-se, com espantosa elasticidade, para seu criador assombrado, que era eu mesmo.” (Revista Espírita ano II fevereiro e março de 1996 n 2 e 3, escrita por Salvador Gentile, IDE. http://www.editoraideal.com.br/ler_materia.php?id=101).

O anúncio Memories retoma esta crença na revisão ante mortem. Confrontada com um acidente fatal, a “vítima” recorda os momentos passados, com destaque para a condução de um Mercedes SLK. Entretanto, o reclame não cai, a morte é adiada e o prazer de conduzir o automóvel adquire novo alento.

O anúncio tem uma marca de qualidade: a direcção do escandinavo Filip Tellander.

Marca: Mercedes. Título: Memories. Direção: Filip Tellander. 2013.

Deslizar

Peugeot_3008_memories_A45Deslizar não é andar nem voar. Voar e deslizar são figuras e sensações particularmente prezadas na actualidade. Foram, por exemplo, os desportos californianos (asa delta, parapente, surf) aqueles que mais cresceram desde meados do século XX (ver o artigo “O Desporto do Nosso Contentamento”, publicado em 2002). Este anúncio da Peugeot, dirigido por Filip Tellander, aposta no deslize, em diálogo ora com desportos radicais, ora com videojogos. Uma cartografia, entre outras possíveis, do prazer contemporâneo.

“Ce dont, dans sa diabolique pesanteur, le monde s’évertue à nous dépouiller, c’est de la passion, qui seule glisse au niveau de la Création” (Louis Calaferte, Droit de Cité, 1992).

Marca: Peugeot. Título: The Road to Sensations. Agência: BEPC. Direcção: Filip Tellander. França, Janeiro 2004.

O Desporto do nosso contentamento

Um carro e um cavalo

Mazda_6_lines_A60Potência, prazer e movimento. Entre curvas e rugosidades, como as estradas de montanha. Um arado sulca o solo à velocidade de um relâmpago. Muitos anúncios de automóveis seguem este cânone. O cavalo é o grande símbolo e a masculinidade a nota dominante. Os anúncios que seguem não destoam. São variações do mesmo cânone, variações que, como se sabe, podem ser mais originais do que o original.

Marca: Mazda 6. Título: Inspired by motion. Agência: Agência: Cosmo. Direção: Filip Tellander. Suécia, 2013.

Marca: Audi. Título: Desert Run. Direção: Filip Tellander (?). 2013.