Tag Archive | delírio

Modernidade avançada

Falso documentário. Russian cyberpunk farm.

O Daniel Noversa enviou-me este vídeo. Um expoente de humor aberrante. A ciência e a cultura  transformam-se numa distopia delirante. O fabuloso tem precursores: os romances de François Rabelais, As Viagens de Gulliver, de Jonhatan Swift, a Quinta dos Animais, de George Orwell, e o absurdo Pays Sages, de Rafael Pividal. Gosto do tema e do modo. Há momentos em que parece que a vida se enganou na encruzilhada. Um excesso sôfrego de verdades e soluções. A enciclopédia do disparate. A sequência em que a robot leiteira evita o agricultor para se encostar ao trator é uma delícia. Fiquei sem fôlego literário. O Álvaro Domingues tem descoberto, no mundo fotografável, cotejos insólitos semelhantes. É ele que deve comentar esta espécie de documentário fictício.

Russian Cyberpunk Farm. Falso documentário.

Janus

Janus. Watercolour by Tony Grist. 2011.

Janus. Watercolour by Tony Grist. 2011.

O templo de Janus, deus romano dos destinos, das encruzilhadas, das passagens e das portas, permanecia aberto em tempo de guerra e fechado em tempo de paz. Janus tinha duas faces, uma voltada para o passado, a outra, para o futuro. Se Janus congrega passado e futuro, guerra e paz, passagem e porta, então os contrários interagem, não para se ultrapassar ou anular, mas para coexistir dialogicamente.  Sem pedir licença à razão categórica, a virtude emerge do vício, a ternura abraça o monstro, o desagradável agrada e o baixo um dia se elevará.

Bust of the Roman god Janus. 1569.

Bust of the Roman god Janus. 1569.

Vem esta lengalenga a propósito do anúncio Bratfast in bed, às salsichas Johnsonville. O pai, vítima de um pesadelo ou de um delírio, é assolado por imagens insólitas de salsichas. Nem por isso resiste a um bratwurst. Combinando humor e desconforto, espera-se que o próprio espectador, a seu tempo, não resista à tentação.

“Há anúncios que convocam maus sentimentos e péssimos valores (e.g, anúncios do Ford Sport Ka). Já se sabe! Há anúncios que em vez do produto mostram maus sentimentos e péssimos valores. Fica a saber-se! Mas contam uma história, entranham-se e vendem!” (https://tendimag.com/2012/05/17/amizade-sobre-rodas/).

Marca: Johnsonville. Título: Bratfast in bed. Agência: Droga5. Direcção: Ray Tintori. USA, Junho 2015.

Crisálida. Era uma vez no oriente

Chrysalis

Crisálida

Este é um anúncio fora do vulgar. Longo, criativo, animado, irreverente, delirante… Bizarro! Nem sei como o Salvador Dali, o Andy Warhol e os Gato Fedorento falharam esta oportunidade.

Vou abrir uma fresta ao lado sério, que não cultivo. Thanonchai Sornsriwichai, o realizador, é um homem de arte notável. Já tive o ensejo de colocar alguns anúncios dirigidos por ele no Tendências do Imaginário. Não resisto a lembrar um anúncio, igualmente longo, para a Pantene: Crysallis (2009). Recoloco-o porque se mencionar apenas o endereço a maior parte não vai ver. Talvez seja isto a globalização: um contacto, uma ligação, uma partilha. Pouco tem a ver com a globalização que anda nas bocas do mundo.

Marca: Smooth e. Título: Thai Love Story. Agência: JEH United (Bangkok). Direção: Thanonchai Sornsriwichai.Tailândia, 2006.

Marca: Pantene. Título: Crysalis. Agência: Grey Thailand. Direção: Thanonchai Sornsriwichai. Tailândia, Fevereiro 2009.

Surreal

Um anúncio que se preze acrescenta sempre algo ao produto. Este anúncio surrealiza-o. “Neston, mais que gostoso, é surreal”. Delirante!

Marca: Neston. Título: Surreal. Agência: Publicis. Direção: Gustavo Moraes, Marco Lafer. Brasil, Julho 2012.